Natal – Origem, Tradições e Significados

Além de suas raízes cristãs, muitas tradições de Natal têm suas origens nas celebrações pagãs de inverno.

0

O Natal comemora e celebra o nascimento de Jesus Cristo. Essa celebração no Ocidente é tradicionalmente observado em 25 de dezembro ou 7 de janeiro nas Igrejas Ortodoxas Orientais.

Pinguins e árvore de natal

Na maioria das comunidades cristãs, o feriado é comemorado com grande alegria, música, troca de presentes, contação de histórias e reuniões familiares.

A popularidade do Natal é devida em grande parte ao “espírito de Natal”, um espírito de caridade expresso através de ofertas de presentes e atos de bondade que celebram no coração humano a mensagem cristã.

Além de suas raízes cristãs, muitas tradições de Natal têm suas origens nas celebrações pagãs de inverno. Exemplos de festivais de inverno que influenciaram o Natal incluem os festivais pré-cristãos de Yule e Saturnália.

Enquanto o Natal começou como um feriado religioso, ele se apropriou de muitas características seculares ao longo do tempo, incluindo muitas variações do mito do Papai Noel, decoração e exibição da árvore de Natal, e outros aspectos da cultura do consumo.

Muitas tradições regionais, distintas do Natal, ainda são praticadas em todo o mundo, apesar da ampla influência do Natal anglo-americano na cultura popular.

Origem

De acordo com a Bíblia, o nascimento de Jesus foi celebrado por muitos simpatizantes, incluindo os magos que levaram presentes na ocasião.

Nascimento de Jesus
Representação do Nascimento de Jesus

Os primeiros cristãos no Império Romano desejavam continuar essa prática, mas descobriram que celebrar o nascimento de Jesus era muito perigoso sob o domínio romano, onde ser cristão podia ser punido com a morte.

Assim, os cristãos começaram a comemorar o aniversário de Cristo em 25 de dezembro, que já era o dia de um importante festival pagão, a fim de adaptar com segurança os costumes romanos enquanto ainda honravam o nascimento de Jesus.

Foi assim que o Natal passou a ser comemorado no feriado romano da Saturnália, e foi do feriado pagão que muitos dos costumes do Natal tiveram suas raízes. As celebrações da Saturnália incluíam a confecção e entrega de pequenos presentes, por exemplo.

Este feriado durava alguns dias, começando em 17 de dezembro (o aniversário de Saturno), e terminando em 25 de dezembro (o aniversário do Sol Invictus, o “Sol Invicto”).

Os festivais combinados resultaram em uma temporada prolongada de férias de inverno. Os negócios eram adiados e até os escravos se banquetearam. Havia bebida, jogos e música e diversas atrações para o entretenimento da população.

A festa do Sol Invictus em 25 de dezembro era um dia sagrado na religião do Mitraísmo, que foi difundida no Império Romano. Seu deus, Mithras, era uma divindade solar de origem persa, identificada como o sol.

Evidência de que os primeiros cristãos estavam observando 25 de dezembro como o aniversário de Jesus vem do livro “Sextus Julius Africanus Chronographiai” (221 d.C), um livro de referência para os cristãos.

No entanto, desde o início, a identificação do nascimento de Cristo dentro de um feriado pagão era controversa. O teólogo Orígenes escreveu em 245 d.C uma crítica, dizendo que queriam celebrar o aniversário de Jesus como se ele fosse um rei faraó. Mesmo com a polêmica, o Natal foi celebrado com uma mistura de costumes cristãos e seculares desde o início, e permanece assim até hoje.

O impulso para a celebração do Natal aumentou depois que Constâncio, filho do imperador Constantino, decretou que todos os templos não-cristãos do império fossem imediatamente fechados e quem ainda oferecesse sacrifícios de culto aos deuses e deusas nesses templos seria condenado à morte.

Os seguidores de Mitras acabaram sendo forçados a se converter sob essas leis. Apesar de sua conversão, eles adaptaram muitos elementos de suas antigas religiões ao cristianismo. Entre estes, estava a celebração do nascimento de Mitras em 25 de dezembro, que agora era celebrado como o aniversário de Jesus.

Outro ímpeto para o apoio oficial romano ao Natal surgiu dos debates cristológicos na época de Constantino. A escola Alexandrina argumentava que ele era a palavra divina que se fazia carne (veja João 1:14), enquanto a escola de Antioquia afirmava que ele nasceu humano e foi infundido com o Espírito Santo na época de seu batismo (ver Marcos 1:9-11).

Uma festa celebrando o nascimento de Cristo deu à igreja uma oportunidade de promover a visão intermediária de que Cristo era divino desde o tempo de sua encarnação. Maria, uma figura menor para os primeiros cristãos, ganhou destaque como theotokos (portadora de deus). Houve celebrações de Natal em Roma já em 336 d.C e o 25 de dezembro foi adicionado ao calendário como um dia de festa em 350 d.C.

Natal na Idade Média

O Natal logo superou a controvérsia cristológica que o criou e passou a dominar o calendário medieval.

Os 40 dias antes do Natal tornaram-se os “quarenta dias de São Martinho”. Antigas tradições de Saturno foram anexadas ao advento. Por volta do século XII, essas tradições se transferiram novamente para os “doze dias de Natal”.

Natal na idade média

O norte da Europa foi a última parte a cristianizar, e suas celebrações pagãs tiveram uma grande influência no Natal. Os escandinavos ainda chamam o Natal de Yule, originalmente o nome de um festival de inverno pré-cristão de 12 dias. Na Alemanha, o feriado equivalente é chamado Mitwinternacht (noite do meio do inverno).

Reforma e Idade Moderna

Durante a Reforma, os protestantes condenaram a celebração de Natal como “armadilhas do papado” e os “farrapos da besta“. A Igreja Católica respondeu promovendo o festival de uma forma mais religiosamente orientada.

Quando um parlamento puritano triunfou sobre o rei Carlos I da Inglaterra (1644), o Natal foi oficialmente proibido em 1647.

Protestos pró-Natal eclodiram em várias cidades e durante várias semanas, Canterbury foi controlada pelos desordeiros, que decoravam as portas e gritavam slogans monarquistas. A Restauração (1660) terminou a proibição, mas a celebração de Natal ainda era desaprovada pelo clero anglicano.

Na década de 1820, a tensão sectária diminuiu e os escritores britânicos começaram a se preocupar com o fim do Natal. Eles imaginaram o Natal como um momento de celebração sincera, e esforços foram feitos para reviver o feriado.

O príncipe Albert, da Baviera, casou com a rainha Victoria em 1840, introduzindo a tradição alemã da “árvore de Natal” no castelo de Windsor em 1841.

O livro “A Christmas Carol” (1843) de Charles Dickens desempenhou um papel importante na reinvenção do Natal como feriado, enfatizando família, boa vontade e compaixão (em oposição à celebração comunitária e ao excesso hedonista).

Origem do Papai Noel

Papai Noel

A conexão entre Papai Noel e Natal foi popularizada pelo poema “Uma visita de São Nicolau” (1822) de Clement Clarke Moore, que retrata o Papai Noel dirigindo um trenó puxado por renas e distribuindo presentes para as crianças.

Sua imagem foi criada pelo cartunista alemão-americano Thomas Nast (1840-1902), que desenhava uma nova imagem da figura anualmente desde 1863. Na década de 1880, o Papai Noel de Nast evoluiu para a forma que agora reconhecemos. A imagem foi padronizada pelos anunciantes na década de 1920.

Origem da Árvore de Natal

árvore de natal

A árvore de Natal é frequentemente explicada como uma cristianização da antiga ideia pagã de que árvores perenes como pinheiro e zimbro simbolizam a esperança, a antecipação de um retorno da primavera e a renovação da vida.

A frase “Árvore de Natal” é registrada pela primeira vez em 1835 e representa a importação de uma tradição da Alemanha, onde tais árvores se tornaram populares no final do século XVIII.

Árvores de Natal podem ser decoradas com luzes e ornamentos. Desde o século XIX, a poinsétia (Euphorbia pulcherrima), uma planta indígena do México, tem sido associada ao Natal.

Outras plantas de populares incluem azevinho, amarílis vermelha e o cacto de Natal (Zygocactus), todos com a brilhante combinação de vermelho e verde.

Juntamente com uma árvore de Natal, o interior de uma casa pode ser decorado com guirlandas, luzes coloridas, azevinho (Ilex aquifolium ou Ilex opaca) e visco (Phoradendron flavescens ou álbum Viscum).

Na Austrália, na América do Norte e do Sul e, em menor escala, na Europa, é tradicional decorar o exterior das casas com luzes e, às vezes, com trenós iluminados, bonecos de neve e outras figuras de Natal.

Municípios frequentemente patrocinam decorações também. Luzes de Natal podem ser pendurados nas ruas e nas árvores de praças das cidades. Enquanto algumas decorações, como a árvore, são consideradas seculares em muitas partes do mundo, o Reino da Arábia Saudita proíbe tais exibições como símbolos do cristianismo.

Aspectos sociais

Em muitos países, empresas, escolas e comunidades têm celebrações e apresentações de Natal nas semanas anteriores ao feriado. Os desfiles de Natal podem incluir um relato da história do nascimento de Cristo e outras histórias religiosas.

Grupos visitam casas de bairros pobres, hospitais ou casas de repouso para cantar canções natalinas. Outros fazem trabalho voluntário ou realizam campanhas de angariação de fundos para instituições de caridade.

No dia de Natal ou na véspera de Natal, uma refeição especial é normalmente servida. Em algumas regiões, particularmente na Europa Oriental, essas festas são precedidas por um período de jejum. Doces e guloseimas também fazem parte da celebração de Natal em muitos países.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.