Home / Disciplinas / Geografia / O Processo de Urbanização

O Processo de Urbanização

A urbanização é um fenômeno que primeiro abrangeu os países de industrialização pioneira, para depois alcançar o mundo subdesenvolvido.

urbanização

A urbanização consiste no processo de desenvolvimento e expansão das cidades em relação ao meio rural. Esse crescimento se estrutura tanto a nível populacional, quanto na relação espacial e também econômica. O que se observa é que à medida que as sociedades se modernizam, mais urbanas elas se tornam.

Segundo a Organização das Nações Unidas, pela primeira vez na história da humanidade, a população mundial tornou-se majoritariamente urbana. Em 2010, mais de 50% das pessoas estava vivendo em pequenas, médias ou grandes cidades e não mais no meio rural. No mundo desenvolvido, essa taxa ultrapassa os 75%, de modo que ela também apresenta crescimento no mundo subdesenvolvido ao longo das últimas décadas.

Veja também: A Urbanização Brasileira – Resumo – Geografia

O processo de urbanização é considerado vantajoso no sentido de que é mais fácil oferecer infraestruturas básicas, como redes de transporte, comunicação, energia e saneamento quando toda a população está aglutinada em torno do ambiente das cidades. No entanto, quando a urbanização de um país ocorre de forma muito acelerada e concentrada em poucas cidades, elas não conseguem absorver a grande quantidade de habitantes e passa a evidenciar em seu espaço geográfico as contradições sociais. Assim, emerge o problema da expansão desenfreada das periferias, a formação de favelas e áreas de invasão, entre outros.

Existem dois conjuntos de fatores que condicionam a urbanização pelo mundo: os fatores atrativos e os fatores repulsivos. Os fatores atrativos estão relacionados às condições oferecidas pelas cidades, como empregos, melhores condições de vida, acesso amplo à informação, entre outros. Já os fatores repulsivos estão ligados aos problemas estruturais do campo que motivam a migração de pessoas para os centros urbanos, como o desemprego estrutural, a concentração fundiária, os conflitos por posse de terras, entre outros.