Concordância verbal – Sujeito simples e sujeito composto

A concordância verbal se refere à forma como o verbo se flexiona para se ligar com o sujeito. Confira agora as regras de concordância para sujeito simples e sujeito composto.

0

A concordância verbal acontece quando o verbo se flexiona para concordar com seu sujeito, ou seja, de uma forma harmônica é estabelecida uma relação entre sujeito e verbo.

Com isso conclui-se que quando o sujeito estiver no singular, o verbo também deve estar. Da mesma forma, se o sujeito estiver no plural o verbo também estará. Pode parecer simples, mas muitas dúvidas sobre concordância surgem.

Confira agora as regras de concordância verbal para sujeito simples e sujeito composto.

Regras de concordância para sujeito simples

As regras de concordância para sujeito simples consistem em: sujeito coletivo, coletivos partitivos, nomes próprios, algumas expressões e pronomes relativos. Confira abaixo:

1. Sujeito coletivo

Quando o verbo está no coletivo, o verbo sempre ficará no singular. Por exemplo:

  • multidão passou longe.

Mas, caso o coletivo esteja especificado, o verbo pode ser conjugado no plural ou no singular. Por exemplo:

  • A multidão de turistas passou longe;
  • A multidão de turistas passaram longe.

2. Coletivos partitivos

Nos coletivos partitivos, o verbo pode ser utilizado no plural e no singular. Por exemplo:

  • A maior parte dos banhistas foi embora;
  • A maior parte dos banhistas foram embora.

3. Expressões

Em casos de expressões como: mais de, menos de e cerca de, o verbo concorda com o numeral. Por exemplo:

  • Mais de uma criança preferiu as brincadeiras de ontem;
  • Mais de duas crianças preferiram as brincadeiras de ontem.

Mas, em casos que mais de indica reciprocidade, o verbo é colocado no plural. Por exemplo:

  • Mais de uma criança brincaram juntas.

Na expressão um dos que, o verbo também pode ser conjugado tanto no plural quanto no singular. Por exemplo:

  • Ela foi uma das que mais gostou;
  • Ela foi uma das que mais gostaram.

4. Nomes próprios

A concordância dos nomes próprios vai de acordo com o artigo. Por exemplo:

  • Os Beatles influenciam o mundo musical;
  • Beatles influencia o mundo musical.

5. Pronomes relativos

Com o pronome relativo que, o verbo deve concordar com o antecedente do pronome. Por exemplo:

  • Ele que foi;
  • Eles que foram;
  • Nós que fomos.

Com o pronome relativo quem, o verbo pode concordar com o sujeito antes do pronome ou ser conjugado na terceira pessoa do singular. Por exemplo:

  • Eu quem ganhou;
  • Eu quem ganhei.

Regras de concordância para sujeito composto

As regras de concordância em sujeito composto consistem em: sujeitos formados por sinônimos, por palavras em graduação e numeração, por pessoas gramaticalmente diferentes, verbos impessoais, entre outros. Confira abaixo:

1. Sujeitos formados por sinônimos

Quando o sujeito é formado por sinônimos, o verbo pode ser tanto no plural quanto no singular. Por exemplo:

  • Cansaço e desânimo dominou a sala;
  • Cansaço e desânimo dominaram a sala.

2. Sujeito formado por palavras em graduação e enumeração 

Nesse caso, o verbo pode ser conjugado no plural ou concordar com o núcleo mais próximo. Por exemplo:

  • Um mês de academia não adiantou muito;
  • Um mês de academia não adiantaram muito.

3. Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes

Nesse caso, o verbo vai para o plural, concordando com a pessoa. Isso por ordem de prioridade. Por exemplo:

  • Eu, tu e Manoela só iremos ao amanhecer (Nesse caso, eu, que é a 1ª pessoa do lingular, tem a prioridade. No plural equivale a nós);

4. Sujeitos ligados 

Sujeitos ligados por ou

Os verbos vão para o plural se a ação estiver se referindo a todos os elementos presentes no sujeito. Por exemplo:

  • Bebidas e drogas não são bem vindas.

Mas, quando ou é utilizado como retificação, o verbo vai concordar de acordo com o último elemento. Por exemplo:

  • Ele ou eles que faltaram semana passada?

Porém, quando a ação verbal só é aplicada em um dos elementos, o verbo permanece no singular. Por exemplo:

  • Ele ou ela receberá diversos descontos.

Sujeitos ligados por nem

O verbo vai para o plural. Por exemplo:

  • Nem ele nem ela são bons amigos.

Sujeitos ligados por com

Vão para o plural em casos de ligação semelhante à e. Por exemplo:

  • A Patrícia com suas colegas só chegam às 16h.

Mas, se o com referenciar em companhia de, o verbo irá concordar com o antecedente. Nesse caso, com é escrito entre vírgulas. Por exemplo:

  • Aninha, com todas as suas amigas, decidiu mudar o trabalho.

Sujeitos ligados por “não só, mas também”, “tanto, quanto” e “não só, como”

Nesses casos, o verbo vai concordar com o núcleo mais próximo ou vai para o plural Por exemplo:

  • Tanto Amélia como Ricardo foram comprar roupas novas;
  • Tanto Amélia como Ricardo foi comprar roupas novas.

Sujeitos ligados por “como”, “assim como” e “bem como”

Nesses casos, o verbo fica no plural. Por exemplo:

  • A escola, assim como os colegas de classe, fizeram dela uma pessoa muito comunicativa

5. Partícula “se”

Caso se demonstre sujeito indeterminado, o verbo deve ser conjugado na 3ª pessoa do singular. Por exemplo:

  • Acredita-se na maioria.

Mas, em casos que se seja uma partícula apassivadora, o verbo deve concordar com o sujeito da oração. Por exemplo:

  • Quebrou-se o prato;
  • Quebraram-se os pratos.

6. Verbos impessoais

Em casos de verbos impessoais, os sujeitos devem ser conjugados na 3ª pessoa do singular. Por exemplo:

  • Havia muitas pessoas naquela festa;
  • Houve dois casos de desaparecimento.

7. Sujeitos seguidos por “tudo”, “nada, “ninguém”, “nenhum” e “cada um”

Nesses casos, o verbo fica no singular. Por exemplo:

  • Ninguém convenceu ela a dançar no festival.

8. Locuções “é muito”, “é pouco”, “é mais de” e “é menos de”

Nesses casos, o verbo também ficam no singular. Por exemplo:

  • Duas vezes é pouco.

9. Verbos “dar”, “soar” e “bater” + horas

Nesses casos, o verbo sempre concorda com o sujeito. Por exemplo:

  • Espero a mais de duas horas;
  • Ele disse que seria apenas uma hora de espera.

10. Verbos no infinitivo

Os verbos no infinitivos não são flexionados nos seguintes casos:

Quando têm valor de substantivo 

  • Dormir é a melhor coisa.

Quando têm valor de imperativo

  • Vá comer!

Quando se referem aos verbos principais de uma locução verbal

  • Íamos chegar mais cedo quando você avisou.

Quando regidos por preposição 

  • Iniciamos o debate.

11. Infinitivo pessoal

Quando os sujeitos são diferentes e queremos defini-los, os verbos no infinitivo devem ser flexionados. Por exemplo;

  • Pedi o xadrez para eles jogarem.

Leia também: Sinônimos: O que são, para que servem e quais os tipos

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.