Cortina de Ferro

A "Cortina de Ferro" era uma expressão usada para descrever a divisão da Europa. Era a separação entre os estados capitalistas e comunistas.

0

A “Cortina de Ferro” era uma expressão usada para descrever a divisão física, ideológica e militar da Europa. Era a divisão entre os estados capitalistas ocidentais e meridionais e as nações comunistas dominadas pelos soviéticos durante a Guerra Fria.

As democracias ocidentais e a União Soviética haviam lutado como aliados durante a Segunda Guerra Mundial. Mesmo antes de a paz ter sido alcançada, eles estavam tratando um ao outro com cautela e desconfiança.

Os EUA, o Reino Unido e as forças aliadas haviam libertado vastas áreas da Europa. Eles estavam decididos a transformá-las em democracias. Enquanto isso, a URSS também havia ocupado grandes áreas da Europa (oriental). Eles decidiram criar estados fantoches soviéticos para criar uma zona intermediária, e não uma democracia.

Discurso de Churchill

O termo “Cortina de Ferro” se refere à natureza dura e impenetrável da divisão. Foi popularizado por Winston Churchill em seu discurso de 5 de março de 1946. Ele declarou:

De Stettin no Báltico a Trieste no Adriático, uma cortina de ferro desceu pelo continente. Por trás dessa linha estão todas as capitais dos antigos estados da Europa Central e Oriental. Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapeste, Belgrado, Bucareste e Sofia.

Todas estas cidades famosas e as populações à sua volta estão no que devo chamar de esfera soviética. Todas estão sujeitas, de uma forma ou de outra, não apenas à influência soviética, mas a um nível muito elevado do controle de Moscou“.

Churchill já havia usado o termo em dois telegramas para o presidente americano Truman.

Mais velho do que pensamos

No entanto, o termo, que remonta ao século XIX, foi provavelmente usado pela primeira vez em relação à Rússia por Vassily Rozanov em 1918. Ele escreveu: “uma cortina de ferro está descendo a história russa”.

Também foi usado por Ethel Snowden em 1920 em um livro chamado “Through Bolshevik Russia”. Além disso foi usado durante a Segunda Guerra Mundial por Joseph Goebbels e o político alemão Lutz Schwerin von Krosigk, ambos em propaganda.

A Guerra Fria

Muitos comentaristas ocidentais foram inicialmente hostis à descrição, pois ainda viam a Rússia como aliada da guerra. Entretanto, o termo tornou-se sinônimo das divisões da Guerra Fria na Europa, assim como o Muro de Berlim tornou-se o símbolo físico dessa divisão.

Ambos os lados fizeram tentativas de mover a Cortina de Ferro para um lado e para o outro, mas a guerra “quente” nunca estourou. A cortina foi fechada com o fim da Guerra Fria no final do século XX.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.