Agricultura orgânica

A agricultura orgânica surgiu no século 20 para garantir qualidade nos alimentos. Conheça esse modelo alternativo de cultivo!

A agricultura é o conjunto de técnicas que visam o cultivo de plantas. Sendo assim, o objetivo pode ser de consumo próprio, comercialização no mercado interno, comercialização no mercado externo ou uso para finalidades como combustível e roupas.

Quando o objetivo é o consumo de alimento, alguns fatores são considerados, entre eles, a qualidade e sustentabilidade. Assim, a agricultura orgânica visa, sobretudo, a qualidade do alimento. Para saber mais dessa modalidade, confira este artigo!

O que é agricultura orgânica?

O termo agricultura orgânica surgiu na década de 1920 como manifestação contra técnicas de cultivo que usam agentes químicos, de acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A agricultura orgânica é o processo produtivo que visa a organicidade e sanidade dos alimentos para garantir a saúde dos seres humanos assim como a manutenção da biodiversidade e preservação do meio ambiente.

Características da agricultura orgânica

Dessa maneira, esse tipo de cultivo possui algumas características que garantem o teor orgânico:

  • Não utilização de agrotóxicos;
  • Uso de fertilizantes e demais insumos naturais, como compostagem e minhocultura;
  • Vegetação nativa e rotatividade;
  • Uso racional de água;
  • Adequação das técnicas à realidade local.

Vantagens e desvantagens

As principais vantagens da agricultura orgânica são:

  • Preservação do meio ambiente;
  • Produção de alimentos de maior qualidade;
  • Produção de alimentos saudáveis;
  • Baixo impacto ambiental;
  • Manutenção da biodiversidade local;
  • Policultura;
  • Uso de energias renováveis, como a solar;
  • Uso racional de água.

As desvantagens da agricultura orgânica são:

  • Menor produtividade;
  • Elevado preço;
  • Impacto ambiental com uso de insumos de origem orgânica.

Agricultura convencional x Agricultura orgânica

A maior diferença entre a agricultura convencional e agricultura orgânica é o uso de insumos químicos.

Além disso, também destaca-se o sistema de monocultura na agricultura convencional, que visa a alta produtividade. Já com a agricultura orgânica, a sustentabilidade e preservação da biodiversidade vão contra a monocultura.

Sendo assim, a procura por lucros da agricultura convencional é diretamente oposta aos objetivos da agricultura orgânica.

Na agricultura convencional, o uso de agentes químicos degradam o solo, água e todo o ecossistema local. Enquanto isso, a agricultura orgânica combate essa realidade com técnicas alternativas.

Pesquisas apontam que a ingestão de agrotóxicos está diretamente ligada a vários problemas de saúde, como disfunções hormonais, contaminação de leite materno, malformação do feto e dificuldades no desenvolvimento das capacidades cognitivas e tumores.

Portanto, a agricultura orgânica é fortemente recomendada para evitar esses problemas de saúde, além de preservar o meio ambiente.

Agricultura orgânica no Brasil

O Brasil está no caminho para ser um grande produtor de alimentos orgânicos, com aproximadamente 17 mil propriedades registradas com esse fim, de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

As regiões com maior presença são a região Sul, com cerca de seis mil produtores, seguida das regiões Sudeste e Nordeste, com cerca de quatro mil produtores. Os estados que se destacam em número de produtores são: Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Pará, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Ceará e Bahia.

No Brasil, a agricultura orgânica foi registrada pela Lei 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Contudo, sua regulamentação ocorreu em 27 de dezembro de 2007 com a publicação do Decreto Nº 6.323.

Assim, o consumo de produtos orgânicos cresce 25% anualmente, tendo como a principal preocupação da população a saúde, qualidade e preocupação ambiental, segundo o Sebrae.

Leia também: 

agricultura