Tecidos conjuntivos: conjuntivo propriamente dito e adiposo

Tecidos Conjuntivos podem ser de seis tipos: conjuntivo propriamente dito, adiposo, cartilaginoso, ósseo, hematopoiético, sanguíneo.

0

Os tecidos conjuntivos se caracterizam por possuir uma substância intercelular chamada matriz. Esses tecidos têm origem em células embrionárias da mesoderme, as células mesenquimais. Eles podem ser de seis tipos: conjuntivo propriamente dito, adiposo, cartilaginoso, ósseo, hematopoiético, sanguíneo.

Tecido conjuntivo propriamente dito

O tecido conjuntivo propriamente dito pode ser encontrado abaixo do tecido epitelial com função de sustentar e nutrir esse tecido. Entretanto, encontramos também esse tecido ao redor dos órgãos exercendo função de acolchoamento, preenchendo espaços entre os órgãos e conectando dois tecidos diferentes. Nesse tecido a matriz (substância intercelular) é formada por dois componentes: parte amorfa e fibras.

Parte amorfa

A parte amorfa da matriz é composta por uma substância gelatinosa formada, principalmente, por ácido hialurônico. Existem células de vários tipos imersas na parte amorfa:

  • Fibroblastos: eles produzem a substância intercelular e originam outras células do tecido.
    Células adiposas: aquelas que armazenam gordura.
  • Macrófagos: células que fagocitam microrganismos.
  • Plasmócitos: células que fabricam anticorpos.
  • Mastócitos: produzem a histamina (uma substância vasodilatadora) e a heparina (uma substância anticoagulante).

Fibras

As fibras podem ser de dois tipos: elásticas, que dão elasticidade para o tecido; colágenas, células que dão resistência ao tecido. A quantidade de fibras presentes no tecido conjuntivo propriamente dito faz com que ele possa apresentar duas características diferentes:

  • Conjuntivo frouxo: tecido que contém poucas fibras e envolve muitos órgãos.
  • Conjuntivo denso: tecido que possui muitas fibras, como os tendões e a derme.
Esquema de uma célula do tecido conjuntivo propriamente dito
Esquema de uma célula do tecido conjuntivo propriamente dito

Tecido adiposo

O tecido adiposo é composto por células do tecido conjuntivo que acumulam lipídios, ou seja, gorduras em seu citoplasma. Essas células são chamadas de adipócitos, possuem forma esférica e são maiores que as outras células. Os lipídios armazenados nos adipócitos podem servir como fonte de energia para o organismo do indivíduo e funcionar como isolantes térmicos e mecânicos. Dizemos que um ser vivo é sedentário quando ele gasta menos energia do que consome. Nesses organismos, o que sobra de energia é acumulado pelos adipócitos em forma de gordura e o indivíduo ganha peso.

Veja tambémTecidos de preenchimento e sustentação vegetal: parênquima, colênquima e esclerênquima

Em ursos polares o excesso de tecido adiposo é muito importante para que eles possam conseguir suportar a hibernação. Entretanto, nos humanos o acumulo de massa corpórea que é gerado pela maior quantidade de tecido adiposo pode gerar excesso de trabalho em alguns órgãos e trazer doenças como hipertensão, diabetes, entre outras.

Células do tecido adiposo
Células do tecido adiposo

Tecido cartilaginoso

O tecido cartilaginoso é conhecido também como cartilagem. Ele possui fibras elásticas, fibras colágenas e uma substância intercelular que possui muitas proteínas associadas com um glicídio chamado de ácido condroitinossulfúrico. Juntas, essas substâncias conferem a cartilagem consistência firme e flexível, o que torna o tecido capaz de sustentar e possuir flexibilidade ao mesmo tempo.

A cartilagem é um tecido presente em várias partes do corpo como orelha, nariz, traqueia, formando os discos intervertebrais (entre as vértebras), nas articulações junto com o líquido sinovial diminuindo o impacto e atrito entre dois ossos. O tecido cartolaginoso é formado por células mesenquimais que se transformam em condroblastos, células cartilaginosas jovens. São os condroblastos que produzem a substância intercelular e depois de crescerem se transformam em condrócitos, as células cartilaginosas adultas.

No entorno da cartilagem existe o mesênquima que se transforma em um tecido conjuntivo denso conhecido como pericôndrio. Os vasos sanguíneos que existem no pericôndrio nutrem, por difusão, as células do tecido cartilaginoso, já que elas não possuem vasos sanguíneos. A cartilagem pode crescer através da transformação de células mesênquimais em condroblastos ou por divisão dos condrócitos no centro da cartilagem.

Tecido hematopoiético

O tecido hematopoiético forma elementos figurados do sangue, ele se dividi em dois tipos:

  • Tecido mielóide ou medula óssea vermelha: esse tecido é o principal produtor de elementos do tecido sanguíneo, ele é encontrado no interior de alguns ossos como costelas, esterno, vértebras, ossos do crânio, etc).
  • Tecido linfático ou linfoide: esse tecido produz um dos glóbulos do sangue que são produzidos na medula, os linfócitos. Esses glóbulos se reproduzem e passam a atacar células e substâncias invasoras do corpo. Podemos encontrar o tecido linfático no timo, no baço, nas amígdalas, nos linfonodos (ou gânglios linfáticos).

Denisele Neuza Aline Flores Borges
Bióloga e Mestre em Botânica

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.