Home / Disciplinas / História / Revolução Industrial

Revolução Industrial

A Revolução Industrial foi uma das revoluções que mais rapidamente mudaram o mundo. Em pouco menos de 100 anos, a organização do trabalho, as relações comerciais, as teorias econômicas e a vida nas cidades se modificou completamente. E os efeitos desta revolução são sentidos até hoje.

Causas da Revolução Industrial

A partir de meados do século XVIII, novas tecnologias modificaram um estilo de vida e de produção secular. O trabalho de subsistência e a manufatura deram lugar ao trabalho assalariado nas fábricas, onde a jornada de trabalho era longa e penosa.

A partir de invenções como a máquina a vapor, as fiadeiras e teares mecânicos, uma nova organização do trabalho surgiu. A Inglaterra foi o primeiro país a adotar o sistema fabril, que mais tarde se expandiu pelo hemisfério norte.

Por que a Inglaterra?

Alguns fatores contribuíram para que a Inglaterra fosse o berço da Revolução Industrial:

  • Acúmulo de riquezas pelo comércio marítimo com o Oriente, recebimento de ouro do Brasil, via Portugal, saques de corsários e tráfico de escravos.
  • Burguesia forte, rica e ambiciosa.
  • Manufatura têxtil bem desenvolvida.
  • Política de cercamentos: com o cercamento de áreas agrícolas, muitos camponeses tiveram de ir para as cidades, onde eram mão de obra disponível e barata.
  • Aceitação do direito à propriedade privada.
  • Grandes reservas de ferro e carvão.
  • Domínio marítimo permitia venda dos produtos industrializados em diversos países.

Etapas da Revolução Industrial

Primeira Etapa (1760-1860): Num primeiro momento, as mudanças se limitaram às cidades da Inglaterra. Nesta primeira etapa, a principal máquina era o tear mecânico e as fábricas existentes eram em sua maioria da indústria têxtil, englobando roupas de lã, seda e algodão.

Segunda Etapa (1860-1950): Nesta época houve a expansão da industrialização para outros países da Europa e para os Estados Unidos. A partir da Inglaterra, houve também desenvolvimento de novas tecnologias, como os motores a combustão, que usavam petróleo, e as máquinas movidas a eletricidade. A Revolução Industrial só ocorre no final da segunda etapa no Brasil, a partir da década de 1930.

Terceira Etapa (1950 em diante): Moldada pelas novas tecnologias, em especial aquelas desenvolvidas durante a Guerra Fria, como a internet. Alguns estudiosos afirmam que nos aproximamos da Quarta Revolução Industrial, em que novas tecnologias wireless e a conexão de diversos aparelhos aos smartphones mudarão a maneira de produzir.

Consequências da Revolução Industrial
Revolução Industrial

Consequências da Revolução Industrial

  • Substituição do sistema doméstico de manufatura pela industrialização
  • Divisão e especialização do trabalho: se antes os artesãos eram responsáveis por todo o processo produtivo, agora cada trabalhador tinha só uma função específica
  • Fortalecimento e enriquecimento da burguesia
  • Redução do custo de produção e aumento dos lucros
  • Êxodo urbano e crescimento das cidades
  • Aumento absurdo da poluição do ar
  • Aceleração da produção
  • Desenvolvimento de meios de transporte mais rápidos, para trazer matéria-prima e enviar produtos para serem vendidos
  • Surgimento do proletariado e aumento das desigualdades sociais

Contestações à Revolução Industrial

A Revolução em si não foi criticada, mas sim algumas de suas consequências, em especial a exploração dos trabalhadores. Dentro das fábricas, todos os trabalhadores, incluindo mulheres e crianças, se submetiam a jornadas de trabalho muito longas, de 15 ou 16 horas por dia, em um ambiente fechado, sujo e onde ocorriam muitos acidentes.

Uma das primeiras contestações veio na forma do movimento luddista, que agia quebrando as máquinas para devolver a autonomia e a qualidade de vida ao trabalhador. Este movimento foi reprimido violentamente, e os demais movimentos tiveram de aceitar que a industrialização veio para ficar.

O movimento dos cartistas, por sua vez, procurou diálogo e mudanças na lei, criando uma legislação trabalhista e incentivando os trabalhadores a se organizarem em sindicatos. Foi devido à revolução industrial que surgiram também correntes teóricas socioeconômicas como o socialismo e o anarquismo.

Letícia Magalhães Pereira
Graduada em História
Pós-graduada em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais