Geografia do Rio Grande do Norte

Décimo estado mais populoso do Brasil, com um total de 3,479 milhões de habitantes, o Rio Grande do Norte também detém o índice de melhor expectativa de vida das regiões Norte e Nordeste

Localizado à nordeste da região Nordeste, o estado do Rio Grande do Norte faz parte das 27 unidades federativas do Brasil. 

Apesar de ser o quinto menor estado do país, possui 167 municípios que fazem fronteira com os estados do Ceará a oeste e Paraíba a sul, além do oceano Atlântico a norte e leste.

Sua área é de 52 811,047 km², o que representa 3,42% do território do Nordeste e 0,62% do Brasil.

Características geográficas

O Rio Grande do Norte, em razão da sua localização geográfica, é referenciado como a “esquina do norte”, sendo o estado brasileiro mais próximo dos continentes europeu e africano. 

Sua capital Natal é considerada a segunda capital brasileira com menor área territorial, cerca de 167 km². No entanto, é a sexta maior do Brasil em densidade populacional, 4 808,20 (hab./km²), segundo dados do IBGE de 2010.

O território potiguar (gentílico usado para quem nasce no estado) também abriga a reserva biológica marinha Atol das Rocas, Patrimônio da Humanidade pela UNESCO  localizada no meio do Oceano Atlântico.

Com base no Meridiano de Greenwich, o fuso horário do estado é o -3. 

Segundo a nova divisão do IBGE, em vigor desde o ano de 2017, o Rio Grande do Norte e seus municípios estão agrupados em onze regiões geográficas imediatas, das quais estão inseridas três regiões intermediárias, sendo:

  • Natal: é composta pelas regiões imediatas de João Câmara, Canguaretama, Natal, Santo Antônio-Passa e Fica-Nova Cruz, Santa Cruz e São Paulo de Potengi;
  • Mossoró: é formada pelas regiões de Mossoró, Pau dos Ferros e Assu;
  • Caicó: constituída pelas imediatas Caicó e Currais Novos;

Relevo e tipos de solo

O relevo do Rio Grande do Norte é constituído em grande parte por planícies, região litorânea, e planaltos e depressões, nas áreas interioranas.

Assim, cerca de 60% do seu território aponta altitudes abaixo de 200m e 83% inferior a 300m.

Na região litorânea encontram-se as planícies costeiras, com a presença de dunas e de praias entre o mar e os chamadas tabuleiros costeiros. 

Constituído de argila, a unidade geoambiental apresenta relevo que varia entre as falésias e vales estreitos. Geralmente, o solo dessa região é pobre e não possui grande capacidade para armazenar água.

Em relação às planícies fluviais, as mesmas estão situadas às margens dos rios e apresentam terrenos planos e baixos. 

Situada após os tabuleiros costeiros, a Chapada da Serra Verde é caracterizada por terras planas com leve elevação. Posteriormente, tem-se o Planalto da Borborema, estendendo-se para outros estados como Pernambuco, Paraíba e Alagoas.

Destaca-se  também como relevo do Rio Grande do Norte:

  • Chapada de Apodi: presente na região centro-oeste do estado, tem como característica principal os terrenos de maior altitude próximos aos rios Açu, Apodi Mossoró e Piranhas;
  • Serra do Coqueiro: situada ao extremo norte do estado, é considerado o ponto mais alto do estado, com uma altitude de 868 acima do nível do mar;
  • Depressão Sertaneja-São Francisco: localizada depois do Planalto da Borborema, é formada principalmente por terrenos baixos;
Exemplo de tabuleiros costeiros presente na região da litorânea do estado.

Em se tratando do solo, a superfície do território potiguar varia para cada região. Nos espaços litorâneos, os latossolos do tipo vermelho amarelo, pobres em matéria orgânica, ácidos e bem drenados predominam. 

Há também a presença dos neossolos, formados por regossolos, solos aluviais, litólicos, areias quartzosas e não hidromórficos, sobretudo às margens dos rios.

Na parte centro-sul, o destaque é o luvissolo, solo de baixa profundidade, acidez moderada, rico em nutrientes e ondulado.

Outros tipos de solos comuns na região são: argissolos (baixo teor de matéria orgânica e bastante drenados), os chernossolos (presença de teor alcalino e drenagem imperfeita e moderada, cambissolos (constituídos por rochas, apresentam profundidade variável e eutrófica). 

Clima

Por estar próximo à Linha do Equador, e na chamada região do Polígono das Secas, o clima predominante do estado do Rio Grande do Norte é o semi-árido quente, com os termômetros apontando para altas temperaturas o ano todo. 

No interior, os índices pluviométricos podem chegar a menos de 700 mm/ano; com exceção para o Alto Oeste, região serrana onde a pluviosidade é maior.

Entretanto, na região litorânea, há a presença do clima tropical com incidência de chuvas e índices pluviométricos superiores a 1.000 mm/ano.

No geral, o clima do estado pode ser classificado em:

  • Semiárido: presente majoritariamente nas áreas do interior, representa 57% do clima do estado;
  • Semiárido Rigoroso: configura 18% do clima e concentra-se na parte central e litorânea setentrional;
  • Sub úmido Seco: abrange o agreste e parte oeste do estado, num total de 20% do território;
  • Úmido: acontece na parte do litoral oriental, em meio aos 5% do estado. 

Hidrografia

No aspecto hidrográfico, o Rio Grande do Norte apresenta em sua formação os rios perenes (aqueles que sempre possuem água fluindo e não secam durante a seca) e temporários, lagoas, barragens e açudes. 

Contabilizando, há 16 bacias hidrográficas percorrendo o estado, sendo:

  • Apodi/Mossoró
  • Boqueirão
  • Catu
  • Ceará-Mirim
  • Curimataú
  • Doce
  • Guaju
  • Jacu
  • Leste de escoamentos difusos
  • Maxaranguape
  • Piranhas/Açu
  • Potengi
  • Pirangi
  • Punaú
  • Trairi
  • Faixas litorâneas norte

Dentre os maiores rios, o destaque vai para o Rio Piranhas/Açu e o Apodi/Mossoró. Ambos deságuam no Oceano Atlântico e tem suas nascentes nas Serras da Queimada e de Piancó (PB). Juntos, representam 90% de toda reserva hídrica do estado. 

Os rios Curimataú, Jundiaí, Jacu, Potengi, Seridó e Trairi, juntamente com as reservas subterrâneas do litoral, também são importantes fontes hidrográficas para a região.

Situado no município de Açu, o principal reservatório do Rio Grande do Norte é a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves.

É importante mencionar a importância e o papel das chamadas “adutoras” (canais formados por tubos encarregados do transporte de água potável) no processo de abastecimento e combate à seca dos municípios mais afastados. 

Em se tratando das adutores, as mais conhecidas do Rio Grande do Norte são: Trairi, Serra de Santana, Mossoró, Sertão Central-Cabugi e Médio Oeste. 

Rio Piranhas-Açu, RN.

Vegetação

Ao longo do seu território, o Rio Grande do Norte apresenta vegetações variadas, como a Caatinga (na maior parte do estado), florestas ciliares e de serra, Cerrado, manguezais, Mata Atlântica, além das vegetações encontradas em dunas e praias.

Na região do Seridó, a Caatinga domina. As espécies do lugar chegam a ter aspectos sub desérticos. Em seguida, o Cerrado marca presença junto ao aos tabuleiros costeiros próximos ao litoral.

Podemos citar como espécies típicas da flora potiguar:

  • Aroeira         
  • Amescla
  • Carnaúba
  • Cajueiro
  • Gameleira
  • Jatobá
  • Mulungu
  • Marmeleiro
  • Maçaranduba
  • Pau-ferro
  • Pau-brasil
  • Sapucaia
  • Peroba
  • Orquídeas
  • Sucupira
  • Pereiro
Caatinga: bioma predominante no estado do Rio Grande do Norte.

Entre os recursos naturais do Rio Grande do Norte, o destaque está na extração dos recursos minerais como o calcário, mármore, berílio, gipsita e tungstênio.

Veja também:

características geográficas do rio grande do norteclima do rio grande do nortegeografia do rio grande do nortehidrografia do rio grande do norterecursos naturais do rio grande do norterelevo do rio grande do nortevegetação do rio grande do norte