O Auxílio para mulheres monoparentais de R$ 1.200 está tramitando

A dúvida que fica é se todas as notícias são verdadeiras, será que o Auxílio Permanente vai ser realmente pago ou não?

Há alguns meses, as mulheres brasileiras leem notícias sobre um possível pagamento do Auxílio Permanente no valor de R$ 1.200 para mães solteiras, chefes de família monoparentais.

Leia mais: Acréscimo do Auxílio Brasil em abril pode gerar valor de até R$ 470

O deputado Assis Carvalho (PT-PI) foi o responsável pelo Projeto de Lei 2099/20, que é o benefício no valor de R$ 1.200 para mulheres provedoras monoparentais e está na pauta do Congresso.

Conforme determina o texto, visando a garantia do benefício, as mulheres deverão estar dentro dos seguintes requisitos:
• Ser mulher e mãe de família;
• Ter 18 anos ou mais;
• Não possuir emprego formal;
• Não ser titular de benefício previdenciário ou assistencial;
• Possuir uma renda familiar mensal per capita de até meio salário ou a renda familiar mensal total de até 3 salários;
• Estar inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico);
• Ser microempreendedora individual (MEI); contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social;

• ou trabalhadora informal, seja empregada, autônoma ou desempregada.

Mas afinal de contas, o auxílio vai ou não ser liberado?

É improvável que Auxílio Permanente seja liberado, já que o projeto está tramitando desde 2020 e, durante todo período, não gerou engajamento dos parlamentos para seja aprovado.

Apenas a Comissão dos Direito da Mulher da Câmara dos Deputados aprovou o projeto. Outro ponto é que, para que a medida possa ser efetivada, ela deverá passar pela aprovação de todas as Comissões competentes da Câmara para assim, ir para votação no Senado Federal e ser sancionada ou vetada pelo Presidente.

Portanto, quando mais o tempo passa, menos chance a medida tem de ser aprovada. O projeto não está conforme a legislação fiscal, isto é, o dinheiro utilizado no projeto ainda não tem uma fonte inviabilizando a medida.

Outro ponto é que estamos em ano eleitoral e, na maioria das vezes, a lei eleitoral não permite a concessão dessa categoria de benefício, pois serviria como ‘’influência’’ na hora do voto da população.

Portanto, as mulheres que estão esperando o benefício não deverão criar expectativas em relação à sua liberação, que está a cada dia mais longe de se tornar realidade.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More