Estados liberam vale-alimentação escolar para escolas públicas

Bahia, Pará e Distrito Federal organizaram programas para auxiliar as famílias usuárias da rede estadual de ensino.

Três estados brasileiros forneceram valor destinado à alimentação de crianças usuárias do sistema público de educação, uma vez que a suspensão das aulas em decorrência da pandemia do novo coronavírus impossibilitou a entrega de merenda.

Bahia

O governador da Bahia, Rui Costa, anunciou no dia 8 de março que o estado irá retornar a realizar os pagamentos do vale-alimentação estudantil no valor de R$ 55. O objetivo é recompensar a falta da merenda escolar e abrange os estudantes da rede estadual de ensino.

O pagamento teve início no período de suspensão das aulas e não tem data definida para retornar. Segundo o governador, “nós vamos voltar, esse mês, com o auxílio alimentação que nós damos aos 800 mil alunos da rede estadual. Hoje (8/03) pela manhã vamos definir a data com o secretário da Fazenda e o secretário da Educação”.

O vale alimentação estudantil é utilizado para a compra de alimentos e pode ser aproveitado em qualquer mercado do estado. Para garantir o vale, é necessário que o estudante tenha a matrícula regularizada.

Em caso de problemas, o estudante deve procurar a sua escola ou ligar para o telefone 0800 284 0011, pelo e-mail [email protected] ou pelo Fale com a Ouvidoria, disponível no Portal da Educação.

Pará

O estado do Pará está pagando a 8ª recarga do vale-alimentação escolar desde fevereiro para os 576 mil estudantes da rede estadual, por meio do escalonamento. Inicialmente, o benefício era destinado aos estudantes da Região de Integração do Guajará, que abrange os municípios de Ananindeua, Belém, Benevides, Marituba e Santa Bárbara do Pará.

O vale-alimentação pode ser usado para comprar alimentos, como previsto, assim como produtos de higiene, produtos de limpeza e demais itens que favorecem a unidade familiar. Criado em abril de 2020, por iniciativa do governo estadual, o vale tem como objetivo garantir a alimentação estudantil com R$ 640.

A ação do governo do estado investiu R$ 357 milhões até o momento, com recursos do Tesouro Estadual. A 7ª recarga, anterior a esta, foi para os alunos da Região de Integração do Araguaia, Baixo Amazonas, Carajás, Guamá, Lago de Tucuruí e Rio Caeté, passou a ser feito pela empresa Maxx Card.

Distrito Federal

O último domingo (14) foi a data limite para as famílias do cartão alimentação escolar do Distrito Federal realizarem as compras. O prazo estava previsto para encerrar em 12 de fevereiro, porém, foi prorrogado.

O cartão recebe um valor para ser gasto nos estabelecimentos credenciados, sendo que o Distrito ainda possui o cartão de alimentação creche. Dados do Banco de Brasília (BRB) apontam que cerca de 6.251 cartões Alimentação Escolar não foram utilizados, totalizando um recurso parado de R$ 7.578.560,78. O cartão alimentação creche também teve 341 benefícios sem uso, um total de R$ 407.954,27. Para acessar mais informações, as famílias podem ligar no número do BRB, 3029-8440, ou baixar o aplicativo BRB Card Pré-pago.

Tanto o programa cartão alimentação escolar quanto o cartão alimentação creche foram criados em março de 2020 para enfrentar os impactos da crise causada pela pandemia. A intenção era proteger a alimentação e nutrição das crianças em idade escolar.

O dinheiro iria cobrir o ano letivo de 2020, contudo, muitas famílias não recolheram o benefício, que foi prorrogado por tempo indefinido.

Leia também: Provas do Enem 2021 devem ser aplicadas em novembro ou dezembro, diz Inep

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More