Guia completo para quem pretende estudar no exterior

Informações sobre custos, procedimentos, países mais procurados e, até mesmo, do que você pode sentir falta quando realizar seu sonho de estudar fora.

0

O sonho de estudar fora alimenta o imaginário de grande parte dos alunos brasileiros e a curiosidade sobre como é a vida no exterior, também. E, tanto desejo é justificável! A presença de uma instituição estrangeira traz peso ao seu currículo, sem falar na experiência incalculável de viver uma cultura diferente da sua!

Porém, antes de embarcar, vários fatores devem ser levados em conta nessa decisão, desde qual país escolher até do que você vai sentir falta quando estiver lá. Afinal, essa é, literalmente, uma mudança imensa na sua vida e, quanto mais se preparar, melhor! Clima, cultura, custo de vida, opções de trabalho e lazer são alguns dos itens considerados.

Por isso, o Escola Educação elaborou um guia básico para quem pretende estudar no exterior.

O que considerar antes de fazer um intercâmbio

Alguns fatores devem ser levados em consideração antes de embarcar em uma experiência no exterior. Primeiro, qual o seu objetivo? Ensino Médio, graduação, especialização, aprimorar seu idioma ou vivenciar uma experiência de trabalho em outro país?

Depois, analise quanto tempo pode ficar fora. Isso será primordial na sua escolha pois, vai basear o tipo de curso, qual país escolher, além dos gastos que pode ter enquanto viver fora.

Quais as opções de intercâmbio?

High School: o aluno passa um ano letivo estudando em colégios de ensino médio no exterior. Normalmente, fica em casa de família que, antes de recebê-lo, passa por todo um processo de avaliação.

Graduação: você vai fazer seu curso superior no exterior. Para ingresso, as instituições pedem o processo de application, no qual o aluno manda um verdadeiro dossiê para aceite.

Cursos de idioma: podem durar de quatro semanas a um ano, dependendo nível que pretende alcançar. As opções incluem taxas de matrícula, materiais e diferentes tipos de alojamento.

Pós-graduação: especializações, mestrados e doutorados estão nesta lista. A duração depende do tipo de curso e, normalmente, é de dois anos.

Estágio: inclui os intercâmbios profissionais, no qual o estudante vivencia sua área de atuação em outro país. A duração varia conforme o tipo de programa e pode chegar a dois anos.

Trabalho e estudo: envolve estudo do idioma e trabalho. Os mais comuns são Au Pair (babá), trabalho em restaurantes, hotéis e resorts.

Qual a documentação necessário para intercâmbio?

Isso vai depender, bastante, do tipo de intercâmbio. Mas, o primeiro passo é tirar seu passaporte e visto, necessários para sair do Brasil e entrar em outro país (como estudante). Também é necessário receber a carta de aceite da escola, além de providenciar os documentos, por ela, solicitados (carta de aplicação, testes, histórico, entre outros).

Tenha, também, seguro viagem e cartão de vacinas internacional, muito solicitados.

Como organizar minhas finanças?

A decisão de morar fora envolve um assunto principal: dinheiro! Se você não dispõe de altos recursos financeiros, é preciso recorrer a apoios, como financiamento estudantil. Alguns intercambistas apostaram, também, nas vaquinhas online e nos programas oferecidos por suas instituições de origem.

Mas, a preocupação com as finanças não deve se restringir a quando sair do Brasil. Verifique o custo de vida no país onde vai morar, opções de moradia mais em conta (se não estiver inclusa em seu programa), lugares mais baratos para fazer compras, cupons de desconto, entre outras. O ideal é manter contato com nativos que sempre têm boas dicas.

Como achar a acomodação perfeita?

A parte da acomodação, normalmente, gera bastante stress para intercambistas. Então, para evitar que isso aconteça com você, leve em conta os seguintes fatores:

  • adiante o processo de escolha, começando a pensar nas opções disponíveis, levando em conta detalhes importantes, como a localização
  • verifique os prazos para candidatura nas acomodações estudantis
  • delimite o seu orçamento, tendo em vista o quanto tem disponível para os gastos com moradia e despesas extras
  • descubra se as opções analisadas incluem despesas extras, como internet ou, ainda, se não causam gastos imprevistos
  • confirme a duração dos contratos e se os locatários pedem que desocupem em datas específicas
  • veja itens de que não abre mão, como tipos de acomodação, banheiro, etc

Termos de intercâmbio que você precisa conhecer

Veja um resumo das principais expressões utilizadas quando se fala em morar fora para dar uma esclarecida:

Tipos de instituição: você pode encontrar, entre as opções, três tipos de instituições. University (a instituição em si, que oferece vários cursos, com USP, UFG,UFRJ), College (a faculdade, ou seja, a unidade que oferece o curso, como Faculdade de Letras, Faculdade de Comunicação) e Polytechinics (instituições mais voltadas para o mercado de trabalho, como os IF’s).

Application: essa é a que você mais vai ver. É o conjunto de documentos que você vai usar para registrar sua candidatura, como testes, documentação, formulários e redações. Pode ser enviada para a instituição escolhida ou por plataformas unificadas.

Cursos primários e secundários: são os Academic Major (concentration) e Minor (secondary field). São as graduações principais e adicionais que o aluno pode cursar enquanto estiver por lá.

Tuition fee: anuidades, semestralidades ou mensalidades cobradas pelas instituições. Algumas podem incluir alojamento e alimentação.

Counselor: trazendo para nossa realidade, representa o orientador ou coordenador da escola. É o profissional que ajuda na elaboração das aplicações e fornecimento da documentação necessária para apresentação.

Prazos para aplicação: se você manda sua candidatura no calendário regular de aplicações, normalmente, em março ou abril, está fazendo uma Regular Decision. Mas, se a fizer antecipadamente, em novembro, por exemplo, estará apresentando uma Early Decision.

Admissions Office: é daqui que vai sair o seu aceite ou recusa em estudar na instituição. Esse departamento vai avaliar os candidatos por meio de um time de profissionais especializados.

Personal Statement: é o texto no qual você se apresenta e conta motivações e interesses, ou seja, porque quer estudar lá e como pode contribuir. Funciona como uma carta de apresentação bem elaborada.

Essay: toda a parte escrita que faz parte do seu processo de aplicação. O essay inclui a Personal Statement, complementos por temas específicos (Supplementary Essay), redações e respostas.

Recommendation Letter: é a carta de recomendação emitida pela sua entidade de origem, podendo ser redigida por um professor, orientador ou diretor. Nela, essa pessoa irá te apresentar, descrevendo suas habilidades e qualidades profissionais e acadêmicas.

Transcript: mais conhecido como histórico escolar. Fácil né?

Extracurricular Activity: sabe aquele programa de voluntariado, peças nas quais participou, feiras, monitorias, oficinas, entre outras coisas que fez durante seu curso? Então, entra tudo aqui, no campo de atividades extracurriculares.

Standardized Tests: são os exames padronizados, ou seja, testes que podem ser pedidos para complementar sua candidatura. Incluem SAT (Scholastic Aptitude Test), ACT, TOEFL e IELTS.

SAT: muito comum nos Estados Unidos, avalia três áreas de conhecimento, sendo elas, Critical Reading (linguagem e interpretação de textos), Math (matemática) e Writing (escrita). Pode se desenrolar em exames complementares, como SAT Subject Test ou SAT II, que vão avaliar as disciplinas as quais você domina.

TOEFL: velho conhecido por quem estuda inglês, o Test Of English as a Foreign Language mede sua capacidade em usar e entender o idioma na academia. Avalia Escuta (Listening), Leitura (Reading), Escrita (Writing) e Fala (Speaking).

ACT: também muito comum nos EUA, avalia as áreas de Interpretação de Texto, Matemática, Raciocínio Científico (Science Reasoning) e Inglês, além da redação optativa.

IELTS: o International English Language Testing System é o Toefl do Inglês Britânico. Tem as versões acadêmica e General Training Version, para experiências de trabalho.

Auxílios: palavra boa, né? Você vai ouvir muito sobre Need-based financial aid (oferecida de acordo com a renda familiar), Financial Aid (fornecida por instituições que apoiam estudantes em despesas e formação) e Merit based financial aid (baseada no mérito do aluno).

Consideração financeira: diz respeito ao fato de o comitê avaliador considerar, ou não, sua necessidade financeira em seu processo de candidatura. Depende, na maior parte das vezes, da capacidade da instituição em auxiliar os ingressantes. Por isso, você vai ver as expressões Need-aware College ou University (quando considera a situação financeira) e Need-blind college or university.

Países mais procurados e custos de vida

Alemanha

O país é bastante procurado por alunos de graduação e pós-graduação devido à sua fama de investir em talentos estrangeiros, além do alto nível de suas instituições. O custo de vida, também, não está entre os mais altos. O governo estima que, mensalmente, um estudante gasta 700 euros, despesas facilmente cobertas por bolsas.

Nova Zelândia

O país tem custo de vida alto, com despesas medidas por semana. Os serviços mais caros são moradia e alimentação. Por isso, estudantes optam por dividir apartamento e cozinhar em casa. Em média, o custo de vida, considerando todas as despesas, é de NZD 400 a NZD 500 por semana.

Austrália

O país, também, tem bom número de estudantes estrangeiros devido à sua receptividade e nível de ensino. O custo de vida é alto, especialmente, em Sydney e Melbourne. Brisbane tem o segundo custo de vida mais barato no país. Os gastos semanais de um estudante na Austrália podem variam entre 140 e 525 dólares australianos.

Estados Unidos

Campeão de aplicações, o custo de vida nos Estados Unidos depende da cidade onde for morar. Grandes centros, como Nova York e Los Angeles, têm custos mais elevados, enquanto o interior costuma ser mais barato. Em média, um estudante tem custo semanal entre USD 181 e USD 208 com alimentação, transporte, moradia e despesas gerais.

Canadá

Apesar do alto nível de qualidade de vida, o Canadá costuma sair mais barato do que outros países, como os Estados Unidos. Claro que os custos mensais são relativos, mas, em média, um estudante tem gastos mensais de 1.200 dólares canadenses, considerando todas as despesas e dividindo apartamento com alguém.

Irlanda

Configura um dos destinos mais procurados por brasileiros. Assim como outros países, o custo de vida vai depender da cidade escolhida. Dublin é a mais cara, enquanto alternativas como Cork, Limerick e Galway são mais em conta (e igualmente lindas). Mensalmente, os gastos podem chegar a 580 euros, incluindo moradia, alimentação e despesas gerais.

Portugal

Mais um país bastante escolhido por brasileiros e, no qual, o custo de vida vai depender da cidade escolhida. Nas grandes cidades, como Lisboa, tudo pode sair mais caro e o estudante pode ter, mensalmente, gastos médios de 845 euros. Em cidades do interior, o custo cai para cerca de 630 euros mensais.

França

Por incrível que pareça, a França não está entre os países mais caros do mundo para um estudante viver. Em média, os gastos mensais giram em torno de 500 a 600 euros por mês. Mas, há a possibilidade de contar com o auxílio moradia fornecido pelo governo que pode ser de 80 a 180 euros.

Reino Unido

Outro país muito procurado, mas, que tem alto custo de vida. O gasto com acomodação, em média, é de 150 libras por semana. A isso, soma-se 104 libras semanais para outras despesas. Resumindo, guarde de 800 a 1000 libras por mês para viver no Reino Unido.

Do que eu vou sentir falta quando morar fora?

Essa parte, claro, é bastante aleatória, só para dar aquela descontraída. Obviamente, o que você mais vai sentir falta é da sua família e amigos. Mas, tirando isso, tenha em mente que, morando no exterior..

  1. Mesmo que encontrar um pão de queijo, não vai ser o mesmo gosto daquele feito pela sua mãe, avó ou à venda em qualquer padaria daqui
  2. Medicação, é bom levar a sua, pois, as fórmulas manipuladas em outro país podem ser diferentes das brasileiras
  3. Brigadeiro como o nosso, não tem! Os outros podem até tentar, mas, nada se compara!
  4. Esqueça comida a quilo! Essa maravilha só tem aqui!
  5. Tente parcelar aquele tênis da hora no cartão! O caixa vai dar risadas! Por isso, saiba disso na hora de passar aquela comprinha

Claro que, tudo isso, é apenas uma brincadeira! A experiência de morar no exterior é muito enriquecedora! Tem seus perrengues, é óbvio, pois você vivenciará outra cultura longe de todos que conhece. Mas, voltará com uma bagagem de peso que não tem preço, além de muita história pra contar!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.