Império Inca

O Império Inca foi um vasto império que floresceu na região andina da América do Sul.

0

O Império Inca foi um vasto império que floresceu na região andina da América do Sul. Ele prosperou desde o início do século XV até sua conquista pelos espanhóis na década de 1530. Mesmo após a conquista, os líderes incas continuaram a resistir aos espanhóis até 1572, quando sua última cidade, Vilcabamba, foi capturada.

Os Incas construíram seu império, chamado Tawantinsuyu ou a “Terra dos Quatro Cantos”. O império se estendia da atual Argentina até o sul da Colômbia. Ele era dividido em quatro “suyu”, que se cruzaram na capital, Cuzco. Estes suyu, por sua vez, foram divididos em províncias.

Machu Picchu fica situada entre a Cordilheira dos Andes do Peru moderno e a bacia amazônica. É um dos mais famosos sítios arqueológicos sobreviventes do povo Inca.

Esta cidade antiga de tirar o fôlego, é composta por cerca de 200 estruturas construídas nas montanhas. Ela ainda é em grande parte misteriosa. Arqueólogos não sabem que propósito muitas das estruturas serviram.

Suas intrincadas estradas, sistemas de trilhas, canais de irrigação e áreas agrícolas sugerem que os humanos usaram o local por um longo tempo, de acordo com a UNESCO.

Origens Inca e Expansão

Acredita-se que o Império Inca tenha se originado na cidade de Cuzco, no que hoje é o sul do Peru.

Em alguns contos míticos, o povo Inca foi criado pelo deus do sol, Inti. A civilização teria surgido quando o deus enviou seu filho, Manco Capac para a Terra.

Diz a lenda que ele matou seus irmãos e depois levou suas irmãs para um vale perto de Cuzco, onde se estabeleceram por volta de 1200 dC, de acordo com o portal History.

Cuzco estava localizada em um ponto de ligação entre dois impérios anteriores, um chamado Wari e outro baseado na cidade de Tiwanaku.

De acordo com o livro de TK McEwan, ‘The Incas: New Perspectives’, uma das principais razões pelas quais os incas conseguiram expandir-se foi porque eles aproveitaram infraestruturas de impérios precedentes.

A expansão do Império Inca começou na época em que o quarto imperador, Mayta Capac, tomou posse, mas não ganhou ímpeto até o reinado do oitavo imperador, Viracocha Inca. Viracocha começou a prática de deixar para trás guarnições militares em terras para manter a paz.

No entanto, a história oral Inca registrada pelos espanhóis, sugere que a expansão começou durante o reinado do imperador Pachacuti, filho de Viracocha Inca, que reinou de 1438 a 1471.

Pachacuti tornou-se imperador depois que ele parou uma invasão de Cuzco que estava sendo realizada por um grupo rival chamado Chancas. A invasão levou seu pai a um posto militar. Posteriormente, Pachacuti trabalhou para expandir o território que os incas controlavam, estendendo sua influência para além da região de Cuzco.

Os Incas trabalharam duro na diplomacia e tentaram convencer seus rivais a se renderem pacificamente antes de recorrer à conquista militar, disse Terence D’Altroy, um antropólogo da Universidade de Columbia, em uma entrevista em 2007 para a PBS.

Cuzco

Pachacuti ordenou que a capital inca, Cuzco, fosse reconstruída e fortalecida. Ele supostamente queria que a cidade fosse reconstruída na forma de um puma.

O animal estava representado de perfil. Os blocos residenciais da cidade formavam seu corpo. A grande fortaleza ou complexo de templos na colina acima de Cuzco representavam sua cabeça. A confluência dos rios Tullu e Saphi representavam sua cauda.

Entre as pernas dianteiras e traseiras do puma estavam localizadas as duas grandes praças de Cuzco, onde convergiam as estradas para os quatro bairros imperiais do império, chamados suyus.

Os plebeus não tinham permissão para morar na cidade e precisavam residir nos assentamentos periféricos. Um dos maiores santuários religiosos em Cuzco era um templo solar chamado “Coricancha”.

Os Inca não desenvolveram o que consideramos um sistema formal de escrita. Eles usavam dispositivos de gravação, como o quipu, um cordão com cordas atadas suspensas. A maioria dos relatos escritos dos Incas vem de pessoas de fora, já que os Incas compartilhavam seus conhecimentos principalmente através de narrativas orais.

Religião Inca

O panteão Inca tinha uma série de deuses que incluíam o deus criador Viracocha, o deus do sol Inti, o deus trovão Illapa e a deusa mãe-terra Pachamama. Havia também divindades regionais adoradas por pessoas que os incas conquistavam.

Os deuses incas eram honrados de muitas maneiras, incluindo orações, jejum e sacrifício de animais. Entretanto, a forma mais poderosa de honra era o sacrifício humano, tipicamente de crianças e adolescentes.

Em 1999, arqueólogos descobriram as múmias de três crianças que foram deixadas como sacrifícios em um santuário perto do cume de um vulcão na Argentina. Uma adolescente que agora é conhecida como “a donzela” parece ter sido o principal sacrifício junto com um menino e uma menina, que se pensava serem seus assistentes.

Pesquisas revelaram que, no ano anterior ao sacrifício, os três consumiram uma dieta especial, rica em milho e carne seca de lhama. Além disso, foram drogados com folhas de coca e álcool.

Alimentação para as múmias

A mumificação era uma parte importante dos ritos funerários incas, mesmo para os plebeus.

Após a conquista espanhola, um homem chamado Guaman Poma, que falava quíchua e era nativo dos Andes, publicou uma crônica que descreveu novembro como sendo o “mês de alimentar os mortos”, uma época em que as pessoas tentavam alimentar as múmias de seus antepassados.

“Neste mês eles tiram seus mortos de seus túmulos que são chamados de ‘pucullo’ e eles lhes dão comida e bebida. Eles os vestem em suas roupas mais ricas, cantam e dançam com eles. Eles andam com os mortos de casa em casa, pelas ruas e pela praça.” (Food, Power and Resistance in the Andes, de Alison Krögel)

Krögel observou que, enquanto as múmias de plebeus eram alimentadas apenas em ocasiões especiais, os da realeza “recebiam suas próprias refeições especialmente preparadas [incluindo a cerveja de milho] diariamente”.

Comida, festa e falta de dinheiro

O milho e a carne eram geralmente considerados a comida de elite dos Incas e eram consumidos pelos sacrifícios no ano anterior ao ritual. Além desses produtos alimentares de elite, outros bens consumidos na dieta Inca incluíam batata-doce, quinoa, feijão e pimenta.

Em troca de trabalho, esperava-se que o governo Inca oferecesse festas para o povo em certas épocas do ano. De acordo com o livro de Tamara Bray, “A Arqueologia e a Política da Comida e da Festa nos Primeiros Estados e Impérios”, as festas serviam de pagamento em uma sociedade que não tinha dinheiro.

O aspecto mais incomum da economia Inca foi a falta de um sistema de mercado e dinheiro. Com poucas exceções, não havia comerciantes no Império Inca. Cada cidadão do império recebia itens dos armazéns do estado, incluindo alimentos, ferramentas, matérias-primas e roupas. Eles não precisavam comprar nada.

Não havia lojas ou mercados e, portanto, não havia necessidade de uma moeda padrão ou dinheiro.

Arte e arquitetura

Os Inca faziam magníficos objetos de ouro e prata, mas talvez seus exemplos mais marcantes de arte estivessem na forma de têxteis.

Os tecidos, acima de tudo, eram especialmente valorizados pelos Incas e representava sua maior realização artística. Os incas cultivavam algodão, cortavam lã e usavam teares para criar seus elaborados tecidos. O melhor tecido chamava-se cumpi e era reservado ao imperador e à nobreza.

As habilidades incas de trabalho em pedra também eram formidáveis. “Seus artesãos encaixavam perfeitamente a pedra de construção sem usar qualquer argamassa, de modo que um objeto tão fino quanto uma lâmina de barbear não pudesse ser inserido entre as pedras”, escreveu Peter VN Henderson em seu livro “O curso da história andina”.

Queda

O império atingiu seu auge após as conquistas do imperador Huayna Capac. Ele reinou de 1493 até por volta de 1527.

No seu auge, o império incluía 12 milhões de pessoas. Além disso, se estendia da fronteira do Equador e da Colômbia até cerca de 80 quilômetros ao sul de Santiago, no Chile. Para apoiar este império, um sistema de estradas estendia-se por quase 40.000 km, cerca de três vezes o diâmetro da Terra.

Quando os espanhóis conquistaram o Império Inca, ficaram impressionados com o que viram. As cidades incas eram tão grandes quanto as da Europa, mas mais ordeiras e, em geral, os lugares eram mais limpos e agradáveis ​​para se viver. Os sistemas de estradas e aquedutos nos Andes eram superiores aos da Europa na época.

Do outro lado do oceano, os espanhóis trouxeram consigo uma de suas armas mais fortes e invisíveis – doenças às quais as populações incas nunca haviam sido expostas. A varíola eliminou grande parte da população Inca, incluindo Capac e o sucessor que ele havia escolhido.

Após a morte de Capac, seus parentes lutaram pelo poder e seu filho, Atahualpa, assumiu o trono. Mas o conquistador espanhol Francisco Pizarro conseguiu atrair e capturar Atahualpa – eventualmente matando-o e facilmente tomando conta de Cuzco com suas armas mais avançadas.

Os espanhóis, querendo manter a paz com os locais, instalaram um “rei fantoche”, Manco Inca Yupanqui. Ele e seus homens foram forçados a se retirar para uma aldeia na selva chamada Vilcabamba, a última do império Inca, que desapareceu em 1572.

Um legado duradouro

Hoje, muitas das tradições que os Inca realizaram vivem nos Andes. A fabricação de têxteis ainda é popular. Os alimentos que eles comem são consumidos em todo o mundo e sítios arqueológicos como Machu Picchu são atrações turísticas populares. Até mesmo sua antiga língua, quéchua, ainda é amplamente falada.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.