Home / Carreiras & Profissões / Quanto ganha um Cirurgião Plástico?

Quanto ganha um Cirurgião Plástico?

Descubra quanto ganha um cirurgião plástico o salário e a média salarial. Saiba também os principais temas abordados na especialização do Cirurgião Plástico

Cirurgião Plástico

Uma das profissões mais requisitas do Brasil é a de Médico. Além do prestígio em atuar no setor, os especialistas também recebem salários promissores. Dentre os diversos segmentos desse campo, está o de Cirurgião Plástico, uma das áreas mais bem pagas no país.

O processo de formação desse profissional é extenso e exige muita dedicação, fatores que justificam a alta remuneração do especialista. Além da Faculdade de Medicina, é necessário fazer a residência médica para adquirir conhecimentos sobre os procedimentos cirúrgicos.

Quanto ganha o profissional?

Na condição de Médico Generalista, a remuneração média oferecida para o profissional é de R$ 8.500 mensais. No caso de um Cirurgião Plástico, esse valor pode aumentar consideravelmente de acordo com cada procedimento realizado pelo especialista, podendo ultrapassar o valor de R$ 20.000.

Na medida em que o profissional realiza mais especializações e incrementa seu currículo, o seu trabalho se torna ainda mais valorizado. Segundo Pesquisa Salarial e de Benefícios divulgada pela Catho, aqueles que possuem mestrado e doutorado recebem 150% a mais em seus honorários do que profissionais que possuem apenas a graduação.

Veja também: Quanto ganha um Anestesista?

Embora o salário médio de um Cirurgião Plástico renomado no mercado de estética seja R$ 20.000 mensais, um dos mais altos da área de medicina, existem profissionais do setor que chegam a ganhar R$100 mil por mês.

No entanto, os altos custos para a realização de procedimentos estéticos tendem a afastar clientes que precisam economizar e, por essa razão, acabam procurando profissionais desqualificados para realizar cirurgias consideradas simples, como lipoaspiração, implantes de silicone nas mamas e glúteos.

Esses clientes geralmente são submetidos a situações de risco. Por essa razão, se torna fundamental alertá-los sobre a importância de escolher um profissional qualificado para realizar cirurgias de cunho estético.

Além das qualificações, os cirurgiões plásticos brasileiros que dominam outro idioma também recebem salários mais promissores. O que justifica o reajuste no salário é o amplo reconhecimento da profissão internacionalmente. O Brasil é referência mundial em Cirurgia Plástica, perdendo apenas para os Estados Unidos, que possui uma população bem maior.

Para se ter uma noção, atualmente são realizados mais de 300 mil procedimentos cirúrgicos de cunho estético por ano no país, sem contar as reparadoras. Muitos pacientes, especialmente da América Latina e do Caribe, procuram médicos brasileiros para melhorar a aparência.

Formação em Cirurgia Plástica

Para se tornar um Cirurgião Plástico, é necessário passar por 11 longos anos de estudo. Os seis primeiros anos são dedicados a conclusão da Faculdade de Medicina. Em seguida, o profissional é submetido a dois anos de Residência Médica em Cirurgia Geral para ganhar intimidade com os procedimentos cirúrgicos. Os três próximos anos são de Residência de Cirurgia Plástica, que deve ser feito em estabelecimentos credenciados na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Os principais temas abordados na especialização são:

  • Tratamento de queimaduras;
  • Fisiopatologia das feridas;
  • Enxertos;
  • Retalhos;
  • Tratamento de queimaduras;
  • Cirurgia oncológica (carcinomas da pele, melanomas e sarcomas de partes moles);
  • Traumas e deformidades congênitas da face;
  • Fissura palatina;
  • Hemangiomas e lifangiomas;
  • Tratamento de úlceras por pressão;
  • Microcirurgia.

Na condição de cirurgião plástico, o profissional atua, necessariamente, como cirurgião geral. Durante os dois anos de residência, ele estuda as técnicas e procedimentos operatórios relacionados aos diferentes sistemas do corpo humano. Diante dos seus conhecimentos, se torna capacitado para realizar processos de recuperação de pacientes, cujos problemas podem ser de origem hereditária ou acidental.

Por mais que as questões estéticas tragam mais rentabilidade e sejam as mais procuradas, esses procedimentos entram em segundo plano para um cirurgião plástico. De todo modo, quando o assunto é rendimento financeiro, os procedimentos de embelezamento são os mais promissores.