Crise de Suez

A crise de Suez foi a invasão de Israel, Reino Unido e França ao Egito em 1956.

0

A Crise de Suez, também conhecida como Guerra do Sinai ou Operação de Kadesh, foi a invasão do Egito por Israel, Reino Unido e França no final de 1956 com o objetivo de ganhar o controle do Canal de Suez e derrubar Gamel Abdel Nasser, presidente egípcio.

No entanto, a pressão política dos EUA, da ONU e da União Soviética obrigou os três invasores a retirar-se, causando humilhação à Grã-Bretanha e à França e ao fortalecimento do presidente Nasser.

Os três países atingiram alguns objetivos militares, mas o Canal de Suez foi fechado por seis meses, de outubro de 1956 a março de 1957, com a ONU formando forças de paz da UNEF para monitorar a fronteira egípcia-israelense.

História

O Canal do Suez foi inaugurado em 1869 após a conclusão da sua construção, que foi financiada conjuntamente pelos governos francês e egípcio. Foi gerido e operado pela Companhia Universal do Canal Marítimo de Suez, permanecendo a área circundante um território egípcio.

Canal do Suez
Canal do Suez

A estrutura aumentou o comércio entre os países e ajudou as potências coloniais europeias a controlarem suas colônias. Em 1875, o Egito destinou 44% de sua parcela do canal para os britânicos, com os franceses mantendo a maioria das ações.

Quando o Reino Unido invadiu o Egito em 1882, eles assumiram o controle do país, incluindo o canal propriamente dito. O canal foi declarado zona neutra em 1888 durante a Convenção de Constantinopla. O canal foi estrategicamente importante durante a Primeira e Segunda Guerras Mundiais como rota de embarque.

Depois da Segunda Guerra Mundial os britânicos consolidaram e fortaleceram sua posição no Suez. O canal tornou-se uma fonte de crescente tensão na relação anglo-egípcia. Em 1951, o Egito anulou o Tratado Anglo-Egípcio de 1936, que concedeu aos britânicos um arrendamento no canal por 20 anos. No entanto, os britânicos se recusaram a se retirar, levando a um golpe militar em 25 de julho de 1952, que estabeleceu o Egito como uma república.

A disputa

O Egito submeteu cargas e remessas que iam para Israel a processos de busca e apreensão ao passar pelo Canal de Suez. Em 1951, o Conselho de Segurança da ONU interferiu no Egito para acabar com as restrições e cessar todo o atrito com esse transporte.

Em 1954, Nasser patrocinou ataques a Israel, desencadeando uma série de operações de represália. Ele também buscou políticas que frustrassem o objetivo britânico no Oriente Médio, aumentando assim a hostilidade entre o Egito e a Grã-Bretanha.

Em julho de 1956, Nasser nacionalizou o Canal de Suez, congelou todos os ativos da Companhia do Canal de Suez e fechou o canal para a navegação israelense. Os britânicos decidiram intervir militarmente para recuperar o controle do canal. A ação de Nasser também enfureceu o governo francês, que também decidiu pela intervenção militar.

A invasão

O planejamento militar israelense para a operação concentrou-se em capturar a cidade de Sharm el-Sheikh, que lhes permitiria ter acesso ao Mar Vermelho. A Faixa de Gaza também era um alvo, já que era o campo de treinamento do grupo Fedayeen.

A Força Aérea Israelense iniciou o conflito em 26 de outubro de 1956, às 15h00, com uma série de ataques ao Sinai. As forças egípcias montaram uma defesa vigorosa, mas foram dominadas no primeiro dia, relatando uma baixa de 260 pessoas.

Em 30 de outubro de 1956, a Marinha egípcia despachou seu navio de guerra para Haifa. No entanto, o navio foi dominado pelas forças israelenses, que danificaram o motor da embarcação. Em 31 de outubro, as forças britânicas se juntaram à guerra no norte do Mar Vermelho. A guerra se intensificaria nos próximos cinco dias com a França também participando da guerra.

Consequências

O número de vítimas é estimado em mais de 3000, com o Egito relatando as maiores percas. Britânicos registraram 16 mortes e 96 feridos, enquanto as baixas francesas incluíram dez mortos e 33 feridos. Israel registrou 231 mortes e 900 feridos, enquanto as vítimas egípcias incluíram 100-3000 mortes e 4000 feridos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.