Guerra Psicológica – Definição, Características e Influência

Guerra psicológica é o uso tático e planejado de propaganda, ameaças e outras técnicas não-combatentes. É realizada durante diversos conflitos.

0

Guerra psicológica é o uso tático e planejado de propaganda, ameaças e outras técnicas não-combatentes. É realizada durante guerras, ameaças de guerra ou períodos de agitação geopolítica. Seu principal objetivo é enganar, intimidar, desmoralizar ou influenciar o pensamento e comportamento de um inimigo.

CIA

Enquanto todas as nações o empregam, a Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) lista os objetivos táticos da guerra psicológica (PSYWAR) ou operações psicológicas (PSYOP) como:

  • Ajudar a superar a vontade de um inimigo de lutar.
  • Sustentar a moral e ganhar a aliança de grupos amigos em países ocupados pelo inimigo.
  • Influenciar a moral e as atitudes das pessoas em países amigos e neutros em relação aos Estados Unidos.

Preparação

Para alcançar seus objetivos, os planejadores de campanhas de guerra psicológica usar certos artifícios. Primeiro tentam obter conhecimento total das crenças, gostos e desgostos. Além disso analisam as forças, fraquezas e vulnerabilidades da população-alvo.

De acordo com a CIA, saber o que motiva o alvo é a chave para uma guerra psicológica de sucesso.

Uma guerra da mente

Como um esforço não letal para capturar “corações e mentes”. É dessa maneira que a guerra psicológica tipicamente emprega a propaganda. Ela tem como meta influenciar os valores, crenças, emoções, raciocínio, motivos ou comportamento de seus alvos.

Os alvos de tais campanhas de propaganda podem incluir governos, organizações políticas, grupos de defesa, militares e civis.

Disseminação

A guerra psisicológica pode ser disseminada de qualquer uma ou de várias maneiras:

  • Comunicação verbal face a face.
  • Mídia audiovisual, como televisão e cinema.
  • Mídia de áudio, incluindo transmissões de rádio de ondas curtas.
  • Mídia puramente visual, como folhetos, jornais, livros, revistas ou pôsteres.

Mais importante do que como essas armas de propaganda são entregues é a mensagem que transmitem. Também é observado como e quão bem elas influenciam ou persuadem o público-alvo.

Três Tons de Propaganda

Em seu livro de 1949, “Psychological Warfare Against Nazi Germany”, o ex-agente da OSS (agora CIA), Daniel Lerner, detalha a campanha da Segunda Guerra Mundial dos Estados Unidos. Lerner separa a propaganda de guerra psicológica em três categorias:

  • Propaganda Branca: A informação é verdadeira e apenas moderadamente tendenciosa. A fonte da informação é citada.
  • Propaganda cinzenta: A informação é na maior parte verdadeira e não contém nenhuma informação que possa ser refutada. No entanto, nenhuma fonte é citada.
  • Propaganda negra: Literalmente “notícias falsas”, a informação é falsa ou enganosa e é atribuída a fontes não responsáveis ​​por sua criação.

Embora as campanhas de propaganda em cinza e negra geralmente tenham o impacto mais imediato, elas também representam o maior risco. Mais cedo ou mais tarde, a população-alvo identifica a informação como falsa, desacreditando na fonte.

Como Lerner escreveu: “A credibilidade é uma condição de persuasão. Antes que você possa fazer um homem fazer o que diz, você deve fazê-lo acreditar no que diz”.

Guerra psicológica na batalha

No campo de batalha real, a guerra psicológica é usada para obter confissões, informações, rendição ou deserção. Ela quebra a moral dos combatentes inimigos.

Algumas táticas típicas no campo de batalha incluem:

  • Distribuição de panfletos incentivando o inimigo a se render. Instruções sobre como se entregar com segurança.
  • Imagens chocantes de um ataque massivo com tropas ou armas tecnologicamente avançadas.
  • Privação do sono através da projeção contínua de música alta ou sons contra os inimigos.
  • A ameaça, real ou imaginária, do uso de armas químicas ou biológicas.
  • Estações de rádio criadas para transmitir propaganda.
  • Uso aleatório de snipers, armadilhas e dispositivos explosivos improvisados ​​(IEDs).
  • Ataques ou operações destinados a convencer o inimigo de que foram realizados por outras nações ou grupos.

Em todos os casos, o objetivo da guerra psicológica no campo de batalha é destruir o moral do inimigo levando-os a se render ou a desertar.

História

A guerra psicológica é tão antiga quanto a própria guerra. As poderosas legiões romanas batiam ritmicamente suas espadas contra seus escudos para empregar uma tática de choque e espanto destinada a induzir o terror em seus oponentes.

Na batalha de Peluseium, em 525 aC, as forças persas mantinham os gatos como reféns. Isso occorria a fim de obter uma vantagem psicológica sobre os egípcios. Devido às suas crenças religiosas, eles se recusavam a prejudicar os gatos.

Para fazer com que o número de suas tropas parecesse maior do que realmente eram, o líder do Império Mongol do século XIV, Genghis Khan, ordenou que cada soldado carregasse três tochas acesas à noite.

Os exércitos mongóis catapultavam cabeças humanas sobre as muralhas das aldeias inimigas. O objetivo era assustar os moradores.

Guerra Psicológica Moderna

Táticas modernas de guerra psicológica foram usadas pela primeira vez durante a Primeira Guerra Mundial. Os avanços tecnológicos na mídia eletrônica e impressa facilitaram aos governos a distribuição de propaganda através de jornais de grande circulação.

No campo de batalha, os avanços na aviação tornaram possível deixar panfletos por trás das linhas inimigas. Postais caíam sobre trincheiras alemãs, feitos por pilotos britânicos com notas supostamente manuscritas de prisioneiros alemães exaltando o tratamento humano de seus captores britânicos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Eixo e os Aliados usaram regularmente essas táticas. A ascensão de Adolf Hitler ao poder na Alemanha foi impulsionada em grande parte pela propaganda destinada a desacreditar seus adversários políticos.

Seus discursos furiosos geraram orgulho nacional ao mesmo tempo em que convenceram o povo a culpar os outros pelos problemas econômicos infligidos pela Alemanha.

O uso de transmissão de rádio atingiu seu pico na Segunda Guerra Mundial. A famosa “Tokyo Rose” do Japão transmitiu música com informações falsas das vitórias militares japonesas para desencorajar as forças aliadas. A Alemanha empregou táticas semelhantes através das transmissões de rádio intitulada “Axis Sally”.

No entanto, talvez a tática mais impactante da Segunda Guerra Mundial, seja a dos comandantes americanos orquestrando o “vazamento” de falsas ordens levando o alto comando alemão a acreditar que a invasão aliada do Dia D seria nas praias de Calais, ao invés da Normandia, na França.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.