O impacto da pandemia sobre os jovens no mercado de trabalho

A crise mundial limitou a entrada dos jovens no mercado e também impactou aqueles que já haviam ingressado. Saiba mais.

O período pandêmico limitou a inserção de jovens no mercado de trabalho, assim como impactou diretamente na qualidade do aprendizado devido à implementação do ensino a distância. Isso foi observado no relatório “Estado da Nação: Educação, Emprego e Competências em Portugal”.

Leia também: O mercado de trabalho e os profissionais com mais de 50 anos

Nesse sentido, de acordo com o estudo, nesse período, “o emprego dos jovens foi o mais afetado e ainda não tinha recuperado totalmente no último trimestre de 2021, com perdas de 27.500 empregos face ao mesmo trimestre de 2019”.

Dessa forma, a crise mundial limitou a entrada dos jovens no mercado de trabalho e também impactou aqueles que já haviam ingressado. “Em 2021, apenas 74% dos jovens entre os 20 e os 34 anos que tinham completado um nível de escolaridade nos últimos três anos estavam empregados, uma queda acentuada face a 2019 que interrompe a tendência positiva que se vinha a verificar desde 2012”, diz o relatório.

Além disso, a queda foi maior sobre aqueles que já terminaram um curso superior, ainda que a taxa de emprego dos recém-diplomados permaneça acima daqueles que concluíram apenas o ensino médio.

Não obstante, outro ponto que o relatório cita é que, “a pandemia teve implicações na aquisição e no reforço de competências em diferentes fases da vida, comprometendo o futuro profissional de indivíduos e trabalhadores e também o crescimento económico do país. (…) O ensino à distância levou a perdas de aprendizagem e foi um indutor de desigualdades sociais nomeadamente entre o ensino público e o ensino privado”, sublinha-se no documento.

Desse modo, de acordo com o relatório, o acesso às universidade durante a pandemia “bateu recordes”, entretanto, aumentou a taxa de evasão “e não há evidências do efeito sobre as aprendizagens e competências destes alunos”. No entanto, ainda que não existam dados que permitam mostrar de forma taxativa o impacto real da pandemia sobre o ensino, “é certo que existiram perdas de aprendizagens”.

Destarte, um dos aspectos positivos desse período foi o aumento da participação de adultos na formação que foi verificado em 2021, segundo o relatório. Quando analisou as ofertas de emprego, o estudo concluiu que “o mercado de trabalho teve maior dinamismo de procura por empregos qualificados e digitais e que os empregadores se tornaram mais exigentes ao requererem mais competências, principalmente digitais”.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More