Guerra dos Emboabas (1707 – 1709) – Resumo, o que foi e consequências

Veja todos os detalhes de um dos conflitos que marcaram o Brasil durante o período colonial: objetivos, características, líderes e mais.

0

A Guerra dos Emboabas foi um conflito que aconteceu no século XVII, mais precisamente entre 1707 e 1709. Portanto, enquanto o Brasil ainda era uma colônia de Portugal. A disputa armada aconteceu em função da disputa pela exploração do outro recém descoberto pelos paulistas, na região de Minas Gerais.

Uma curiosidade a respeito do nome “emboaba” é que inicialmente ele era usado por indígenas para descrever aves que tinham penas até nos pés. Depois, foi usado de forma pejorativa para denominar os forasteiros que usavam botas. Os emboabas foram um grupo composto majoritariamente por portugueses, seguidos de migrantes de outros locais do território.

Contexto histórico e conflito

Em 1707, ainda no contexto do Brasil colonial, a descoberta de jazidas na região onde hoje está Minas Gerais provocou uma série de mudanças na configuração do país. Milhares de pessoas, atraídas pela possibilidade de enriquecer da noite para o dia se deslocaram para a região das minas.

Responsáveis por descobrir o ouro, os bandeirantes paulistas, obviamente, pretendiam ser os detentores de toda a exploração da nova fonte de riqueza, ainda mais, levando em consideração que as minas estavam localizadas no território habitado por eles. Liderados por Manoel de Borba Gato, que era o guarda-mor das minas, eles reivindicaram a exclusividade da exploração das jazidas de ouro.

Por outro lado, os emboabas, sob a liderança do português Manuel Nunes Viana, que era um comerciante afortunado, colocaram a liderança dos bandeirantes em cheque e acabaram derrotando-os.

Os forasteiros se instalaram em comunidades dentro do território que era habitado pelos paulistas. Por meio destes locais, frequentemente vigiavam todas as ações dos bandeirantes. O líder organizou diversas expedições com o intuito de fragilizar a resistência paulista.

Em 1708 os emboabas atacaram os paulistas no território de Cachoeira do Campo, na Capitania de Minas Gerais. Os bandeirantes foram expulsos do local e perderam o controle de dois dos três principais locais de exploração aurífera.

Ao longo dos dois anos foram registrados uma série de conflitos, sendo que o mais expressivo deles foi aquele que ficou conhecido como “Capão da Traição”. Só neste episódio os portugueses, sempre com o objetivo de afirmarem a soberania enquanto colonizadores, mataram mais de 300 bandeirantes paulistas.

Depois de sucessivas derrotas para os emboabas e encurralados na região do Rio das Mortes, os paulistas viram Manuel Nunes Viana ser proclamado o governador da região das minas. Este ato, inclusive, em afronta a Coroa, que era a detentora de todas as escolas em relação à colônia.

Bento do Amaral Coutinho foi encarregado pelos emboabas de expulsar os paulistas que ainda estavam no território. Estes, por sua vez, não emplacaram qualquer tipo de resistência.

Foi em 1709 que a Coroa decretou a separação das capitanias de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Por conta da intervenção de Portugal, em conjunto com o governador do Rio de Janeiro, Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, Nunes Viana foi derrubado de seu posto e expulso do local das minas.

Guerra dos emboabas - Mapa após a guerra
Guerra dos emboabas – Mapa após a guerra

O emboaba se refugiou em sua fazenda, localizada nas proximidades do rio São Francisco, e os conflitos finalmente chegaram ao fim.

Principais consequências da Guerra dos Emboabas

A Guerra dos Emboabas chegou ao fim em 1709, com a derrota dos bandeirantes paulistas. Abaixo, estão listadas algumas entre as principais consequências do conflito:

  • A exploração do ouro em Minas Gerais foi assumida pela Coroa, colocando fim a todos os conflitos;
  • Por conta disso, foi instituída uma série de impostos sobre a extração de todo o ouro, a exemplo do quinto e da derrama. Os impostos eram cobrados por meio das Casas de Fundição;
  • Divisão das capitanias de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro;
  • Derrotados, os bandeirantes paulistas migraram para outras regiões, principalmente Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Nestes locais, descobriram outras minas de ouro;
  • A distribuição dos lotes para a mineração entre paulistas e emboabas foi regulamentada, os terrenos ficaram conhecidos como lavras.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.