Imperialismo e Neocolonialismo – Resumo, diferença, conceitos e fatos históricos

Entenda o que é o imperialismo e neocolonialismo, as principais características, o contexto histórico e as principais potências mundiais.

0

O colonialismo é o nome dado à política estabelecida nos séculos XV e XVI, em decorrência das grandes navegações. Nesse período, países europeus, então denominados metrópoles, atravessaram oceanos em suas esquadras e chegaram aos continentes americano, africano e asiático, firmando as chamadas colônias.

Nelas, exerceram exploração política e econômica, impondo sua autoridade inclusive cultural. As principais metrópoles européias foram Inglaterra, França, Holanda, Portugal e Espanha. Anos mais tarde, esse modelo econômico ganhou nova roupagem com o advento das transformações oriundas da industrialização.

Agora sob o título de imperialismo e, mais tarde, neocolonialismo, Inglaterra, Estados Unidos, China e outras potências mundiais exercem seu poder militar, econômico, político e cultural sobre países de menor desenvolvimento. Mudam os nomes, permanecem as práticas, cujos conceitos conheceremos melhor a partir de agora.

O que é Imperialismo ou Neocolonialismo?

O Imperialismo pode ser conceituado pelo conjunto de intervenções políticas, econômicas e culturais por países europeus, Japão e Estados Unidos sobre países da África, Ásia e Oceania. A exploração garantia territórios estratégicos que forneciam recursos naturais, matéria-prima, mão de obra e consumidores.

O Imperialismo é a fase na qual o capitalismo adquire nuances tecnológicas graças à industrialização. Ávidas por maior lucro, as potências industriais europeias expandem seus mercados em busca de matéria-prima barata e mercado consumidor. A partir daí, o capitalismo torna-se mais abrangente e se destaca a atuação dos bancos e multinacionais.

Existem dois pontos primordiais na caracterização do Imperialismo – o capitalismo oligopolista e o capitalismo monopolista. Vemos aqui a ação das empresas que exercem a concentração econômica, ou seja, detém a maior parte do mercado. Quanto aos bancos, esses agem no fornecimento de empréstimos e endividamento dos financiados.

O Neocolonialismo surge como um desdobramento deste contexto e, desse modo, configura uma parte do conceito mais amplo do Imperialismo. A prática aparece como um desdobramento do capitalismo moderno, quando as potências europeias saem em busca de mercado consumidor e matérias-primas, além de investimento na Ásia, África e Oceania.

E quando tudo isso começou? O Imperialismo e, como consequência, o Neocolonialismo, armaram-se de forma mais agressiva a partir da Segunda Revolução Industrial, entre 1850 e 1945. Nessa fase, a humanidade conheceu grandes invenções, como o telégrafo, telefone, automóvel, siderurgia, barcos movidos a hélice e motores elétricos de combustão.

A maior parte das potências na época estavam concentradas na Europa, representadas por Inglaterra, Alemanha, França, Itália e Bélgica. Na América, despontava a influência econômica dos Estados Unidos, dotados de um intenso desenvolvimento industrial. O interesse era formar seus impérios econômicos sobre o maior mercado possível.

Se no colonialismo antigo, o pretexto era propagar o Cristianismo, no Neocolonialismo o intuito era o reconhecimento industrial internacional. Por isso, os países acima citados rumaram à Ásia, África e Oceania, chegando ao ponto de dividir seus territórios entre si, desconsiderando os limites originalmente estabelecidos pelos nativos.

O fato é que a industrialização acirrou a concorrência entre os países. Outra concorrência foi a necessidade de crédito e sustentação financeira, integrando o capital e suas instituições (bolsa de valores e bancos) às indústrias. O objetivo era estruturar a economia mundial que adquiria caráter cada vez mais complexo.

É importante mencionar que o processo imperialista não se deu de forma pacífica. As próprias nações envolvidas tinham intenções conflitantes, tendo como resultado confrontos de ordem política, econômica e militar. Nas regiões conquistadas, tribos e vilas inteiras foram devastadas ou fundidas, desrespeitando suas raízes históricas.

O Imperialismo chegou ao fim, da maneira como se sustentou por décadas, no início do século XX. Nesse momento, as tensões nacionalistas geradas pelo protecionismo e competições ganharam nuances mais destacáveis. Um dos principais exemplos é a eclosão da Primeira Guerra Mundial.

Tabela de diferenças entre Colonialismo e Imperialismo
Tabela de diferenças entre Colonialismo e Imperialismo

Imperialismo na África e Ásia

A neocolonização africana foi fortalecida entre novembro de 1884 e fevereiro de 1885, após o Congresso de Berlim. O encontro reuniu países europeus imperialistas no intuito de regulamentar a exploração no continente. Os territórios foram repartido, desconsiderando limites culturais e diferenças étnicas entre os povos.

Na Ásia, o ápice do imperialismo com caráter neocolonial deu-se após a Guerra do Ópio, um conflito entre ingleses e chineses entre 1840 e 1842. As tropas chinesas foram derrotadas pelas britânicas, obrigando-as a abrir seus limites e portos para a entrada e exploração econômica do Reino Unido.

A dominação inglesa sobre a China só chegou ao fim em 1949, ano da revolução comunista no país asiático.

O que foi o Tratado de Nanquim

O Tratado de Nanquim foi o acordo assinado entre China e Reino Unido após a Guerra do Ópio. As cláusulas favoreciam integralmente a exploração comercial inglesa. O tratado foi assinado em 29 de agosto de 1842 e, entre suas cláusulas, duas tinham potencial destaque, sendo elas:

  • Artigo 2º – Determinava a abertura de cinco cidades chinesas – Cantão, Fuzhou, Xiamen, Ningbo e Xangai – para a moradia de súditos britânicos, além da abertura de tratados nessas mesmas cartas.
  • Artigo 3º – A possessão de Hong Kong por tempo indeterminado pela rainha Vitória e seus sucessores.

O Neocolonialismo norte-americano

Os Estados Unidos, já por volta do século XIX, colonizava países latino-americanos e identificou a importância exercida por Cuba. A fim de bloquear essa influência, tropas invadiram a ilha, até então uma colônia espanhola. Mais tarde, já em 1898, o expansionismo da nova potência chegou às Filipinas, mais uma vez expulsando os espanhóis.

Processo de descolonização no século XX

As colônias asiáticas e europeias iniciaram seu processo de independência no século XX, mas ainda persistem dificuldades econômicas e políticas, além dos conflitos étnicos. A divisão territorial imposta pelas nações imperialistas deixou como heranças consequências desastrosas em virtude do desrespeito às diferenças culturais dos povos conquistados.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.