Home / Disciplinas / Biologia / Dentição de vertebrados

Dentição de vertebrados

Com certeza vocês já repararam em como nossos dentes são diferentes das outras pessoas. Uns maiores, outros menores, uns mais brancos outros mais espaçados. E entre os animais então?

vertebrados

Ao longo da história evolutiva, as espécies desenvolveram adaptações que amplificaram suas chances de sucesso. Conforme iam ocupando os nichos existentes a competição pela sobrevivência ia se estreitando a níveis menores, como alimentação por exemplo. Não haveria presas se todos fossem carnívoros e nem plantas se todos fossem herbívoros, e que bagunça seria se todos comessem de tudo (os onívoros).

Sendo assim, conforme iam se especializando em determinado tipo e/ou comportamento alimentar as espécies desenvolveram dentições cada vez mais especializadas que auxiliaram nesse processo. Nesse ínterim, focaremos nossas atenções nos mamíferos, que atualmente é o grupo que apresenta a maior variedade de dentições especializadas.

Antes disso precisamos nos familiarizar com dois termos : homodonte e heterodonte.

Na dentição homodonte, toda a arcada dentária apresenta o mesmo padrão, ou seja, apesar de algumas diferenças de tamanho os dentes são iguais, como eu um jacaré. Todos os dentes são cônicos e pontiagudos.

jacaré

Todos os dentes do jacaré tem igual formato, o que classifica a dentição homodente

Em contraste, a dentição heterodente apresenta grupos de dentes diferentes, cada um desses especializado para uma função. Um bom exemplo de dentição heterodente somos nós. Isso mesmo, nossos dentes são especializados para cada tipo de alimento que consumimos.

Basicamente, uma arcada dentária heterodente é dividida em: incisivos, caninos, pré-molares e molares.

Incisivos: são os dentes frontais, os primeiros que aparecem no sorriso. São utilizados para cortar. Bastante desenvolvidos em herbívoros, principalmente os pastadores, que se alimentam de grama e capim. Os animais com incisivos mais desenvolvidos que se conhecem são os roedores. Como o nome do grupo já diz, esses animais roem, constantemente, tanto para se alimentar quanto para construir seus ninhos e moradias (como os castores), para isso precisam de incisivos  grandes e constantemente afiados. Uma curiosidade é que os dentes dos roedores nunca  param de crescer e se encaixam de forma que os dentes de cima afiam  os de baixo constantemente.

incisivos
Os roedores possuem incisivos bastante desenvolvidos, o que facilita o corte dos seus alimentos.

Caninos: são as famosas presas, os dentes mais desenvolvidos nos carnívoros, são utilizados para rasgar a carne.

leão
Em carnívoros especializados como o leão os caninos são extremamente desenvolvidos, auxiliando no abate da presa e para rasgar sua carne em pedaços fáceis de engolir. Já os incisivos são pequenos e quase irrelevantes.

Pré-molares e molares: Aqui temos o grupo de dentes considerados como trituradores. Bastante desenvolvidos em herbívoros e onívoros esses dentes são importantes pois reduzem o tamanho do alimento para que a digestão seja mais eficiente e facilitada.

Em herbívoros ruminantes, esses dentes são enormes, e auxiliam na quebra da parede celular do vegetal para que a absorção dos nutrientes seja bastante efetiva.

herbívoros
Em herbívoros especializados, os molares são grandes e volumosos. O grande tamanho evita com que se desgaste tão rápido, visto que esses animais mastigam muito o alimento, gerando muito atrito entre os dentes

Já os animais com dieta onívora (como nós), têm os dentes desenvolvidos de forma mais uniforme, visto que precisamos cortar e triturar os alimentos de origem vegetal e rasgar os de origem animal.

porco
Em animais onívoros como o porco, podemos ver um bom desenvolvimento de todos os tipos de dente, visto que onívoros consomem todo o tipo de alimento.

A especialização da dentição foi fundamental para o sucesso das espécies em seus respectivos nichos, permitindo máximo aproveitamento do alimento, evitando a competição e favorecendo o desenvolvimento da diversidade e da manutenção dos processos ecológicos.

Paulo Ribeiro
Biólogo, Mestre em Zoologia Aplicada