Guerra do Vietnã – resumo, causas e principais fatos

Saiba o que foi a Guerra do Vietnã, quais foram as causas para o conflito, os países envolvidos, quem foram os vietcongues e como terminou.

0

O contexto da Guerra Fria marcou a disputa ideológica entre o socialismo, majoritariamente representado pela União Soviética, e o capitalismo, tendo como principal líder os Estados Unidos. O nome “Guerra Fria” foi dado por ser uma disputa sumariamente ideológica. O que não significa, entretanto, não compreender conflitos militares entre seus países.

O exemplo mais simbólico é a Guerra do Vietnã, considerado como a mais longa e sangrenta desde o final da Segunda Guerra Mundial. O enfrentamento militar entre capitalistas e socialistas envolveu os Vietnãs do Norte e do Sul, além de boa parte do Sudeste Asiático.

Porém, a participação mais efetiva foi de vietnamitas e Estados Unidos que enviaram suas tropas à região em 1964. Após duas décadas de conflitos (1955-1975), o saldo assustador de mortos e feridos, mostra o verdadeiro massacre compreendido pela Guerra do Vietnã que, também, deixou consideráveis danos econômicos às nações envolvidas.

O que foi a Guerra do Vietnã?

A Guerra do Vietnã foi o enfrentamento bélico entre Vietnã do Norte e do Sul ocorrido entre os anos de 1955 e 1975. Apesar de, no início, compreenderem apenas os dois países, mais tarde, propagou-se para o território do Sudeste Asiático, envolvendo Laos e Camboja.

Por envolver nações de cunho ideológico diferente, a Guerra do Vietnã foi conhecida como guerra de procuração da Guerra Fria. Além disso, havia questões referentes à unificação do país dividido após a Guerra da Indochina.

Enquanto o Vietnã do Norte, comunista, queria unificar o território, os Estados Unidos lutavam para evitar que o Vietnã do Sul se tornasse mais uma nação socialista. A estratégia fazia parte da teoria do dominó e, também, de uma política de contenção abrangente que tinha como principal objetivo conter o avanço do comunismo pelo mundo.

Guerra do Vietnã – contexto histórico

Para compreendermos as questões da Guerra do Vietnã, precisamos recorrer ao período da Guerra da Indochina, travada entre 1946 e 1954. Os combates foram iniciados pela luta pela independência do Vietnã e o domínio do francês na Indochina desde o século XVIII. Antes disso, em 1930, foi criada a Liga para a Independência do Vietnã liderada por Ho Chi Minh.

Após oito anos de conflitos na Guerra da Indochina, os franceses reconheceram a independência do Vietnã em 1954, bem como do Laos e Camboja. Ao fim dos conflitos, o Vietnã acabou dividido entre Vietnã do Sul e do Norte. Um plebiscito para decidir a unificação do país foi marcado para 1956 do qual os comunistas sairiam vitoriosos.

A parte norte era comandada por Ho Chi Minh e possuía forte orientação socialista sendo, então, apoiada pela União Soviética. O sul, por sua vez, era uma ditadura militar apoiada pelos Estados Unidos possuindo, assim, tendência capitalista. Em 1955, os EUA apoiaram um golpe militar no norte, provocando uma guerra civil.

Como foi a Guerra do Vietnã?

No final da década de 50, as divergências políticas e ideológica das duas porções vietnamitas chegaram ao ponto de tensão extrema. Foi então que, em 1959, guerrilheiros comunistas conhecidos como vietcongues atacaram uma base americana localizada no Vietnã do Sul. Começava, aí, a Guerra do Vietnã.

O Vietnã do Sul tinha o apoio dos Estados Unidos, Coreia do Sul, Austrália, Tailândia, e outras nações anticomunistas. O Vietnã do Norte, por sua vez, era aliado da União Soviética, China e outras nações comunistas.

Até 1964, os conflitos ficaram restritos aos países localizados no Sudeste Asiático mas, neste ano, os Estados Unidos decidiram intervir enviando tropas e armamentos. A questão é que os americanos não conheciam o território de matas fechada e chuvoso característico do Vietnã.

Guerra do Vietnã - Helicóptero americano
Helicóptero americano

Outra dificuldade enfrentada por eles esteve nas táticas de guerrilha utilizadas pelos vietcongues enquanto os americanos seguiam no uso de armamentos modernos, helicópteros e outros recursos de última geração para a época.

Apesar de todo o aparato tecnológico, os Estados Unidos estavam em clara desvantagem frente à experiência dos guerrilheiros. Como se não bastasse, os vietcongues invadiram o Vietnã do Sul, tomando a Embaixada norte-americana em Saigon. Começou, aí, o momento mais violento da guerra a partir da resposta por parte dos países atacados.

O ponto alto da guerra foi, justamente, a incursão do Norte contra o Sul, quando mais de trinta cidades foram atacadas de forma simultânea. Conhecida como Ofensiva de Tet, a ofensiva foi um dos maiores baques sofridos pelos EUA cujo contingente no Vietnã chegava a 500 mil soldados.

A violência extrema representada pelos conflitos geraram protestos do outro lado do mundo. Nos Estados Unidos, grupos pacifistas, jovens e a própria população saíram às ruas para pedir a saída do país da guerra e, consequentemente, o retorno das tropas. Para corroborar com os pedidos, o triste saldo dos milhares de norte-americanos mortos no Vietnã.

Em meio às cenas violentas televisionadas no mundo inteiro, sem o apoio popular e derrotas sucessivas em território inimigo, os Estados Unidos decidiram aceitar o Acordo de Paris. O cessar-fogo foi confirmado em 1973 mas, as tropas norte-americanas só se retiraram, em definitivo, em 1975, dando a vitória ao Vietnã do Norte.

Guerra do Vietnã – consequências

As consequências da Guerra do Vietnã foram proporcionais à violência de seus combates. O saldo foi acima de 1 milhão de mortos, tanto civis quanto militares, e mais de 2 milhões de mutilados e feridos. Os conflitos arrasaram com povoados, casas e campos cultivados trazendo, então, prejuízos econômicos graves ao Vietnã.

Em números, a Guerra do Vietnã recebeu mais de 2,5 milhões de soldados americanos e, no cessar fogo, mais de 700 mil sul vietnamitas enfrentavam cerca de 1 milhão de soldados do norte. A estimativa é de que mais de 58 mil soldados americanos tenham sido mortos e, pelo menos, 1,1 milhão de vietnamitas. As baixas, também, envolveram outros países ligados ao conflitos – a Coreia do Sul, por exemplo, perdeu mais de 4 mil soldados.

Em tempo, o país foi unificado em 02 de julho de 1976, ainda sob o regime comunista apoiado pela União Soviética. O país pediu, ainda que sem sucesso, compensação às vítimas do agente laranja, substância química jogadas pelos EUA para destruir plantações e florestas na tentativa de desalojar inimigos.

A questão é que o elemento causou consequências graves à população, como malformação de crianças e contaminação. Os efeitos são sentidos pelo país até os dias atuais. Com o final da guerra, mais de 1 milhão de imigrantes saíram em barcos entre 1975 e 1989. A maior parte deles se estabeleceu nos EUA.

As relações entre Estados Unidos e Vietnã foram restabelecidas em 1995 com amplo acordo anunciado em 2013. No ano seguinte, um montante de USD 35 bilhões foi movimentado graças ao comércio bilateral.

Guerra do Vietnã – cobertura da mídia

A Guerra do Vietnã foi um dos conflitos mais televisionados da história, contando com relatos e imagens de ataques químicos, além da construção e confinamento de prisioneiros em campos de concentração. O massacre indiscriminado de civis, também foi largamente exposto pela mídia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.