Interjeição

A interjeição é uma entre as dez classes de palavras estudadas pela Morfologia da língua portuguesa. Por serem estruturas simples, podem ser analisadas isoladamente, uma vez que não desempenham função sintática em uma frase ou oração.

0

Que tal aprofundar seus conhecimentos sobre a Morfologia da língua portuguesa? Ainda não sabe o que é Morfologia? Não tem problema, o site Escola Educação vai explicar para você essa interessante área da linguística. Vamos lá? Boa leitura e bons estudos!

A Morfologia, como o próprio nome sugere (morfo = forma, logia = estudo), é o estudo da estrutura, da formação e da classificação das palavras. Ela é responsável por estudar as palavras olhando para elas de maneira isolada, e não dentro da sua participação na frase ou período (essa análise cabe à outra área da linguística, a Sintaxe). A morfologia está agrupada em dez classes gramaticais: Interjeição (que estudaremos agora), substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição e conjunção.

Pois bem, agora que você já sabe o que é Morfologia, analisemos então uma de suas classes gramaticais. Veja alguns exemplos de como a interjeição é utilizada na língua portuguesa:

Ah, porque estou tão sozinho
Ah, porque tudo é tão triste
Ah, a beleza que existe
A beleza que não é só minha
Que também passa sozinha”
(Vinícius de Moraes)

Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho”
(Vinícius de Moraes)

“Salta além da estratosfera
E cai onde cair
Que a galera
Morre de rir!
Ai, minhas costelas!
Já estou vendo estrelas!
Bravo! Bravo!”
(Chico Buarque)

Por meio das interjeições é possível exprimir emoções, sensações e estados de espírito. Seus sentidos variam de acordo com o contexto em que elas são empregadas, bem como dependem da entonação utilizada pelo falante. Elas são vistas, na maioria das vezes, em frases exclamativas e apelativas. São estruturas linguísticas simples, e não possuem função sintática bem definida, por isso podem ser compreendidas de maneira isolada.

Estão entre as classes de palavras invariáveis, isto é, não são flexionadas quanto ao número (singular e plural), gênero (masculino e feminino) e grau (aumentativo e diminutivo). Podem ser formadas por sons vocálicos, palavras ou conjuntos de palavras, essas últimas denominadas como locuções interjetivas, pois nelas duas ou mais palavras desempenham a função de interjeição. Veja os exemplos abaixo:

Locuções interjetivas

Se Deus quiser, um dia eu quero ser índio
Viver pelado, pintado de verde num eterno domingo
Ser um bicho preguiça e espantar turista”
(Rita Lee)

“Que menina é aquela
Que entrou na roda agora
Ela tem um remelexo
Que valha-me Deus! Nossa Senhora!”
(Caetano Veloso)

Exemplos de interjeições:

  • Sons vocálicos: Ui!, Ah!, Oh!, etc.
  • Palavras: Credo!, Cruzes!, Atenção!, etc.
  • Locuções interjetivas: Nossa Senhora!, Valha-me Deus!, Que pena!, etc.

Classificação das interjeições

Embora sejam estruturas sintáticas simples, as interjeições podem ser classificadas. É importante observar que essa classificação não é rígida, haja vista o sentido polissêmico dessa classe de palavras. Uma única interjeição pode apresentar diversos significados, expressando variados sentimentos e sensações, que devem ser analisados de acordo com o contexto. Observe os principais exemplos abaixo:

Podem ser classificadas em:

  • Interjeições de alegria: Oh!, Ah!, Oba!, Viva!, Opa!
  • Interjeições de estímulo: Vamos!, Força!, Coragem!, nimo!, Adiante!
  • Interjeições de aprovação: Apoiado!, Boa!, Bravo!
  • Interjeições de desejo: Oh!, Tomara!, Oxalá!
  • Interjeições de dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!
  • Interjeições de surpresa: Nossa!, Cruz!, Caramba!, Opa!, Virgem!, Vixe!
  • Interjeições de impaciência: Diabo!, Puxa!, Pô!, Raios!, Ora!
  • Interjeições de silêncio: Psiu!, Silêncio!
  • Interjeições de alívio: Uf!, Ufa! Ah!
  • Interjeições de medo: Credo!, Cruzes!, Uh!, Ui!
  • Interjeições de advertência: Cuidado!, Atenção!, Olha!, Alerta!, Sentido!
  • Interjeições de concordância: Claro!, Tá!, Hã-hã!
  • Interjeições de desaprovação: Credo!, Francamente!, Xi!, Chega!, Basta!, Ora!
  • Interjeições de incredulidade: Hum!, Epa!, Ora!, Qual!
  • Interjeições de socorro: Socorro!, Aqui!, Piedade!, Ajuda!
  • Interjeições de cumprimentos: Olá!, Alô!, Ei!, Tchau!, Adeus!
  • Interjeições de afastamento: Rua!, Xô!, Fora!, Passa!

As interjeições são consideradas verdadeiras frases, caracterizando-se como uma estrutura à parte. Normalmente são seguidas de ponto de exclamação, às vezes combinado com outros sinais de pontuação.

Você sabia?

Embora não despertem grande interesse por parte dos estudiosos da língua, as interjeições podem cumprir um papel muito interessante na comunicação. Elas são amplamente utilizadas em nossa linguagem cotidiana, contudo, quase não são encontradas naquilo que chamamos de “literatura convencional” ou “literatura acadêmica”. As interjeições são mais facilmente encontradas em letras de música, assim como também é comum encontrá-las, por exemplo, nas histórias em quadrinhos (HQ’s). Nelas, as interjeições não são elementos raros ou marginalizados, pelo contrário, são parte importante da linguagem (o mesmo acontece com as onomatopeias).

Confira os exemplos:

Interjeição das histórias em quadrinhos
As interjeições podem ser facilmente encontradas nas histórias em quadrinhos. No gênero textual em questão essa classe gramatical desempenha uma importante função ao conferir maior expressividade à linguagem.
Exemplo de interjeição
É comum encontramos interjeições e onomatopeias nas histórias em quadrinhos. No gênero textual, esses elementos linguísticos desempenham enorme importância para a construção de sentidos do texto

Luana Alves
Graduada em Letras

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.