Confira 8 brincadeiras de antigamente para fazer com as crianças

Relembre algumas brincadeiras tradicionais que podem ser usadas como ferramentas de ensino para diversos conteúdos.

0 20

Sem dúvidas, a possibilidade de aprender brincando deixa os alunos muito mais animados e engajados com as atividades propostas na escola. Nos primeiros anos de educação, é muito comum que os professores utilizem esses métodos para trabalhar muitos conceitos e conteúdos.

Que as crianças estão cada vez mais conectadas à tecnologia não é novidade para a maioria dos educadores. Para driblar a situação na escola, as brincadeiras tradicionais são uma forma de despertá-los para para a importância de trabalhar em equipe, respeitar as limitações dos colegas e de fazer exercícios físicos.

Neste artigo, tratamos de um nicho específico de atividades: são as brincadeiras de antigamente pra fazer com as crianças. Elas podem ser feitas principalmente no ambiente escolar, por estarem em grupo, mas nada impede que também sejam feitas em casa, com primos, irmãos, vizinhos e amigos.

Além de tudo isso, podem ser usadas como instrumentos pedagógicos na hora de apresentar vários conteúdos aos estudantes: dá para trabalhar cores, números, raciocínio lógico, coordenação motora, equilíbrio, percepção do corpo, conceito de ganhar e perder, aplicação das regras e muito mais.

Confira essa lista de brincadeiras de antigamente pra fazer com as crianças que o Escola Educação preparou como sugestão para professores, pais e familiares, que podem, inclusive, ter participado de brincadeiras como essas na infância.

Amarelinha

Esta é uma excelente brincadeira para ensinar números, e por consequência, a sequência numérica. Isso porque o primeiro passo para brincar de amarelinha é desenhar no chão um caminho, dividido em espaços numerados. Para brincar é muito simples.

Posicionada no início do caminho, a criança vai jogar uma pedrinha na primeira casa, sem jogá-la fora ou na linha do trajeto. Caso isso aconteça, ela perderá a vez para o próximo da fila. O objetivo é ir pulando de um pé só, sem pisar onde está a pedra, e sem perder o equilíbrio.
No caminho de volta, a criança deverá pegar a pedrinha e joga-lá na segunda casa, e fazer o mesmo percurso de ida e volta. E, assim, sucessivamente até o último número. Ganha a brincadeira quem completar o caminho primeiro.

Queimada

Para este jogo, normalmente a turma é dividida em igualmente em duas equipes. Cada uma delas se posiciona em uma metade da quadra, dividida por uma linha. O objetivo de quem estiver com a bola nas mãos é atingir os jogadores do time adversário.

Para que ele seja “queimado” a bola precisa encostar nele e depois cair no chão. Caso o jogador consiga agarrar a bola ele estará salvo e o jogo segue normalmente. Conforme forem carimbadas, as pessoas vão para o fundo da equipe adversária, o chamado cemitério, de onde também podem tentar atingir os oponentes.

Vence o jogo a equipe que primeiro “queimar” todos os adversários. A queimada, além da atividade física, é ideal para trabalhar a percepção corporal, criação de estratégias, a valorização do trabalho em equipe e a colaboração como um fator para conseguir alcançar objetivos.

Boca-de-forno

Ótima para despertar a criatividade, está é uma brincadeira muito tradicional e divertida, que pode ser usada em sala de aula para variar,e até mesmo inovar, as atividades do dia a dia.

Para começar, um dos alunos será escolhido como o mestre. Uma das melhores partes, capaz de trabalhar a memória, é o diálogo que dá o start na brincadeira.
O mestre vai dizer “Boca-de-forno”. O restante dos alunos precisa responder: “Forno”. O mestre torna a falar e diz “Tirando o bolo”. Os outros vão responder “Bolo”. De volta ao mestre, ele dirá “Vocês farão tudo que o seu mestre mandar?”. O restante da classe responde: “Faremos!”.

Emendando nessa resposta, o mestre dará uma ordem aos coleguinhas. É aí que entra a criatividade. Quando mais criativa for a ordem, mais divertida será a brincadeira. Para auxiliar neste momento, caso as crianças sejam muito pequenas, o professor pode preparar uma lista com algumas sugestões.

Vale pular de um pé só até um determinado local e voltar, buscar algum brinquedo ou qualquer outra atividade. Quem conseguir cumprir a tarefa primeiro será o próximo mestre.

Quente ou frio

Uma das possibilidades de aprendizado, é em relação a criação de estratégias e melhora do raciocínio das crianças. Pode ser feita até mesmo dentro da sala de aula. Para executar, um aluno ficará de olhos fechados ou de costas, enquanto os demais escondem um objeto.

Depois ele sairá em busca do que foi escondido. Os coleguinhas só poderão dar dicas com as frases “está quente” e “está frio”. Para aumentar a diversão, eles podem usar variações como “está gelado” ou “está pelando”. Assim que ele encontrar o objeto, outra criança assume o posto, enquanto estiverem interessados na brincadeira.

Elefantinho colorido

Como o próprio nome indicada, a brincadeira pode ser usada na hora de ensinar as cores às crianças da educação infantil. Além disso, pode ser um importante instrumento para estimular o desenvolvimento da atenção dos pequenos.

O professor vai escolher qualquer uma das cores, e todos os objetos que estiverem no ambiente vão funcionar como pique. A brincadeira funciona assim: um dos alunos será escolhido para iniciar a brincadeira, ele será chamado de comandante e vai se posicionar na frente dos coleguinha

Para começar a brincadeira, ele dirá “Elefantinho colorido” e os demais vão responder “Que cor?”. O aluno poderá escolher qualquer cor, e os demais terão que sair em busca de objetos com aquela tonalidade para encostar. Se o comandante conseguir encostar em um dos colegas antes de este estar no pique, ele será capturado. Quem ficar por último será o ganhador.

Agacha-agacha

O bom dessa brincadeira, é que ela não tem um vencedor, ou seja, todas as crianças da classe podem participar sem aquela sensação de ter perdido o jogo. Além disso, é ideal para trabalhar agilidade, movimento e equilíbrio.

Para brincar, é preciso ter um espaço um pouco maior que os limites da sala de aula, o ideal é a quadra ou pátio da escola, por exemplo. Um dos alunos será escolhido como o pegador. Todos os outros devem fugir e se agachar. Se o pegador conseguir pegar um coleguinha que está de pé, passará seu posto ele. A brincadeira dura enquanto todos estiverem animados.

Stop

Para os estudantes um pouco maiores, que já aprenderam a escrever, o Stop é uma brincadeira muito interessante, além de divertida. Por meio dela é possível ensinar nomes de cidades, países, carros, frutas, pessoas e tudo mais que a imaginação mandar.

Para brincar, é preciso ter apenas uma folha de papel e lápis ou caneta. A folha será dividida em colunas, com suas respectivas categorias. Vale usar as descritas acima e ainda sugestões dos alunos. O professor vai escolher uma letra e as crianças terão que preencher a tabela usando somente palavras que comecem com aquela letra.

Depois de certo tempo ele dirá “stop!” e os alunos param de escrever na hora. A correção pode ser feita em conjunto. Vence quem fizer a maior pontuação.

Corrida de saco

Esta é uma das que exigem um pouco mais de espaço. Voltada aos alunos com idade a partir de sete anos, pode ser usada em aulas de educação física para desenvolver agilidade, espírito de equipe, equilíbrio e consciência corporal.

A classe será dividida igualmente em equipes e no local da brincadeira será traçada uma linha de partida e outra com aproximadamente 15 passos de distância, será a chegada. Cada equipe terá um saco, é importante que seja resistente.

Posicionados na partida e vestindo o saco, o primeiro aluno vai até a chegada e volta, entregado o saco ao próximo colega da equipe. Vence a brincadeira a equipe que conseguir completar o percurso primeiro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.