Alexandre, o Grande: Resumo, quem foi, frases, biografia, império

Alexandre, o Grande, foi um rei da Macedônia. Ele conquistou um império que se estendia dos Bálcãs ao atual Paquistão.

0

Quem foi Alexandre, o Grande? Alexandre, o Grande, foi um rei da Macedônia. Ele conquistou um império que se estendia dos Bálcãs ao atual Paquistão. Alexandre era filho de Filipe II e Olímpias (uma das sete ou oito esposas de Filipe).

Alexandre, o Grande Biografia

Escultura de Alexandre, o Grande
Escultura de Alexandre, o Grande feito pelo artista grego Lísipo.

Ele foi criado com a crença de que ele era de nascimento divino. “Desde seus primórdios, Olímpias o encorajara a acreditar que ele era um descendente de heróis e deuses. Nada do que ele havia realizado teria desencorajado essa crença”, disse o professor de clássicos do Wellesley College Guy MacLean Rogers em seu livro “Alexander”.

A personalidade de Alexandre, o Grande, era um paradoxo. Ele tinha um grande carisma e personalidade. Entretanto, seu caráter era cheio de contradições, especialmente em seus últimos anos. Ele tinha a capacidade de motivar seu exército a fazer o que parecia ser impossível.

Alexandre era um visionário. Sua capacidade de sonhar, planejar e criar estratégias em larga escala permitiu que ele vencesse muitas batalhas, mesmo quando estava em menor número. Também ajudou a motivar seus homens, que sabiam que faziam parte de uma das maiores conquistas da história.

O líder poderia era inspirador e corajoso. Ele se dedicou a treinar seus homens, recompensando-os com honras e despojos, e indo para a batalha ao lado deles, o que promoveu sua devoção e confiança.

Apesar de suas realizações militares, registros antigos dizem que ele não conseguiu conquistar o respeito de alguns de seus súditos. Além disso, ele teve algumas das pessoas mais próximas a ele assassinadas.

História de Alexandre, o Grande

Alexandre nasceu por volta de 20 de julho de 356 aC, em Pella, capital administrativa da Macedônia. Seu pai estava sempre longe, conquistando territórios vizinhos e abatendo revoltas. No entanto, o rei Filipe II da Macedônia foi um dos modelos mais influentes de Alexandre.

Filipe assegurou que Alexandre recebesse uma notável e significativa educação. Ele providenciou para que Alexandre fosse ensinado pelo próprio Aristóteles. Sua educação o infundia com o amor pelo conhecimento, lógica, filosofia, música e cultura.

Os ensinamentos de Aristóteles mais tarde ajudariamele no tratamento de seus novos súditos nos impérios que ele invadiu e conquistou. Isso permitiu que ele admira-se e preservasse essas culturas díspares.

Alexandre assistiu seu pai fazer batalhas quase todos os anos e ter vitória após a vitória. Filipe remodelou o exército macedônio de cidadãos-guerreiros para uma organização profissional.

Filipe sofreu ferimentos graves em batalha, como a perda de um olho, um ombro quebrado e uma perna aleijada. Mas ele continuou lutando, algo que Alexandre faria como comandante.

O rei decidiu deixar seu filho de 16 anos no comando da Macedônia enquanto ele estava fora em campanha. Alexandre aproveitou a oportunidade derrotando um povo trácio chamado Maedi e fundando “Alexandroupolis”, uma cidade que ele batizou em seu nome.

Alexandre sentiu a necessidade de desafiar a autoridade e superioridade de seu pai. De fato, registros antigos indicam que os dois se afastaram na adolescência de Alexandre e em certo momento sua mãe foi exilada para Épiro.

Filipe II foi assassinado em 336 aC enquanto celebrava o casamento de sua filha Cleópatra (não a famosa faraó egípcia). Dizem que a pessoa que o esfaqueou foi um dos antigos amantes do sexo masculino de Filipe, chamado Pausanias.

Enquanto escritores antigos tecem uma história elaborada sobre seus motivos, alguns historiadores modernos suspeitam que ele possa ter sido parte de uma trama maior para matar o rei, que pode ter incluído Alexandre e sua mãe.

Na época de sua morte, Filipe estava pensando em invadir a Pérsia. O sonho foi passado para Alexandre, em parte através de sua mãe Olímpias. Ela fomentou nele uma ardente ambição dinástica e disse a ele que era seu destino invadir a Pérsia.

Após a morte de seu pai, Alexandre agiu rapidamente para consolidar o poder. Ele ganhou o apoio do exército macedônio e intimidou os estados que Felipe havia conquistado para aceitar seu governo. Depois de campanhas nos Bálcãs e na Trácia, Alexandre se moveu contra Tebas, uma cidade na Grécia que se rebelou, conquistando-a em 335 aC.

Com a Grécia e os Bálcãs pacificados, ele estava pronto para lançar uma campanha contra o Império Persa. Uma campanha que seu pai havia planejado, mas, que ele seria o único a liderar.

Conquistas de Alexandre, o Grande

Relatos antigos dizem que quando Alexandre estava em guerra contra os persas, ele frequentemente usava as invasões persas na Grécia no século V aC como uma desculpa para suas ações. No entanto, ironicamente, Alexandre frequentemente lutava contra mercenários gregos enquanto fazia campanha contra Dario III, rei da Pérsia.

Ainda mais ironicamente, Esparta, uma cidade que havia perdido o seu rei e 300 guerreiros na Batalha de Termópilas durante uma tentativa de invasão persa, também se opôs a Alexandre, indo tão longe a ponto de buscar ajuda persa em seus esforços para derrubá-lo.

Apesar da oposição dos espartanos, Alexandre foi bem sucedido contra a Pérsia. A primeira grande batalha que ele venceu foi a “Batalha de Granicus“, travada em 334 aC na atual Turquia ocidental.

Alexandre derrotou uma força de 20.000 cavaleiros persas e um número igual de soldados a pé. Ele então avançou pela costa oeste da Turquia, tomando cidades e tentando privar a marinha persa de bases.

A segunda batalha chave que ele ganhou, e talvez a mais importante, foi a Batalha de Issus, travada em 333 aC perto da antiga cidade de Issus, no sul da Turquia, perto da atual Síria. Naquela batalha, os persas foram liderados pelo próprio Dario III.

No Egito

Alexandre mudou-se para o sul ao longo do Mediterrâneo oriental, uma estratégia projetada, novamente, para privar os persas de suas bases navais. Muitas cidades se renderam enquanto algumas, como Tiro, que estava em uma ilha, lutaram e forçaram Alexandre a sitiar.

Em 332 aC, depois que Gaza foi tomada pelo cerco, Alexandre entrou no Egito, um país que havia experimentado períodos de domínio persa por dois séculos. Em sua costa norte, ele fundou Alexandria, a cidade mais bem-sucedida que ele já construiu.

Ele também viajou para a Líbia para ver o oráculo de Amon. Viajando pelo deserto não marcado, seu grupo seguiu para o templo e dizem que Alexandre consultou o oráculo em particular.

O legado de Alexandre

Talvez o legado mais significativo de Alexandre tenha sido o alcance e a extensão da proliferação da cultura grega. O reinado de Alexandre, o Grande, marcou o início de uma nova era na história conhecida como a era helenística. A cultura grega teve uma influência poderosa nas áreas conquistadas por Alexandre.

Muitas das cidades que Alexandre fundou se chamavam Alexandria, incluindo a cidade egípcia que hoje abriga mais de 4,5 milhões de pessoas. As muitas Alexandrias estavam localizadas em rotas comerciais, o que aumentava o fluxo de mercadorias entre o Oriente e o Ocidente.

Havia uma moeda comum e uma língua comum (grega) unindo os muitos povos do império. Todas as religiões eram toleradas. Foi uma idade de ouro que durou desde a morte de Alexandre em 323 aC até 31 aC, a data da conquista do último reino helenístico por Roma.

Frases de Alexandre, o Grande

  • “Vence o medo e vencerás a morte.”
  • “Eu não temeria um grupo de leões conduzido por uma ovelha, mas eu sempre temeria um rebanho de ovelhas conduzido por um leão.”
  • “Nem o céu admite dois sóis, nem a terra dois senhores.”
  • “Meu pai me deu este corpo que é efémero; mas o meu mestre me deu uma vida que é imortal.”
  • “A sorte favorece os destemidos.”

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.