O que são conflitos de Guerrilha? Definição, táticas e exemplos

A guerrilha é travada por civis que não são membros de uma unidade militar tradicional, como o exército permanente de um país ou a força policial.

0

A guerrilha é travada por civis que não são membros de uma unidade militar tradicional, como o exército permanente de um país ou a força policial. Em muitos casos, combatentes guerrilheiros estão lutando para derrubar ou enfraquecer um governo ou regime dominante.

Esse tipo de guerra é caracterizado por sabotagem, emboscadas e ataques surpresa a alvos militares desavisados. Frequentemente lutando em sua própria pátria, os combatentes de guerrilha (também conhecidos como rebeldes ou insurgentes) usam sua familiaridade com a paisagem e o terreno local a seu favor.

História

O uso da guerrilha foi sugerido pela primeira vez no século 6 aC pelo general e estrategista chinês Sun Tzu, em seu livro clássico, A Arte da Guerra. Em 217 aC, o ditador romano Quintus Fabius Maximus, frequentemente chamado de “pai da guerrilha”, usou sua “estratégia fabiana” para derrotar o poderoso exército invasor do general cartaginês Hannibal Barca.

No início do século XIX, cidadãos da Espanha e de Portugal usavam táticas de guerrilha para derrotar o exército francês de Napoleão na Guerra Peninsular. Mais recentemente, guerrilheiros liderados por Che Guevara ajudaram Fidel Castro a derrubar o ditador cubano Fulgêncio Batista durante a Revolução Cubana de 1952.

Em grande parte devido ao seu uso por líderes como Mao Zedong na China e Ho Chi Minh no Vietnã do Norte, a guerrilha é geralmente considerada no Ocidente apenas como uma tática do comunismo. No entanto, a história mostrou que isso é um equívoco, uma vez que uma multiplicidade de fatores políticos e sociais motivou os cidadãos-soldados.

Propósito e Motivação

A guerrilha é geralmente considerada uma guerra motivada pela política. Uma luta desesperada de pessoas comuns para corrigir os erros cometidos por um regime opressor que governa por força militar e intimidação.

A história, no entanto, mostrou que a percepção pública da guerrilha como heróis ou vilões depende de suas táticas e motivações. Embora muitos guerrilheiros tenham lutado para garantir os direitos humanos básicos, alguns iniciaram a violência injustificada, até mesmo usando táticas terroristas contra outros civis que se recusam a participar de sua causa.

Por exemplo, na Irlanda do Norte, no final dos anos 60, um grupo civil que se autodenominava Exército Republicano Irlandês (IRA) realizou uma série de ataques contra forças de segurança britânicas e estabelecimentos públicos no país, bem como a cidadãos irlandeses que eles acreditavam ser leais à para a coroa britânica.

Caracterizados por táticas como bombardeios indiscriminados, muitas vezes tirando a vida de civis não envolvidos, os ataques do IRA foram descritos como atos de terrorismo pela mídia e pelo governo britânico.

As organizações de guerrilha vão desde grupos pequenos e localizados (células) até regimentos dispersos regionalmente de milhares de combatentes bem treinados. Os líderes dos grupos geralmente expressam objetivos políticos de forma clara.

Junto com unidades estritamente militares, muitos grupos guerrilheiros também têm alas políticas designadas para desenvolver e distribuir propaganda para recrutar novos combatentes e ganhar o apoio da população civil local.

Táticas de Guerrilha

Em seu livro do século VI, A Arte da Guerra, o general chinês Sun Tzu resumiu as táticas da guerra de guerrilha:

“Saiba quando lutar e quando não lutar. Evite o que é forte e ataque o que é fraco. Saiba como enganar o inimigo. Pareça fraco quando você é forte e forte quando você é fraco.”

Refletindo os ensinamentos do general Tzu, os guerrilheiros usam unidades pequenas e velozes para lançar repetidos ataques no estilo “atropelamento e fuga”. O objetivo desses ataques é desestabilizar e desmoralizar a força inimiga maior, minimizando suas próprias baixas.

Além disso, alguns grupos guerrilheiros afirmam que a frequência e a natureza de seus ataques provocam o inimigo a realizar contra-ataques tão excessivamente brutais que inspiram apoio à causa rebelde. Enfrentando desvantagens avassaladoras em mão-de-obra e equipamentos militares, o objetivo final das táticas de guerrilha é tipicamente a eventual retirada do exército inimigo, em vez de sua total rendição.

Combatentes guerrilheiros frequentemente tentam limitar o movimento de tropas inimigas, armas e suprimentos, atacando as instalações da linha de suprimento inimigas como pontes, ferrovias e aeródromos.

Em um esforço para se misturar com a população local, guerrilheiros raramente usam uniformes ou itens que os identifiquem. Essa tática de furtividade os ajuda a utilizar o elemento surpresa em seus ataques.

Dependentes da população local em busca de apoio, as forças de guerrilha empregam tanto armas militares quanto políticas. O braço político de um grupo guerrilheiro é especializado na criação e disseminação de propaganda destinada não apenas a recrutar novos combatentes, mas também a conquistar os corações e mentes do povo.

Guerrilha vs. Terrorismo

Enquanto ambos empregam muitas das mesmas táticas e armas, existem diferenças importantes entre guerrilheiros e terroristas.

Os terroristas raramente atacam alvos militares com ampla defesa. Em vez disso, os terroristas geralmente atacam os chamados “alvos fáceis”, como aeronaves civis, escolas, igrejas e outros locais de reunião pública. Os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos e o atentado de 1995 em Oklahoma City são exemplos de ataques terroristas.

Enquanto os rebeldes guerrilheiros são tipicamente motivados por fatores políticos, os terroristas geralmente agem por simples ódio. Nos Estados Unidos, por exemplo, o terrorismo é frequentemente um elemento de crimes de ódio. Crimes motivados pelo preconceito do terrorista contra a raça, a cor, a religião, a orientação sexual ou a etnia da vítima.

Ao contrário dos terroristas, os guerrilheiros raramente atacam civis. Em contraste com os terroristas, os guerrilheiros movem-se e lutam como unidades paramilitares com o objetivo de aproveitar o território e o equipamento inimigo.

O terrorismo é crime em muitos países. O termo “terrorismo” às vezes é incorretamente usado pelos governos para se referir aos rebeldes guerrilheiros que lutam contra seus regimes.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.