Cleptocracia – O que é, Corrupção e Política

A cleptocracia é um termo que se refere a líderes corruptos do governo que desviam fundos públicos para seu próprio benefício político e pessoal.

0

O que é cleptocracia? A cleptocracia é um termo com conotações negativas, usado para definir uma forma de liderança em que altos funcionários do governo usam sua autoridade para desviar fundos públicos para obter lucro pessoal e para solidificar sua proeminência política.

A cleptocracia é frequentemente praticada sob governos autocráticos onde a supervisão externa é praticamente inexistente e, portanto, o desembolso e o uso de fundos públicos são ditados pela liderança da nação. Esses funcionários corruptos do governo usam os fundos destinados ao desenvolvimento do país para ganho pessoal.

Existem numerosos exemplos de governos como esse em todo o mundo, onde a liderança da nação acumulou enormes quantidades de riqueza às custas da maioria dos cidadãos.

As cleptocracias estão intimamente associadas a oligarquias, ditaduras e outros tipos de nepotismo ou regimes autocráticos, onde a supervisão externa é inexistente ou é impossível.

A ausência de monitoramento poderia ser agravada pelos funcionários corruptos que controlam a oferta e os meios de distribuição de recursos públicos. Líderes cleptocráticos tratam os recursos como itens pessoais e os gastam em luxos e extravagâncias, e muitos deles transferem os fundos do país para contas secretas em países estrangeiros.

Narco-Economias

Narcocleptocracia, também conhecida como narco-estados ou narco-economias, são nações onde o dinheiro das drogas comprometeu a integridade do governo através do suborno de altos funcionários do governo.

Os barões da droga forçam o governo a permitir que o comércio ilegal de drogas seja conduzido dentro do país. Alguns países que foram definidos como narco-economias incluem Guiné-Bissau, Panamá, Tajiquistão e Venezuela.

As economias do narcotráfico compartilham muitas características das cleptocracias, uma vez que pouquíssimos indivíduos detêm posições influentes no governo, controlam a maior parte da riqueza do país e prejudicam o país com suas ações.

Efeitos da Cleptocracia

Os fundos desviados pelos regimes cleptocráticos destinam-se à prestação de serviços sociais essenciais, como saúde, educação, alimentação e água. Portanto, a maioria dos cidadãos nesses países vivem em condições deploráveis ​​e carecem de serviços básicos. Apenas alguns indivíduos em posições altas do governo e seus associados se beneficiam de cleptocracias, muitas vezes por meio de atividades corruptas.

As cleptocracias muitas vezes têm uma reputação terrível no cenário internacional e, portanto, carecem de investimentos estrangeiros e, como consequência, enfraquecem o comércio transfronteiriço e o mercado interno. Os líderes cleptocráticos fazem mau uso dos fundos obtidos com o pagamento de impostos e se engajam na lavagem de dinheiro, o que afeta negativamente a qualidade de vida dos cidadãos em todo o país.

Patrimônio líquido de alguns líderes cleptocratas

A Transparency International, uma ONG alemã que tenta combater a corrupção, divulgou em 2004 a lista dos líderes mais corruptos e auto-enriquecedores do mundo e a quantidade de riqueza acumulada em dólares norte-americanos.

No topo da lista, na época, estava Suharto, o ex-presidente da Indonésia, que se estimava ter adquirido riqueza entre US$ 15 bilhões e US$ 35 bilhões. Suharto foi nomeado o líder mundial mais corrupto e fez de seus familiares e amigos os chefes dos monopólios estatais.

O segundo da lista foi o ex-presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos, que acumulou riqueza no valor de US$ 10 bilhões até 1986, o equivalente a US$ 21,6 bilhões em 2014. Marcos era conhecido por governar os regimes mais corruptos e antidemocráticos entre 1966 e 1986.

Em 1972, ele aprovou a lei marcial e fez de sua esposa Imelda uma autoridade que indicaria parentes e amigos para cargos industriais e empregos lucrativos no governo. Ele adotou o capitalismo de compadrio, onde empresas privadas foram apreendidas e entregues a amigos e parentes.

O terceiro da lista foi o ex-presidente do Zaire Mobutu Sese Seko, um déspota e cleptocrata que acumulou riqueza no valor de US$ 5 bilhões. Outros líderes da lista incluem Sani Abacha, o ex-presidente da Nigéria, que roubou a riqueza do país na faixa de US$ 2 bilhões a US$ 5 bilhões.

O ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic acumulou riqueza no valor de US$ 1 bilhão. Jean-Claude Duvalier, o ex-líder do Haiti, também conhecido como Baby Doc, teria roubado entre US$ 300 milhões e US$ 800 milhões.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.