Animais do Pantanal

Conheça estes animais do pantanal, considerados como os principais representantes da fauna de um dos biomas mais ricos de todo o planeta.

0
O Pantanal é considerado pela Unesco como “Patrimônio Natural Mundial” e “Reserva da Biosfera”. Ele é um dos biomas brasileiros, com seus mais de 250 mil km² de extensão, é considerado como a maior planície de inundação do planeta.

Ele está localizado na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai e é dividido em duas regiões:

  • Pantanal Sul ou Pantanal Menor
  • Pantanal Norte ou Pantanal Amazônico

No Brasil, ele pode ser encontrado nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Porém, estende-se por uma pequena porção do Paraguai e da Bolívia.

Além da riqueza na vegetação, o bioma é dono de uma das faunas mais ricas de todo o mundo, no Pantanal podem ser encontrados uma infinidade de espécies de aves, mamíferos, répteis, aves e peixes. Veja quais são alguns dos animais do Pantanal.

Aves

Tuiuiú – Ave símbolo do Pantanal (Jabiru mycteria)

Também conhecido como jaburu e tuiuguaçu, dependendo da região, essa ave pode ser encontrada, além do Pantanal, por toda extensão da América Latina. O peso médio é de aproximadamente 8 kg e altura é de até 1,4m de comprimento.

É caracterizado principalmente pelas pernas longas e a faixa vermelha no pescoço. Vive principalmente nas margens dos rios e em árvores esparsas, onde as fêmeas fazem seus ninhos no alto.

Garça-branca (Ardea alba)

Apesar de ser encontrada em boa parte do território brasileiro, sua presença é notória na região pantaneira. Também chamada de garça-branca-grande, ela é uma ave da ordem Pelecaniforme. Se alimenta principalmente de peixes.

Seu corpo facilita muito esse hábito, uma vez que seu pescoço e bico longo proporcionam agilidade na hora de agarrar a presa nas margens dos rios. Pode pesar até 1,5 kg quando adulta e comprimento de até 1m.

Tucano (Ramphastos toco)

Existem diversas espécies de tucano, porém, a que está presente no território do Pantanal é o Ramphastos toco. É um animal de hábitos diurnos que se alimenta principalmente de ovos, lagartos, insetos, frutos e filhotes de outras árvores.

É o maior de todos os tucanos, pesando aproximadamente 540g e com aproximadamente 56 cm de comprimento. A característica mais marcante da espécie é o exuberante bico alaranjado, que pode medir até 22 cm.

Arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus)

Pertencente a família psitacídeos, existem três espécies de arara-azul, sendo que duas delas estão ameaçadas de extinção e um está extinta. Pode medir até 1,5m desde o bico até a ponta da cauda e pesar até 1,5kg.

É uma ave que chama muito atenção por conta de sua bela plumagem azul, com círculos amarelos ao redor dos olhos e uma faixa da mesma cor próxima ao bico. Seus hábitos alimentares são bastante específicos, a principal fonte de nutrientes da espécie são os frutos das árvores bocaiúva e acuri.

Répteis

Sucuri-amarela (Eunectes notaeus)

A sucuri é uma serpente sul-americana da família Boidae, existem quatro espécies na América Latina, mas a espécie endêmica no Pantanal é a sucuri-amarela, que é um pouco menor que a sucuri-verde (Eunectes murinus). Não é uma cobra peçonhenta, por isso, sua sua força para matar as presas por constrição.

As fêmeas são maiores que o machos, podendo atingir até 40 kg e 4,5m de comprimento. Sua alimentação está baseada em aves, peixes, ovos, répteis e pequenos mamíferos.

Jacaré-do-papo-amarelo (Caiman latirostris)

Está espalhado por toda América Latina, e é encontrado em grande quantidade na região do Pantanal, sendo um animal típico de lá. Tem uma vida longa, podendo chegar até aos 50 anos. Possuem este nome pois durante a fase do acasalamento adquirem uma coloração amarelada na região do papo.

Possuem, em média, 2m de comprimento, embora já tenham sido encontrados exemplares de mais de 3,5m. Uma de suas principais características é o focinho largo e curto. Alimentam-se principalmente de peixes, moluscos, crustáceos, aves, morcegos e outros répteis.

Mamíferos

Capivara (Hydrochoerus hydrochaeris)

A capivara é um roedor, herbívoro, e é um dos mamíferos endêmicos do Pantanal. Seu habitat são as margens dos rios, regiões de pântanos e lagos, onde formam grupos que podem ter mais de 100 animais. É considerado o maior roedor do mundo, podendo, até mesmo, ultrapassar o peso de 90 kg, 1,2m de altura e 60 cm de altura.

Anta (Tapirus terrestris)

Também conhecida como tapir, a anta é nativa de praticamente toda a América do Sul. É o maior mamífero terrestre do Brasil, podendo pesar mais de 300kg e ter mais de 2,4m de comprimento. Apresenta uma probóscide que é utilizada para colher alimentos. Sua dieta é composta basicamente de frutos, o que confere a ela um importante papel na dispersão de sementes.

Uma de suas principais características é a vida solitária. Dificilmente são encontradas em bandos. A gestação de uma anta pode durar mais de 400 dias, e elas parem somente um filhote por vez.

Cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus)

A espécie já esteve presente em diversos locais da América do Sul, contudo, atualmente é encontrada praticamente com exclusividade na região do Pantanal. É um mamífero ruminante, da família dos cervídeos. Apesar de não estar em risco de extinção, a espécie é considerada vulnerável.

É considerado o maior cervídeo sul-americano. Seu peso pode passar de 125kg, com altura superior a 1,2m. Os machos são maiores que as fêmeas e possuem chifres ramificados. É um animal de hábitos diurnos, que se alimenta basicamente de plantas aquáticas. É uma importante presa das onças, tanto a pintada, quanto a parda.

Onça-pintada (Panthera onca)

Este mamífero carnívoro é um dos animais encontrados no Pantanal. É o terceiro maior felino do mundo, perdendo somente para o tigre e leão. A onça-pintada é seriamente ameaçada de extinção, e em alguns locais do continente americano já está extinta, a exemplo dos Estados Unidos.

É conhecida por ser um felino que gosta de nadar, e por isso, sua presença é maior em locais que possuem fontes de água. O peso médio varia entre 50 e 90kg, porém há exemplares que chegar a pesar mais de 150kg. O comprimento varia de 1,1m, até 1,85m, sem contar a medida da cauda. É um animal solitário, cuja mordida é fatal para qualquer outro animal que encontrar pela frente.

Peixes

Piranha (Pygocentrus nattereri)

Embora haja muitas espécies deste peixe, no Pantanal, a mais comum é a pirannha-vermelha. Ela é um peixe carnívoro de água doce, inclusive, muito utilizada na culinária local, tanto frita, quanto no famoso caldo de piranha do Mato Grosso do Sul. Elas medem, em média, entre 14 e 26cm.

É um peixe predador muito agressivo, cuja mandíbula é extremamente forte. Eles são facilmente reconhecidos pela dentição, que é uma fila única, de dentes extremamente afiados, responsáveis por uma das piores mordidas entre os peixes ósseos. É comum o ataque a seres humanos, principalmente quando há sangue na água.

Pintado (Pseudoplatystoma corruscans)

Frequentemente encontrado no Pantanal, o pintado é um peixe de água doce que pertence à família dos Pimelodídeos. Tem hábitos noturnos, e geralmente, vive nas calhas dos rios, embaixo de malhas de aguapés. É um peixe carnívoro, que se alimenta principalmente de peixes menores.

Os máximos podem alcançar mais de 1,85m e pesar aproximadamente 85kg. É altamente apreciado na culinária. Em Cuiabá, a mujica de pintado é um prato muito tradicional.

Dourado (Salminus brasiliensis)

Recebe este nome em função de sua coloração amarelo ouro. Sua presença é frequente nos rios brasileiros, e durante muito tempo, foi chamado de Salminus maxillosus. É muito conhecido pelos pescadores esportivos por conta de sua bravura e resistência quando fisgado. É uma espécie bastante cobiçada por esses esportistas, e chamada por eles, de estrela do Pantanal.

Pode ter mais de 1,3m e pesar mais de 25kg. Tem dentes muito afiados e ataques a seres humanos acontecem com certa frequência.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.