Fordismo – O que é, Origem e Queda

O fordismo, nomeado em homenagem a Henry Ford, denota os modernos sistemas econômicos e sociais de produção e consumo em massa do século XX.

0

O fordismo denota os modernos sistemas econômicos e sociais de produção e consumo em massa. O sistema é nomeado em homenagem a Henry Ford e é empregado em teorias sociais, econômicas e outros conceitos associados particularmente a respeito do século XX.

Henry Ford - Fordismo
Henry Ford

Esse conceito surgiu como um sistema para produzir itens padronizados e de baixo custo, enquanto a produtividade melhorada proporcionaria salários decentes aos trabalhadores. O fordismo foi implementado pela primeira vez no setor automotivo, embora seja útil em outros processos de fabricação.

O sucesso da filosofia estava na padronização de itens, que facilitava o uso de máquinas e moldes por trabalhadores não qualificados, as linhas de montagem que dividiam o trabalho dos operários e a melhoria de salários, que possibilitava que os trabalhadores pudessem comprar os itens que eles fizeram.

O conceito de linha de montagem da Ford não era revolucionário, embora sua forma de trabalho fosse. O desdobramento de atividades complexas para atividades mais simples, com o auxílio de equipamentos especializados tornou esse método bem sucedido.

A linha de montagem reduziu o trabalho necessário para as fábricas executarem suas operações e até mesmo desqualificou a mão-de-obra e, assim, reduziu os custos de produção. As fábricas durante a era fordista preferiam produzir itens rigorosamente iguais de ano para ano, embora a estilização ocorresse em meio a esse processo.

Origem

Henry Ford é creditado pela popularização da ideia na década de 1920 e sua ideia se tornou uma representação da modernidade da época. Ford foi capaz de reduzir o preço do carro implementando a produção em massa e, assim, o tornou acessível para a classe média da época.

Linha de produção - Fordismo
Linha de produção

Para combater a baixa rotatividade e absenteísmo dos funcionários, Ford aumentou os salários de seus trabalhadores o suficiente para torná-los consumidores. O Modelo T fez história alcançando 60% da produção de automóveis dentro dos EUA.

O sistema de produção da Ford foi baseado em especialização, sincronização e precisão. O termo fordismo não ganhou popularidade até ser usado em 1934 por Antonio Gramsci em sua publicação intitulada “Americanismo e fordismo“.

Gramsci discutia os impedimentos sociais, políticos e econômicos da transferência do fordismo e do americanismo para a Europa continental. Ele identificou ainda a potencial capacidade transformadora do Fordismo quando administrado por trabalhadores e não por forças conservadoras.

Queda

Na década de 1970, o fordismo foi atormentado por uma série de ataques culturais e políticos. As economias das nações industrializadas exibiam lucros e salários crescentes a partir do final da década de 1940. Esse crescimento desacelerou no início dos anos 70, o que levou a rejeição das disciplinas das linhas de montagem.

Aumentos rápidos nos custos de compra de petróleo e outros produtos crus tornaram ainda mais caro para as empresas executarem suas operações de produção. Diferentes nações abordaram essas preocupações econômicas implementando políticas econômicas testadas e comprovadas que não funcionaram.

A economia global logo foi afetada pelas fracas economias nacionais e os países tiveram que adotar novos métodos industriais que levassem ao declínio do fordismo. O mercado de bens de consumo de massa durável tornou-se ainda mais saturado, enquanto a globalização tornou a gestão econômica do estado ineficaz. O domínio econômico dos EUA também foi desafiado pelo crescimento da Europa e do Leste Asiático.

Pós-fordismo

A era pós-fordismo é comumente chamada de pós-fordista ou neo-fordista. O pós-fordismo significa que o capitalismo global se desvencilhou com sucesso do fordismo, enquanto o neo-fordista significa que alguns elementos do fordismo permanecem.

Uma seção de teóricos sugeriu outras alternativas substanciais, incluindo o Sonyismo, o Toyotismo, a Fujitsu e o Gatesismo. As economias pós-fordistas abraçaram múltiplas estratégias contemporâneas. As novas tecnologias da informação tornaram-se significativas à medida que as empresas reconhecem seu potencial para criar uma economia global em rede e flexível.

Outra característica é a existência de regimes políticos que estão interessados em inovação e competitividade global e que adotam formas de governança econômica favoráveis ao mercado mais flexível.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.