Por que os EUA decidiu usar as bombas atômicas no Japão?

A decisão de usar a bomba atômica para atacar duas cidades japonesas ainda é controversa. Saiba o que motivou os EUA:

0

A decisão de usar a bomba atômica para atacar duas cidades japonesas ainda é controversa. Na visão convencional,o uso das armas atômicas era justificado, pois acabava com uma guerra longa e muito cara. No entanto, ao longo das décadas seguintes, outras interpretações surgiram.

Explicações alternativas incluem a ideia de que os Estados Unidos estavam amplamente interessados ​​em usar armas atômicas como forma de acabar com a guerra rapidamente e impedir que a União Soviética se envolvesse nos combates do Pacífico.

Opções de Truman

Quando Harry Truman se tornou presidente após a morte de Franklin D. Roosevelt, em abril de 1945, ele foi informado de um importante e extraordinário projeto secreto: o desenvolvimento da primeira bomba atômica.

Um grupo de cientistas havia se aproximado de Roosevelt anos antes. Eles expressaram temor de que cientistas nazistas desenvolvessem uma bomba atômica. Eventualmente, o Projeto Manhattan foi organizado para criar uma super arma americana alimentada por uma reação atômica.

No momento em que Truman foi informado do Projeto Manhattan, a Alemanha quase foi derrotada. O inimigo restante dos Estados Unidos, o Japão, continuou lutando em uma guerra incrivelmente sangrenta no Pacífico. No início de 1945, as campanhas sobre Iwo Jima e Okinawa se mostraram muito caras.

O Japão estava sendo fortemente bombardeado pelas formações de um novo bombardeiro, o B-29. Apesar das pesadas baixas, especialmente entre os civis japoneses mortos em uma campanha americana de bombardeios incendiários, o governo japonês parecia disposto a continuar a guerra.

Na primavera de 1945, Truman e seus assessores militares tinham duas opções óbvias. Eles poderiam invadir as ilhas japonesas no final de 1945 e talvez até continuar lutando em 1946 ou além. Ou eles poderiam continuar trabalhando na aquisição de uma bomba atômica funcional e tentar acabar com a guerra com ataques devastadores ao Japão.

Falta de debate

Antes que a bomba atômica fosse usada pela primeira vez, não houve debate no Congresso nem entre o público americano. Havia uma razão simples para isso: quase ninguém no Congresso tinha conhecimento do Projeto Manhattan.

Além disso, o público não tinha a menor ideia de que uma arma capaz de pôr fim à guerra estava no horizonte. Mesmo os muitos milhares que trabalharam no projeto em vários laboratórios e instalações secretas desconheciam o objetivo final de seu trabalho.

No entanto, no verão de 1945, quando a bomba atômica estava sendo preparada para seus testes finais, um debate estreitamente contido sobre seu uso surgiu dentro do círculo de cientistas que haviam contribuído para o seu desenvolvimento. Leo Szilard, um físico húngaro refugiado que pediu ao presidente Roosevelt para começar a trabalhar na bomba anos antes, tinha graves preocupações.

A principal razão pela qual Szilard havia incentivado os Estados Unidos a começar a trabalhar na bomba atômica foi seu medo de que os cientistas nazistas desenvolvessem armas nucleares primeiro. Szilard e outros cientistas europeus que trabalharam no projeto para os americanos consideraram legítimo o uso da bomba contra os nazistas.

Com a rendição da Alemanha em maio de 1945, eles estavam preocupados com o uso da bomba contra o Japão. Szilard e o físico James Franck apresentaram um relatório ao Secretário de Guerra, Henry L. Stimson, em junho de 1945.

Eles argumentaram que a bomba não deveria ser usada contra o Japão sem aviso prévio, e que uma explosão de demonstração deveria ser organizada para que a liderança japonesa entendesse o problema. ameaça. Seus argumentos foram essencialmente ignorados.

O Comitê Provisório

O secretário de guerra formou um grupo chamado ‘Comitê Interino’, que foi encarregado de decidir como a bomba seria usada. O pensamento nos níveis mais altos do governo Truman e das forças armadas era bem claro: se a bomba atômica pudesse encurtar a guerra, deveria ser usada.

O Comitê Interino, que compreendia funcionários do governo, oficiais militares, cientistas e até mesmo um especialista em relações públicas, determinou que as metas para as bombas atômicas deveriam ser uma instalação militar-industrial considerada importante para as indústrias relacionadas à guerra do Japão.

As fábricas de defesa tendiam a estar localizadas nas cidades ou perto delas, e naturalmente estariam localizadas perto de moradias de muitos trabalhadores civis.

Portanto, sempre foi assumido que os civis estariam na zona-alvo, mas isso não era incomum no contexto da guerra. Muitos milhares de civis morreram no bombardeio aliado da Alemanha. A campanha de bombardeio contra o Japão no início de 1945 já havia matado cerca de meio milhão de civis japoneses.

Timing e a União Soviética

Enquanto a primeira bomba atômica do mundo estava sendo preparada para um teste em uma área remota do Novo México em julho de 1945, o presidente Truman viajou para Potsdam, um subúrbio de Berlim, para se encontrar com o primeiro-ministro Winston Churchill e o ditador soviético Joseph Stalin.

Churchill sabia que os americanos estavam trabalhando na bomba. Stalin fora oficialmente mantido no escuro, embora os espiões soviéticos que trabalhavam no Projeto Manhattan estivessem transmitindo informações de que uma importante arma estava sendo desenvolvida.

Uma das considerações de Truman na Conferência de Potsdam foi a entrada da União Soviética na guerra contra o Japão. Os soviéticos e os japoneses não estavam em guerra e, na verdade, estavam aderindo a um pacto de não-agressão assinado anos antes.

Em reuniões com Churchill e o presidente Roosevelt na Conferência de Yalta, no início de 1945, Stalin concordara que a União Soviética atacaria o Japão três meses depois da rendição da Alemanha. Como a Alemanha se rendeu em 8 de maio de 1945, isso colocou a entrada da União Soviética na guerra do Pacífico em 8 de agosto de 1945.

Ajuda Russa?

Como Truman e seus conselheiros viram, a ajuda russa ao combate ao Japão seria bem-vinda se os americanos enfrentassem mais anos de combates cruéis. No entanto, os americanos eram muito cautelosos com as intenções soviéticas. Vendo os russos adquirirem influência sobre a Europa Oriental, havia um grande interesse em impedir a expansão soviética em partes da Ásia.

Truman sabia que, se a bomba funcionasse e pudesse terminar rapidamente a guerra, ele poderia impedir a expansão generalizada da Rússia na Ásia. Então, quando uma mensagem codificada chegou até ele em Potsdam, informando-o de que o teste da bomba foi bem-sucedido, ele conseguiu envolver Stalin com mais confiança. Ele sabia que não precisaria da ajuda russa para derrotar o Japão.

Em seu diário manuscrito, Truman anotou seus pensamentos. Depois de descrever uma conversa com Stalin, ele observou: “Acredito que os japoneses se dobrarão antes da chegada da Rússia. Tenho certeza de que o farão quando o Projeto Manhattan aparecer em sua terra natal.”

Demanda de rendição

Na conferência de Potsdam, os Estados Unidos fizeram um apelo pela rendição incondicional do Japão. Na Declaração de Potsdam, emitida em 26 de julho de 1945, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a República da China argumentaram que a posição do Japão era fútil. Também ressaltaram que suas forças armadas deveriam se render incondicionalmente.

A sentença final do documento afirmava: “A alternativa para o Japão é a imediata e total destruição”. Nenhuma menção específica foi feita à bomba atômica. Em 29 de julho de 1945, o Japão rejeitou a Declaração de Potsdam.

Duas bombas

Os Estados Unidos tinham duas bombas atômicas prontas para uso. Uma lista de alvos de quatro cidades havia sido determinada. Foi decidido que as bombas seriam usadas depois de 3 de agosto de 1945. Elas seriam lançadas conforme o clima permitisse.

A primeira bomba atômica foi lançada na cidade de Hiroshima em 6 de agosto de 1945. Sua destruição foi enorme, mas o Japão ainda não parecia disposto a se render. Na manhã de 6 de agosto na América, as estações de rádio tocaram um discurso gravado pelo presidente Truman. Ele anunciou o uso da bomba atômica e emitiu uma advertência aos japoneses de que mais bombas atômicas poderiam ser usadas contra sua terra natal.

O governo japonês continuou a rejeitar pedidos de rendição. A cidade de Nagasaki foi atacada com outra bomba atômica em 9 de agosto de 1945. A necessidade ou não da queda da segunda bomba atômica foi há muito debatida.

Controvérsia resiste

Ao longo das décadas, aprendeu-se geralmente que o uso da bomba atômica terminaria a guerra. No entanto, com o tempo, a questão de seu uso como parte de uma estratégia americana para conter a União Soviética também ganhou credibilidade.

Uma controvérsia nacional sobre a decisão de usar a bomba atômica entrou em erupção em meados da década de 1990. A Smithsonian Institution fez alterações em uma exposição que apresentava o Enola Gay, o B-29, que lançou a bomba de Hiroshima.

Como originalmente planejado, a exposição teria incluído críticas à decisão de abandonar a bomba. Grupos de veteranos, argumentando que o uso da bomba salvou a vida de tropas que teriam morrido em combate durante uma invasão de combate, protestaram contra a exibição planejada.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.