Veja quem são os chamados “dedos-duros” no Imposto de Renda

Atenção para não cair na malha fina, a Receita Federal está atenta a possíveis omissões e fraudes nas declarações de IR.

O prazo para entrega do Imposto de Renda (IR) declarado é até o dia 31 de maio. Desse modo, os contribuintes devem estar atentos a todas as informações registradas na Receita Federal. Se houver algum documento faltando, os cidadãos podem cair em uma malha fina. Principalmente quando a Receita Federal cruza dados recebidos também pelas empresas. A seguir, veja a lista dos principais “dedos-duros” do IR.

Leia mais: Você sabia? Aposentados têm direito à dupla isenção no Imposto de Renda

Fatores principais de acusação de erro no Imposto de Renda

  • Dependentes

A Receita Federal agora obriga a inclusão do CPF do dependente na declaração. O objetivo da mudança é evitar que os dependentes sejam cadastrados em mais de um documento ao mesmo tempo, além disso, também serve para facilitar o acompanhamento dos rendimentos que os dependentes podem receber.

  • Corretoras

Ao negociar ações e outros ativos de renda variável, o próprio contribuinte deve ser tributado sobre os lucros obtidos na transação. Esse imposto, até conhecido como “dedo-duro”, permite que a fiscalização rastreie as empresas que precisam pagar impostos.

  • Serviços de saúde (convênios médicos e hospitais)

As despesas médicas são dedutíveis em todos os aspectos para o imposto de renda, não têm limite, portanto, essas despesas também são amplamente utilizadas pelos contribuintes que tentam ludibriar o sistema.

  • Todas as instituições financeiras (bancos e afins)

Todo tipo de instituição financeira envia o DIMOF (Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira) para a Receita Federal sempre que o cliente realizar uma movimentação superior a 5 mil reais em um semestre.

  • Empresas

Os empregadores devem apresentar até fevereiro de cada ano uma DIRF (Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte), que fornece detalhes de tudo que foi pago e são tributáveis aos funcionários no ano anterior à declaração.

O que fazer quando sua declaração incorre em erro?

Ao constatar discrepâncias entre as informações feitas pelo contribuinte com a base de dados, a Receita Federal notifica o que está incorreto e quais são as pendências que devem ser esclarecidas por meio de seu sistema de atendimento eletrônico (e-CAC).

Os contribuintes devem acessar a plataforma para acompanhar se suas declarações foram processadas. Caso ele seja notificado de uma inconsistência e perceba que errou na declaração, o erro pode ser corrigido com o envio de declaração retificadora do IR, o que é feito no programa da declaração original.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More