Fiocruz comenta sobre o cenário atual da pandemia

O coordenador do Programa de Computação Científica da Fundação (Procc/Fiocruz), Daniel Villela, também compartilhou sua visão quanto ao cenário atual.

Conforme a alegação de Nísia Trindade, presidente da Fiocruz, vivemos em uma sociedade que acredita ser muito fácil responder rapidamente a ameaças de saúde, contudo, isso não passa unicamente de um engano, pois, para conseguirmos combater rapidamente qualquer ameaça a saúde pública, é preciso investimento constante na ciência, tecnologia e inovação.

Nísia destacou de igual forma que este investimento deve estar associado à saúde pública e proteção social, e alegou ser necessário decentralizar os centros produtores de vacinas e juntar-se aos demais países.

Pandemia

Evidentemente, a pandemia de COVID-19 deve servir de exemplo para a sociedade, mesmo que tenhamos atualmente alcançado uma redução significativa do número de mortos e casos ao compararmos com os dados anteriores.

Para o pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz (Ensp/Fiocruz), Carlos Machado, é preciso analisar as marcas deixadas na população brasileira, que, embora tenha representado menos de 3% da população mundial, somou mais de 10% das vítimas da pandemia em todo o mundo.

“No momento atual, em diversos países e no Brasil, vivemos um cenário bastante positivo. No Brasil, a existência do SUS [Sistema Único de Saúde] permitiu não só diminuir o impacto da pandemia na população como também avançar na vacinação”, comentou. Além disso, em sua visão, o SUS irá requerer muito mais investimentos para conseguir vencer os rastros deixados pelo vírus.

O coordenador do Programa de Computação Científica da Fundação (Procc/Fiocruz), Daniel Villela, também compartilhou sua visão quanto ao cenário atual. Segundo ele, é inválido esperar que uma ausência de circulação do SARS-CoV-2 aconteça, pois, à transmissão de suas variantes e consideráveis chances de sofrerem mutações, no entanto, Villela crê que um regime endêmico ocorrerá, onde a doença agirá previsivelmente.

“O que se deve evitar é o clima de que a pandemia acabou de ter um cenário de status de doença negligenciada. Ainda há bastante espaço para avançar. As crianças foram menos afetadas no início, mas elas foram, sim, afetadas, e precisam de atenção”.
você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More