Alerta: Cientistas chamam a atenção ao anunciar que o manto terrestre está esfriando rapidamente

O manto terrestre é uma camada de lava que envolve o núcleo terrestre. Apesar do esfriamento ser comum, ele está num ritmo acelerado e alarmante.

Um estudo publicado por cientistas do Centro de Pesquisas Carnegie chamou a atenção ao apresentar um dado alarmante. Segundo as análises dos pesquisadores, o manto terrestre, uma camada de lava que está debaixo dos nossos pés, está esfriando rapidamente. Para chegar a essa conclusão, os especialistas fizeram estudos inovadores por meio de um método que imitava o comportamento do manto terrestre. Dessa forma, foram recriados os ambientes mais internos e externos do manto por meio de diamantes.

Leia Mais: Nova camada de músculo é descoberta na mandíbula humana.

Assim, os cientistas conseguiram chegar à conclusão de que o ritmo de esfriamento do manto terrestre está mais acelerado do que o esperado. Além disso, os estudiosos apontaram a condutividade dos minerais como uma possível razão para o fenômeno.

Como foram feitos os estudos?

Uma vez que a camada de minério “bridgmanita”, que significa silicato de magnésio, é inacessível, não havia estudos concretos sobre a sua condutividade térmica. Entretanto, os cientistas pensaram numa solução prática: fazer uma réplica desse ambiente em condições controladas no laboratório. Dessa maneira, foi elaborado um sistema de medição de absorção óptica com a ajuda de um diamante superaquecido. Com isso, foi possível observar a capacidade de condução térmica da bridgmanita.

Porém, os cientistas foram pegos de surpresa ao descobrir que o fluxo térmico que acontece na parte inferior da Terra é maior que o esperado. Com esse ritmo, o processo de convecção metálica seria acelerado, podendo impulsionar um esfriamento do planeta.

Quais as consequências?

Ainda segundo o estudo publicado, os impactos de uma acelerada convecção metálica podem acontecer em grande escala. Dentre esses impactos está a possível alteração na movimentação das placas tectônicas, que poderiam desacelerar com o resfriamento rápido.

Vale ressaltar que esse movimento de desaceleração já era esperado, mas não nessa velocidade. Além disso, os cientistas também apontam que há possibilidade de alteração nas fases dos minerais, localizados entre o manto e a crosta terrestre. Por fim, os pesquisadores enfatizam que essa variação pode significar uma evolução na dinâmica terrestre. Ou seja, demonstra que a Terra, bem como outros planetas, está ficando mais fria e menos ativa, de forma muito rápida.

Se você estiver interessado em ler o estudo completo, a discussão está disponível no jornal Earth and Planetary Science Letters. E não se esqueça de compartilhar essa matéria com os amigos que também adoram ciências!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More