Origem da Língua Portuguesa

Conheça de onde surgiu a língua portuguesa, como ela se evoluiu e se distribui geograficamente, colocando-se entre as mais faladas de todo o mundo.

0

A Língua Portuguesa configura como o idioma oficial de países localizados em todos os continentes, além de ilhas atlânticas próximas à África. Estima-se que, aproximadamente, 250 milhões de pessoas falam o português como língua materna. Ademais, seu ensino tornou-se obrigatório em escolas de países do Mercosul.

Mas, você sabe de onde vem a Língua Portuguesa? Como nasceu, evoluiu e se espalhou pelo mundo, geograficamente falando? Conheça um pouco mais da história da nossa língua e entenda como foi sua estrutura desde seus primórdios, nos idos do latim vulgar.

Língua Portuguesa e o Latim Vulgar

Antes de mais nada, podemos dizer que a língua portuguesa é uma das muitas oriundas do latim vulgar. Explicamos. O latim era o idioma oficial do Império Romano e possuía duas vertentes: o latim clássico (falado por nobres e cultos) e vulgar (praticado pelo povo).

Do latim vulgar, vieram as chamadas línguas românicas ou neolatinas surgidas a partir da expansão do latim pelos territórios conquistados pelo Império Romano. À medida em que foi adentrando regiões pré-latinas, como Espanha, Gália, Dácia, entre outras, incorporou parte de seu vocabulário, conforme a própria região.

Ou seja, as línguas românicas são uma continuação do latim vulgar e incluem o português, catalão, espanhol, italiano, provençal francês, romeno, rético e sardo. Porém, a difusão desses idiomas não se deu de forma igual em todos os pontos e, especialmente no lado ocidental da Península Ibérica, sentiu influências de povos invasores dessas regiões – os bárbaros.

Estes povos influenciaram, sobremaneira, a configuração do latim falado nas regiões que conquistaram. Uma delas foi o território que, hoje, pertence a Portugal. A partir do século V, grupos de origem bárbara e árabe invadiram a Península Ibérica mas, apesar do domínio político, na parte cultural passaram por um processo de romanização.

No século XI, os cristãos expulsaram os invasores e o galego-português, um dos muitos dialetos surgidos pela mistura do latim com outros idiomas, passou a ser falado na Lusitânia. Inicialmente, o galego-português era limitado aos territórios de Galiza e Portugal e, posteriormente, sua evolução entre as duas regiões fez notar diferenças entre o galego e o português, de fato.

Com a consolidação do Império Luso, o português sagrou-se língua oficial do território correspondente. Daí, conseguimos notar suas fases de evolução, conforme veremos a seguir.

Fases da evolução da Língua Portuguesa

Podemos distinguir três fases históricas da Língua Portuguesa, sendo elas:

  • Fase proto-histórica

Corresponde a antes do século XII com a presença de textos escritos no latim bárbaro (modalidade usada em documentos, por isso, também chamado de latim tabaliônico ou dos tabeliões).

  • Fase do português arcaico

Persistiu entre os séculos XII e XVI, compreendendo dois períodos:

a) do século XII ao século XIV: textos em galego-português;
b) do século XIV ao século XVI: separação do galego e o português.

  • Fase do português moderno

A língua portuguesa passa por certa uniformização a partir do século XVI, adquirindo características que carrega atualmente. Um dos maiores fatores de contribuição foi a literatura portuguesa, tendo Camões como seu grande representante. As primeiras gramáticas e dicionários da língua portuguesa surgiram nesse período.

Quais países falam a Língua Portuguesa?

Quais Países que falam a língua portuguesa? Com o período das grandes navegações e colonizações europeias, a Língua Portuguesa ultrapassou os limites portugueses atravessando mares até chegar a outros continentes. Entre os séculos XV e XVI, chegou ao Brasil, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, República Democrática de São Tomé e Príncipe, Macau, Goa, Damão, Diu e Timor.

O idioma se alastrou, ainda, para ilhas atlânticas próximas à Costa Africana, ou seja, Madeira e Açores, também parte do estado português na época. Atualmente, a Língua Portuguesa é o idioma oficial de parte dessas nações (República Democrática de São Tomé e Príncipe, o Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde) e, mesmo se apossando de vocábulos nativos, especialmente na fala, acabou mantendo certa unidade na matriz de Portugal.

Importante lembrar, também, que em alguns países surgiram dialetos originários do português ou, ainda, em que o idioma é falado por parte da população. É o caso de Macau e Goa (estado da Índia). Hoje, a Língua Portuguesa se diferencia pela variedade de dialetos e subdialetos. Inclusive, a língua é classificada entre português europeu e brasileiro, em razão da diferença do idioma praticado nos dois países.

Expressões da Língua Portuguesa e seus significados

Você já ouviu alguém falando que está com “o rei na barriga”? Ou, que uma pessoa está “chorando lágrimas de crocodilo”? Pois bem, todas são expressões da Língua Portuguesa que constituem parte da cultura de nosso idioma e que historiadores, ao longo do tempo, vêm tentando desvendar.

  • Com a corda toda

Já viu que quando uma pessoa está muito animada ou elétrica, dizem que está “com a corda toda”? O ditado vem dos brinquedos cujo movimento era acionado com uma mola ou elástico que, quando distendido, fazia-os andar (como os que ainda temos nos dias de hoje).

  • Com o rei na barriga

No tempo da monarquia, as rainhas gestantes eram tratadas de forma especial por aumentar a família real e carregar o herdeiro do trono. Por isso, hoje, a expressão se refere a quem dá muita importância a si mesmo.

  • Farinha do mesmo saco

A expressão vem do latim Homines sunt ejusdem farinae”, ou seja, homens da mesma farinha, normalmente usada para designar um comportamento reprovável. Como a farinha ruim é separada da boa em sacos, diz-se que bons andam com bons enquanto maus preferem os maus.

  • Comer com os olhos

O significado da expressão é apreciar de longe, sem tocar. Isso vem das monarquias antigas, como da África Ocidental, quando os reis comiam toda sua comida sozinhos, e da Roma Antiga, na qual um banquete era oferecido aos deuses sem que ninguém pudesse comer.

  • Maria vai com as outras

Dona Maria I, avó de D. Pedro I, enlouqueceu e só saía de seus aposentos quando escoltada pelas damas. Quando o povo a via nesse cortejo, comentavam “Lá vai D. Maria com as outras”. Hoje, a expressão se refere a quem não tem opinião ou se deixa convencer com facilidade.

  • Lágrimas de crocodilo

Quando falamos que alguém está “chorando lágrimas de crocodilo”, nos referimos a uma pessoa que traz um choro fingido. Isso vem da Biologia, a partir da observação de que os crocodilos, ao ingerir um alimento, fazem forte pressão contra o céu da boca, comprimindo as glândulas lacrimais. Ou seja, literalmente, choram enquanto devoram a vítima.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.