Sujeito

O sujeito é um importante elemento para a análise sintática. Ele recebe diferentes classificações. São elas: sujeito determinado simples; sujeito determinado composto; sujeito determinado elíptico e sujeito indeterminado. Existem ainda as orações sem sujeito (sujeito inexistente), formadas por verbos impessoais.

0

O sujeito cumpre uma importante função para a análise sintática. Na análise sintática, as palavras passam a exercer funções específicas, denominadas funções sintáticas. Por meio dela podemos compreender melhor as possibilidades de estruturação das frases em nosso idioma, o que nos permite elaborar mais adequadamente nossas próprias frases e também compreender com mais clareza o que ouvimos e lemos.

Na sintaxe, o sujeito é o termo (palavra ou conjunto de palavras) da oração que designa o ser a respeito do qual se declara alguma coisa; é também o elemento com o qual o verbo estabelece concordância. Veja só alguns exemplos:

A velha patrulha policial percorria, toda noite, as vielas da cidade.

  • Que é que percorria?

As meninas atravessavam a rua correndo e falando alto.

  • Quem é que atravessa?

Foi encontrada sob o armário a arma do crime.

  • Que é que foi encontrada?

No escuro da noite, a luz da lua se revela.

  • Que é que se revela?

Respondendo a essas perguntas descobriremos de que ou de quem se está falando. Sendo assim, as respostas identificam o sujeito de cada uma das orações. É importante observar que entre o sujeito e o verbo estabelece-se a correlação fundamental da oração: a concordância verbal. Observe:

Sujeito Verbo
  • A velha patrulha policial (singular)
Percorria (singular)
  • As meninas (plural)
Atravessavam (plural)
  • A arma do crime (singular)
Foi encontrada (singular)
  • A luz da lua
Se revela (singular)

Podemos notar também que uma oração é constituída por duas partes. Uma delas é o sujeito; a outra é tudo aquilo que se diz do sujeito: o predicado.

Nas orações em estudo temos, portanto:

A velha patrulha policial percorria, toda noite, as vielas da cidade.
Sujeito                                                  Predicado
As meninas atravessavam a rua correndo e falando alto.
Sujeito                                                      Predicado

Foi encontrada sob o armário a arma do crime.
Predicado                            Sujeito

No escuro da noite, a luz da lua se revela.
Predicado           Sujeito                Predicado

O “comportamento” do sujeito e as vozes verbais

Quando o verbo exprime ideia de ação, ele pode flexionar-se para indicar quem pratica e quem recebe essa ação. O nome dessa flexão é voz verbal, que levará em conta o comportamento do sujeito da oração, que pode ser três, como vimos anteriormente. Observe:

Se o sujeito pratica a ação → voz ativa

A velha patrulha policial percorria, toda noite, as vielas da cidade.
Sujeito agente

Se o sujeito recebe a ação → voz passiva

Foi encontrada sob o armário a arma do crime.
Sujeito paciente

Se o sujeito pratica e recebe a ação → voz reflexiva

No escuro da noite, a luz da lua se revela.
Sujeito agente e paciente

Classificação do sujeito

Sujeito determinado simples

O sujeito classifica-se como determinado simples quando tem um único núcleo, isto é, uma única palavra principal. Exemplo:

Núcleo
A imensidão azul do mar causa encantamento nos turistas.
Sujeito determinado simples

Observe que no exemplo acima, o sujeito tem um núcleo (com o qual o verbo concorda) e outros três elementos: a, azul e do mar.

Sujeito determinado composto

O sujeito é determinado como composto quando tem dois ou mais núcleos. Veja o exemplo:

Núcleo    Núcleo    Núcleo
Raios, trovões e uma forte tempestade assustavam os moradores da cidade.
Sujeito determinado composto

Sujeito determinado elíptico (oculto)

Apesar de não ser explicitamente apresentado na oração, o sujeito determinado oculto pode ser reconhecido pela desinência do verbo ou pelo contexto em que a oração é empregada. Exemplos:

Enviaremos a encomenda a você assim que a greve dos Correios acabar.
Sujeito: nós (oculto → identificável pela desinência –emos)

O velho casal relembrava as viagens/ que fizeram quando jovens.
Duas orações → Sujeito da 1ª: o velho casal (determinado simples)
Sujeito da 2ª: eles (determinado oculto)

Sujeito indeterminado

O sujeito de uma oração será indeterminado quando o falante que a constrói não quer – ou não pode – fixar com exatidão o sujeito.

Existem duas estruturas sintáticas por meio das quais é possível indeterminar o sujeito. Veja a seguir:

  • Oração com verbo na 3ª pessoa do plural.

Disseram que você não gosta da Priscila.
Quebraram os vidros da janela da biblioteca.

  • Oração com verbo na 3ª pessoa do singular + pronome se.

Falou-se muito sobre os escândalos envolvendo o nome do presidente da Câmara.
Verbo na 3ª pessoa do singular + se → sujeito indeterminado

Era-se mais livre nos anos 70.
Verbo na 3ª pessoa do singular + se → sujeito indeterminado

Não se dorme e nem se come bem com este calor insuportável.
Verbo na 3ª pessoa do singular + se → sujeito indeterminado

Oração sem sujeito (sujeito inexistente)

Além das classificações do sujeito que estudamos anteriormente, existe ainda uma classificação muito interessante: o sujeito inexistente. Isso acontece porque alguns verbos da língua portuguesa apresentam uma particularidade sintática: eles não admitem sujeito. Esses verbos são chamados de impessoais, e formam orações sem sujeito. Veja a seguir os verbos impessoais mais comuns:

  • Verbo haver

O verbo haver é impessoal quando empregado no sentido de “existir” ou de “acontecer” e quando indica tempo passado. Veja os exemplos:

Havia muitos alunos na escola.
(haver = existir)

Em novembro haverá eleições para diretor da escola.
(haverá = acontecer)

Ela viajou para Paris há alguns anos.
(haver = tempo passado)

  • Verbo fazer

O verbo fazer é impessoal quando indica tempo (decorrido ou a decorrer). Exemplos:

Já fazia dois anos que não viajávamos para o Sul.
Oração sem sujeito

Amanhã, fará seis meses que nosso pai faleceu.
Oração sem sujeito

  • Verbo ser (em expressões de tempo) e verbos indicativos de fenômenos da natureza. Exemplos:

Era verão naquele ano de 1990 quando você nasceu.

É madrugada: lá fora, na rua, já se ouvem passos.

Ainda não choveu em Goiânia esse ano.

Nessa região do país faz muito calor.

Luana Alves
Graduada em Letras

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.