Bocha adaptada ou paraolímpica – História, regras e classificação

Conheça um dos esportes paraolímpicos no qual o Brasil se destaca e que atua como fator de integração social vida de pessoas com deficiência.

0

A bocha adaptada é um esporte muito democrático, além de poder ser praticada por homens e mulheres, permite que pessoas com elevado grau de paralisia cerebral ou deficiências severas obtenham alto rendimento esportivo.

Mas engana-se quem pensa que o esporte é extremamente fácil e lento. Pelo contrário, ele exige muita concentração, controle dos músculos e alta precisão.

A modalidade requer seis bolas azuis, seis bolas vermelhas e uma bola branca (bola alvo, jack ou bolim). O objetivo dos jogadores rolar as bolas coloridas, de forma a encostar o maior número possível delas na bola alvo.

Inicialmente, a bocha adaptada foi criada para as pessoas com encefalopatia crônica, popularmente conhecida por paralisia cerebral, severas e com alto grau de comprometimento motor nos quatro membros e que além disso, se locomoviam por meio de cadeira de rodas.

Entretanto, com o passar do tempo, pessoas com outros tipos de deficiência, desde que se encaixem na classificação, começaram a fazer parte das competições. Como exemplo, é possível destacar pessoas com atrofia muscular espinhal, disfunção motora progressiva e muitas outras.

História da bocha adaptada

A origem da bocha, esporte do qual a bocha adaptada se deriva, tem uma origem incerta. Alguns historiadores afirmam que no Egito Antigo e Grécia já havia práticas semelhantes, mas somente como uma diversão para matar o tempo.

Mas foi só na Itália que a bocha tornou-se uma modalidade esportiva. Em virtude das conquistas do Império Romano, rapidamente a prática se espalhou por toda a Europa. A vinda para o Brasil foi feita por intermédio dos imigrantes italianos.

Mas somente a partir de 1970 é a bocha adaptada começou a ser praticada. Em 1984 pela primeira vez o esporte apareceu entre as modalidades disputadas nos Jogos Paraolímpicos de Nova York e Stoke Mandeville.

Antes disso havia o lawn bowls, que era muito semelhante a bocha adaptada, mas praticado na grama. Foi nessa modalidade que o Brasil conquistou sua primeira medalha paraolímpica, com Luiz Carlos da Costa e Robson Sampaio de Almeida.

No Brasil, a administração da modalidade fica por conta da Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE).

Regras

Conheça quais são as principais regras e fundamentos da bocha adaptada:

  • Todos os competidores, obrigatoriamente, devem se locomover por meio de cadeira de rodas;
  • É permitido o uso das mãos, pés ou instrumentos de auxílio, em casos de praticantes com alto grau de comprometimento nos membros superiores e inferiores;
  • Atletas com maior comprometimento podem contar com auxílio de ajudantes, chamados de calheiros;
  • As provas podem ser praticadas individualmente, em duplas ou trios;
  • Individual: as partidas são divididas em quatro ends, onde os atletas lançam seis bolas em cada;
  • Dupla: a disputa também é feita em quatro ends, mas cada jogador lança três bolas por parcial;
  • Trio: os jogos em trios são disputados em três ends, onde cada jogador lança duas bolas por parcial;
  • A área do jogo deve medir 6m de largura por 12,5m de comprimento;
  • A quadra deve ser completamente lisa, com piso sintético ou de madeira;
  • O objetivo do jogo é lançar as bolas coloridas o mais próximo possível da bola branca;
  • Vence a partida quem obtiver o maior número de pontos;

Classificação

A classificação dos jogadores com paralisia cerebral é feita em CP1 e CP2. Da mesma forma, atletas com outros tipos de deficiência severa que também podem competir na modalidade. Dependendo na classificação funcional eles podem ser inseridos em uma das quatro categorias abaixo:

BC1 – abriga tanto os arremessadores CP1, quanto jogadores CP2. Os jogadores podem contar com auxiliares que devem permanecer fora da área de jogo do atleta. Suas funções se restringem a estabilizar e ajustar a cadeira de rodas do competidor, além de entregar a bola quando este a solicita.

BC2 – voltada para todos os arremessadores CP2, nesta classe os jogadores não podem receber auxílio.

BC3 – a classe é destinada a atletas com deficiências muito severas. Eles usam um dispositivo auxiliar, e além disso, podem ser auxiliados por uma pessoa. Esta, deve permanecer na área de jogo do atleta, mas deve ficar de costa para os juízes e evitar olhar para o jogo.

BC4 – específica para competidores com outras deficiências severas, mas que não podem receber qualquer tipo de auxílio.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.