Linhas de Nazca

As linhas formam numerosas figuras individuais como beija-flores, aranhas, macacos, peixes, tubarões, lhamas e lagartos.

0

O que são as linhas de Nazca? As linhas de Nazca são uma série de geoglifos localizados no Deserto de Nazca, um alto planalto árido que se estende por mais de 80 km entre as cidades de Nazca e Palpa, nos Pampas de Jumana, no Peru.
Mapa da localização de Nazca
Mapa da localização de Nazca

Acredita-se que eles tenham sido criados pela cultura Nazca entre 200 a.C e 700 d.C. O clima seco e ventoso da região manteve as linhas visíveis. Essas obras podem ser vistas do ar, sendo menos visíveis no nível do solo.

Assim, no século XX, quando os aviões começaram a voar sobre essa área, as marcas despertaram grande interesse. Em 1994, a planície de Nazca foi considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, a fim de proteger as antigas criações da invasão humana moderna.

As linhas formam numerosas figuras individuais como beija-flores, aranhas, macacos, peixes, tubarões, lhamas e lagartos. As Linhas de Nazca continuam sendo um dos muitos mistérios do mundo antigo, com explicações sugeridas que vão desde o calendário astronômico, caminhos sagrados, até as marcas de OVNIs feitas por extraterrestres.

Assim, as Linhas de Nazca refletem a criatividade dos seres humanos, tanto em seu design e construção pela cultura antiga, quanto em esforços para que o significado seja decifrado por pesquisadores contemporâneos.

Civilização de Nazca

A cultura Nazca floresceu do primeiro ao oitavo século d.C, ao lado da costa seca do sul do Peru, nos vales fluviais do rio Grande de Nazca e do vale do Ica. A antiga sociedade de Nazca era composta de chefes locais e centros regionais de poder centrados em torno do Cahuachi, um local cerimonial não urbano.

Corpos encontrados enterrados no cemitério de Nazca

A subsistência de Nazca foi baseada principalmente na agricultura. Iconografia sobre cerâmica e restos escavados indicam que o povo Nazca tinha uma dieta variada composta de milho, abóbora, batata-doce, mandioca achira e peixes.

Eles também utilizaram várias culturas não alimentares, como algodão para tecidos, coca, cacto de São Pedro e cabaças, que também eram usadas para ilustrar as atividades da vida cotidiana.

Em termos de recursos animais, os Nazca usavam as lhamas para sacrifícios em Cahuachi. As lhamas também eram comumente exploradas como animais de carga, por sua lã e como fonte de carne. Sem dúvida, devido à natureza extrema do ambiente circundante, grande parte das crenças religiosas de Nazca se concentrava na agricultura e na fertilidade.

Grande parte da arte de Nazca retrata poderosos deuses da natureza, como a mítica baleia assassina, os colhedores e o gato mítico manchado. Assim como a cultura Moche contemporânea, os xamãs aparentemente usavam drogas alucinógenas, como o líquido do cacto de São Pedro, para induzir visões.

Construção

As linhas foram feitas removendo-se os seixos cobertos de óxido de ferro marrom-avermelhado, que cobrem a superfície do deserto de Nazca. Quando o cascalho é removido, as linhas contrastam fortemente com a terra de cor clara. Existem várias centenas de linhas simples e padrões geométricos no planalto de Nazca, bem como mais de 70 figuras animais e humanas curvilíneas.

Linhas de Nazca - Macaco

As linhas persistem devido ao clima extremamente seco, sem vento e constante da região de Nazca. O deserto de Nazca é um dos mais secos da Terra e mantém uma temperatura em torno de 25 °C durante todo o ano, e a falta de vento ajudou a manter as linhas descobertas até os dias atuais.

A principal explicação para o método de construção empregado pelo povo de Nazca envolve o uso de ferramentas simples e equipamentos de levantamento. Estacas de madeira no chão no final de algumas linhas (que foram usadas para datar com carbono as figuras) fortalecem esta teoria. A área que abrange as linhas é de quase 500 quilômetros quadrados.

Descoberta

As linhas de Nazca não chamaram a atenção da sociedade moderna até o início do século XX, quando os aviões começaram a sobrevoar a região. À medida que mais e mais relatórios chegavam de estranhas marcações no Peru, o interesse pela área aumentava.

No início da década de 1940, o antropólogo americano Paul Kosok estudou os sistemas de irrigação das antigas culturas sul-americanas e logo ficou fascinado com as linhas de Nazca.

Não muito tempo depois, ele voltou acompanhado pela matemática e arqueóloga Maria Reiche, que ajudou Kosok a estudar as marcas durante vários anos. Juntos, Kosok e Reiche desvendaram uma das primeiras razões da existência das Linhas de Nazca: que eram marcadores no horizonte para indicar onde o sol e outros corpos celestes se erguiam ou se punham.

Enquanto Kosok passou cerca de uma década estudando as Linhas de Nazca, Reiche passou quase o resto de sua vida estudando os fenômenos, revisando sua teoria para sugerir que a obra de arte era na verdade um mapa astronômico de constelações.

Desde Kosok e Reiche, numerosos arqueólogos, antropólogos e outros cientistas estudaram a área, e há inúmeras explicações e teorias sobre o significado das linhas.

No final da década de 1960, o astrônomo americano Gerald Hawkins testou as teorias de Kosok e Reiche sobre as linhas e descobriu que não havia provas suficientes para confirmar sua correspondência com os locais das estrelas e outros fenômenos astronômicos.

Já o astrônomo Robin Edgar teorizou que as Linhas de Nazca, particularmente os geoglifos biomórficos que representam animais, figuras humanas, pássaros e “flores” são uma resposta antiga ao que ele chamou de o “Olho de Deus”, que se manifesta no céu durante um eclipse solar total.

Em 1985, o arqueólogo Johan Reinhard publicou dados arqueológicos, etnográficos e históricos demonstrando que a adoração de montanhas e outras fontes de água desempenhou um papel dominante na religião e economia de Nazca.

Ele apresentou a teoria de que as linhas e figuras podem ser explicadas como parte de práticas religiosas envolvendo o culto de divindades associadas à disponibilidade de água e, portanto, à fertilidade das culturas.

Outra teoria sustenta que as linhas são os restos de “templos ambulantes”, onde um grande grupo de fiéis caminhava ao longo de um padrão pré-definido dedicado a uma entidade sagrada particular, semelhante à prática de andar em um labirinto.

Moradores das aldeias locais dizem que a antiga Nazca conduzia rituais nesses desenhos gigantes para agradecer aos deuses e garantir que a água continuaria a fluir dos Andes. Como os arqueólogos continuaram a estudar as Linhas de Nazca, mais teorias deste antigo mistério foram geradas.

No entanto, uma vez que a cultura que produziu essas obras se foi há séculos e deixou pouco registro além das linhas de Nazca e outros artefatos, a verdade por trás dessas obras de arte tem sido difícil de determinar.

Explicações paranormais

Fora da arqueologia convencional e da antropologia, as linhas de Nazca, como muitos monumentos antigos e não bem compreendidos, geraram numerosas explicações paranormais.

A mais famosa é a teoria de Erich von Däniken, de que as linhas foram criadas por extraterrestres que visitaram a Terra nos tempos antigos. O tamanho grande das marcações, suas precisões e o fato de que seu alcance é melhor observado do céu, levou Däniken a teorizar que os alienígenas haviam criado as marcações.

Outros, como Hermann E. Boss, também postularam uma origem alienígena para as linhas. O autor Robert Bast propôs que os símbolos de animais e humanos, posicionados de uma maneira que parecem estar no chão, foram criados a partir de uma memória coletiva de uma inundação antiga, uma teoria que corresponde a crença cristã em Noé e no Dilúvio .

Alguns também sugeriram que as Linhas de Nazca são uma das muitas áreas místicas ao redor do planeta que possuem vórtices de energia e são pontos para atividade paranormal.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.