12 animais terrestres

Os animais terrestres são extremamente diversos e podem ser encontrados em todos os continentes.

0

O que são animais terrestres? Para ser considerado um animal, um ser vivo deve ter três características. A primeira é ser heterótrofo, ou seja, se alimentar de nutrientes ao redor (diferente das plantas, que produzem seu próprio alimento).

A segunda é ser multicelular, quer dizer, possuir várias células (diferente dos protozoários, que possuem uma só). A última é ser eucarionte, ou seja, ter células com núcleo fechado dentro de uma membrana celular (diferente das bactérias).

Agora, para ser chamado de terrestre, basta que o ser vivo habite a terra, o solo, durante a maior parte de sua vida.

Geralmente pensamos primeiro nos vertebrados, que se parecem mais conosco, mas, na verdade, são vários os animais que podem viver longe da água. Confira uma lista com animais terrestres diversos.

1. Formiga-Cortadeira (Atta cephalotes)

Formiga Cortadeira

Os artrópodes (aracnídeos, crustáceos, insetos) são de longe o filo mais numeroso da terra. E, dentro dos artrópodes, os mais numerosos são as formigas.

É difícil contar formigas, mas as estimativas mais radicais apontam que podem existir até um quadrilhão (um milhão de trilhões) de formigas na Terra. Elas existem em todos os continentes, menos na Antártica, embaixo e acima da terra.

Esses animais podem parecer estranhos, mas são semelhantes a nós em muitos aspectos que você pode desconhecer.

Além de terem uma complexa vida social, a formiga-cortadeira (Atta cephalotes) cria fazendas de fungos nas folhas que coletam. Os fungos servem como fonte de alimento e fonte de bactericidas.

2. Minhoca (Eisenia fetida)

Animais terrestres - Minhoca

Esses anelídeos têm o corpo dividido em anéis ou segmentos. A pele desses animais é capaz de produzir uma substância viscosa que permite com que eles se movam na terra sem atrito e os protege do contato com toxinas.

As minhocas precisam de um meio úmido, porque suas trocas gasosas são feitas pela pele e a desidratação as impede de respirar. Nas minhocas, é visível o clitelo – um anel maior por onde os animais se unem na fecundação cruzada.

Outros “primos” da minhoca (animais pertencentes ao filo dos anelídeos) são as sanguessugas e os poliquetas marinhos, mas esses têm vida principalmente aquática.

3. Caracol (Helix aspersa)

Caracol

Esses moluscos gastrópodes (literalmente “pés na barriga”) têm concha uma espiralada nas costas, feita de calcário. O Helix aspersa é a espécie mais comum e conhecida de caramujo.

Tratam-se de animais que se guiam principalmente pelo tato e do olfato, com suas antenas sensíveis. Os caracóis são herbívoros. Eles possuem um órgão especializado, a rádula, uma fileira de dentes curvos, que usam para raspar folhas e frutos.

Por serem sensíveis à desidratação, têm hábitos noturnos. Diferentemente de suas “primas” lesmas, os caracóis possuem um pulmão primitivo dentro da concha, onde realizam trocas gasosas.

Eles não têm sistema circulatório fechado, entretanto, e a difusão do sangue se dá pelo meio dos tecidos, sem a presença de vasos.

4. Caranguejeira-rosa-salmão-brasileira (Lasiodora parahybana)

Caranguejeira-rosa-salmão-brasileira

A classe dos aracnídeos também faz parte do filo dos atrópodes e se diferencia de insetos, como a formiga, por ter oito patas, não ter antenas e nem mandíbulas.

Seus “primos” mais próximos são os carrapatos e os escorpiões. As aranhas têm o corpo dividido em dois: cefalotórax e abdome. Ao contrário dos insetos, que possuem olhos compostos (com vários omatídeos, receptores de luz na superfície), as aranhas têm muitos olhos simples.

As aranhas são carnívoras e diversas espécies possuem glândulas de veneno, que utilizam para paralisar a suas presas. A caranguejeira-rosa-salmão-brasileira, entretanto, tem um veneno fraco, incapaz de matar uma pessoa adulta.

O veneno é injetado pelas quelíceras, estruturas com ferrões em volta da boca com propósito de caça. Quando se sente ameaçada, essa espécie é capazes de soltar seus pelos grossos e urticantes, como um mecanismo de defesa.

5. Lacraia gigante (Scolopendra gigantea)

Lacraia Gigante

Uma das maiores centopéias do mundo e pode chegar a ter um comprimento de até 30 centímetros. Esta espécie é encontrada em vários lugares na América do Sul e no Caribe, onde ela ataca uma grande variedade de animais, incluindo outros artrópodes, anfíbios, mamíferos e répteis.

A Scolopendra gigantea pode ser encontrada em florestas tropicais ou subtropicais e floresta tropical seca. Pelo menos uma morte humana foi atribuída ao veneno.

6. Iguana (Iguana iguana)

Iguana

A iguana que podemos encontrar frequentemente no Brasil é um herbívoro adaptado à vida arbórea. Ela cresce até 1,5 metro de comprimento da cabeça à cauda, embora alguns espécimes tenham crescido mais de 2 metros.

É cada vez mais comum o uso da iguana como animal de estimação devido ao seu temperamento calmo e cores vibrantes.

Sendo répteis, as iguanas podem se afastar da água por longos períodos, já que os ovos protegem os filhotes da desidratação. As iguanas põem de 20 a 70 ovos uma vez por ano. Os adultos não dão proteção parental após a postura dos ovos.

7. Jacu-cigano (Opisthocomus hoazin)

Jacu-cigano

O Jacu-cigano é a única espécie do seu gênero e é comum no norte do Brasil. Eles são herbívoros, alimentando-se principalmente de folhas, frutos e flores, mas de uma forma muito diferente de outras aves.

Com auxílio de bactérias simbiontes no papo, o Jacu-Cigano consegue fazer a decomposição da celulose das folhas ingeridas e adquire um aroma característico.

Por conta de seu cheiro, essa espécie não é ameaçado pela caça humana. Podem voar, mas mal. Preferem circular empoleiradas nos ramos das árvores, já que o tamanho e peso grande do papo perturba a distribuição muscular dos músculos de voo.

8. Equidna-de-bico-longo-ocidental (Zaglossus bruijni)

Equidna-de-bico-longo-ocidental

A Equidna habita as florestas úmidas na Nova Guiné. Parecem-se com porcos-espinhos, podendo medir até 78 cm de comprimento e pesar 10 kg.

São animais noturnos que comem insetos e minhocas e têm hábitos solitários. “Primos” dos ornitorrincos, essa é uma das únicas espécies de monotremados, ou seja, a ordem de mamíferos que põem ovos.

Os monotremados apresentam as características dos mamíferos – pelos, coração dividido em quatro câmaras, três ossículos auditivos e a presença de glândulas mamárias – enquanto retém as características dos therapsida, os ancestrais dos mamíferos.

9. Morcego-vampiro (Desmodus rotundus)

Morcego-vampiro

O morcego-vampiro tem seu nome por se alimentar de sangue, ou seja, ser um hematófago. Eles vivem do México até o sul da América do Sul.

Diferentemente de muitos outros morcegos, podem repousar no chão sobre o patágio (membranas que usam como asas) e entrar em vôo rapidamente. Com hábitos noturnos, eles vivem em casas abandonadas, árvores ocas e cavernas em grupos de até milhares de indivíduos.

O Desmodus rotundus pertence à classe de morcegos que consegue se ecolocalizar, ou seja, utilizar o ultrassom para se orientar espacialmente.

10. Pangolin (Smutsia temminckii)

 Pangolin

Esse mamífero da família dos manídeos vive na África. Eles são cobertos por escamas protetoras sobrepostas que somam um quinto de seu peso e que dão a eles o aspecto parecido a uma pinha ou alcachofra. A parte de baixo de um pangolim não é coberta de escamas, mas peles esparsas.

Quando ameaçado, geralmente se transforma em uma bola, protegendo assim sua barriga vulnerável.

Quanto a seus hábitos, eles têm organização solitária, exceto durante a época de acasalamento. Podem expelir uma substância parecida com a dos gambás quando se sentem ameaçados e habitam tocas escavadas no chão.

11. Aie-aie (Daubentonia madagascarienses)

Aie-aie

O aie-aie, ou ai-ai, é um primata endêmico do Madagascar. Esse lêmure é o único representante da família Daubentoniidae, evolutivamente muito distantes de nós, humanos.

Ele possui uma peculiaridade, que é o terceiro dedo (dedo médio) muito mais longo e fino do que os outros. O aie-aie utiliza-o bate no tronco das árvores e é capaz de reconhecer pela vibração delas a presença ou ausência de larvas e insetos, por isso é chamado de caçador percussivo.

Ele então insere o dedo alongado nas árvores para tentar “pescar” sua comida. O aie-aie está ameaçado de extinção porque os moradores de Madagascar acreditam que esse animal é sinal de má sorte e pode amaldiçoar com seu dedo comprido.

12. Panda-vermelho (Ailurus fulgens)

Panda-vermelho

Habitando as montanhas do Himalaia e do sul da China, esse representante solitário do gênero Ailurus tem uma col característica, cauda comprida e felpuda e membros dianteiros curtos.

Apesar do nome, ele não é um parente do panda-gigante. A semelhança entre eles é provavelmente a alimentação baseada em bambu, os hábitos solitários, e a ameaça de extinção. A destruição do habitat pela agricultura e a caça ilegal tornam o panda-vermelho uma atração vista quase exclusivamente em zoológicos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.