Os elementos da Pintura

Os elementos são os componentes básicos da construção de uma pintura. Na arte ocidental, eles geralmente são: cor, tom, linha, forma, espaço e textura.

0

Os elementos são os componentes básicos da construção de uma pintura. Na arte ocidental, eles geralmente são: cor, tom, linha, forma, espaço e textura.

Em geral, tendemos a concordar que existem sete elementos formais da arte. No entanto, em um meio bidimensional, a forma é descartada. Então, temos seis elementos básicos da pintura. Também podemos trazer quatro elementos adicionais – composição, direção, tamanho e movimento.

Confira a seguir os principais elementos de uma pintura:

1 – Cor

Cor está no coração de toda pintura. É indiscutivelmente o elemento mais importante. Ela dá o tom de como os espectadores se sentem em relação ao trabalho. Pode, por exemplo, ser quente e convidativa. Também pode ser frio e austero. De qualquer forma, a cor pode definir o humor de uma peça.

Existem infinitas maneiras que os pintores podem brincar com as cores. Muitas vezes, um artista pode ser atraído para uma paleta particular. Ela tende a definir o estilo de todo o seu trabalho.

A teoria das cores é uma das chaves para se trabalhar com cores, especialmente para pintores. Cada nova cor que você introduz em uma tela desempenha um papel vital na percepção que os espectadores têm da peça.

A cor pode ser dividida em matiz, intensidade e tonalidade. Além disso, muitos artistas optam por trabalhar com uma cor-mãe ao pintar. É uma cor de tinta particular que é misturada em cada tinta que toca a tela e pode trazer uniformidade.

2 – Tom

Tom e tonalidade são usados ​​de forma intercambiável na pintura. É, essencialmente, quão clara ou escura é uma tinta. Entender como usá-lo pode afetar muito a maneira como sua arte é percebida.

Cada cor de tinta tem uma variedade quase infinita de tons disponíveis. Você pode misturá-lo para ajustar seu tom como quiser. Algumas pinturas têm uma gama muito limitada de tons, enquanto outras incluem contrastes marcantes em tons.

Em sua forma mais básica, o tom pode ser melhor visto em tons de cinza. Preto é a tonalidade mais escura e branco é a mais clara. Uma pintura bem arredondada geralmente possui ambos, com destaques e sombras dando destaque ao efeito geral da peça.

3 – Linha

Enquanto tendemos a pensar em linhas ao desenhar, os pintores também precisam se concentrar nela. Afinal, cada pincelada que você dá, uma linha é criada.

Linha é definida como uma marca estreita feita por um pincel ou uma linha criada onde dois objetos ou elementos se encontram. Ele define o assunto das pinturas. Também nos ajuda a sugerir coisas, como o movimento.

Pintores também devem estar cientes dos diferentes tipos de linha. Entre elas estão as linhas implícitas, aquelas que não são realmente desenhadas, mas que estão implícitas nas pinceladas ao redor dela.

Os pintores paisagistas, em particular, estão frequentemente preocupados com a linha do horizonte. Pintores de todos os estilos podem adicionar dimensão ao seu trabalho, empregando as linhas ortogonais e transversais encontradas nos desenhos.

4 – Forma

Cada obra de arte inclui uma forma, que se alinha na linha e no espaço. Em essência, uma forma é uma área fechada que é feita quando as linhas se encontram.

Os artistas frequentemente treinam para ver as formas em tudo. Ao quebrar as formas básicas de um tema, ele cria uma representação precisa dele em pinturas e desenhos.

Além disso, as formas podem ser geométricas ou orgânicas. Os primeiros são os triângulos, quadrados e círculos com os quais todos estamos familiarizados. As últimas são aquelas formas que não são bem definidas ou aquelas encontradas na natureza.

5 – Espaço

O espaço (ou volume) é outro elemento crucial em qualquer arte. Pode ser usado com grande efeito em pinturas. Quando falamos de espaço na arte, pensamos no equilíbrio entre espaço positivo e negativo.

Espaço positivo é o assunto em si, enquanto o espaço negativo é a área de uma pintura em torno dele. Os artistas podem brincar com um equilíbrio entre esses dois espaços para influenciar ainda mais como os espectadores interpretam seu trabalho.

Por exemplo, uma paisagem com uma árvore menor e um horizonte (espaço positivo) que permite que o céu (espaço negativo) ocupe a maior parte da tela pode trazer uma declaração muito poderosa.

Da mesma forma, pintar um retrato no qual o sujeito (positivo) olha na direção do espaço negativo pode ser tão intrigante quanto quando olhava diretamente para o espectador.

6 – Textura

Pinturas são o meio perfeito para brincar com a textura. Isso pode ser interpretado como um padrão dentro da pintura ou nas próprias pinceladas.

Algumas tintas, particularmente os óleos, são mais espessas. A maneira como são aplicadas na tela ou no quadro pode dar ao trabalho mais profundidade por causa da textura.

Por exemplo, se você tirar a cor de uma pintura de Van Gogh e vê-la em preto e branco, a textura de suas pinceladas se destaca dramaticamente. Da mesma forma, a pintura de impasto depende de texturas muito profundas.

A textura também pode ser um desafio para os pintores. Replicar a superfície brilhante do vidro ou metal ou a sensação áspera de uma rocha pode ser difícil.

7 – Composição

Os elementos acima são essenciais para as pinturas, embora muitas vezes acrescentemos mais quatro elementos à lista. Um dos mais importantes para qualquer artista é a composição.

Composição é o arranjo da pintura. Onde você coloca o assunto, como os elementos de plano de fundo o suportam, e cada pedacinho que você adiciona à tela se torna parte da composição. É crítico para como o trabalho é percebido.

Há também “elementos de composição” a serem considerados. Estes incluem unidade, equilíbrio, movimento, ritmo, foco, contraste, padrão e proporção. Cada um desempenha um papel importante em todas as pinturas. É por isso que os artistas concentram muito de seu tempo na composição.

8 – Direção

Na arte, a palavra “direção” é um termo amplo que pode ser interpretado de várias maneiras. Uma tela vertical pode funcionar melhor que uma horizontal para determinados assuntos e vice-versa.

A direção também pode ser usada para se referir à perspectiva. Onde você coloca objetos ou como eles são usados ​​em proporção aos outros pode direcionar o espectador através da arte.

9 – Tamanho

Tamanho refere-se à escala da pintura em si, bem como a escala de proporções dentro dos elementos da pintura. A relação entre os objetos também pode, inconscientemente, perturbar a percepção e o prazer do espectador.

Por exemplo, uma maçã que é maior que um elefante não é natural. De uma maneira menos dramática, esperamos que os olhos, os lábios e o nariz de alguém tenham um equilíbrio específico em tamanho.

Quando se trata de determinar o tamanho de qualquer obra de arte, os pintores também têm muitas coisas a considerar. Pinturas extragrandes podem ser tão dramáticas quanto uma peça muito pequena e ambas têm seus próprios desafios. Em muitos níveis, o tamanho é uma das maiores considerações para qualquer artista.

10 – Tempo e movimento

Todos os outros elementos afetam como o espectador percebe e olha para uma pintura. É aqui que o tempo e o movimento entram em ação.

O tempo pode ser visto como a quantidade de tempo que um espectador gasta olhando para uma peça. Existem vários elementos que continuam a capturar sua atenção? É certo que este é um dos elementos que interessa a muitos artistas.

O movimento é também um dos elementos da composição, embora sua importância não deva ser negligenciada nesse agrupamento. Isso se refere a como você direciona os olhos do espectador para dentro da pintura.

Ao incluir vários elementos em lugares estratégicos e incorporar os outros elementos da arte, você pode manter os espectadores se movendo ao redor da pintura.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.