O que é a síndrome de adaptação geral? Características e Causas

A síndrome de adaptação geral (SAG) é o processo que o corpo sofre quando responde ao estresse. Seja ele fisiológico ou psicológico.

0

A síndrome de adaptação geral (SAG) é o processo que o corpo sofre quando responde ao estresse. Seja ele fisiológico ou psicológico. O processo consiste em três etapas: alarme, resistência e exaustão.

O SAG foi descrito pela primeira vez pelo endocrinologista Hans Selye. Ele acreditava que, com o tempo, a resposta ao estresse causa envelhecimento e doenças. Isso ocorre quando estamos cronicamente expostos ao estresse.

Organismos gostam de manter a homeostase, ou um estado estável e equilibrado. Quando um organismo é exposto ao estresse, o corpo usa a resposta “lutar ou fugir” para compensar.

A síndrome de adaptação geral é o processo pelo qual o corpo sofre para tentar retornar à homeostase. Através do uso de hormônios, o corpo tenta retornar a esse estado o mais rápido possível, mas o sistema tem limites. .

Alarme

Você já esteve em uma situação em que se sentiu estressado e seu coração começou a bater rapidamente? Talvez você tenha começado a suar ou sentiu que queria fugir? Estes são sintomas típicos da primeira fase da síndrome de adaptação geral. Ela é chamada de fase de reação de alarme.

No estágio de alarme, nossas reações típicas são estimuladas por dois hormônios corporais: epinefrina (também conhecida como adrenalina) e norepinefrina (também conhecida como noradrenalina).

A epinefrina mobiliza a liberação de glicose e ácidos graxos das células adiposas. O corpo é capaz de usar esse hormônio para responder ao estresse. Epinefrina e norepinefrina também têm efeitos poderosos no coração. Tanto a frequência cardíaca quanto o volume sistólico são aumentados. Assim, aumenta-se a frequência cardíaca do corpo.

Eles também ajudam a desviar o sangue das outras partes do corpo para o coração, cérebro e músculos, enquanto o corpo se prepara para atacar ou fugir.

Ao mesmo tempo, o corpo também libera glicocorticóides, particularmente o cortisol. O objetivo é ajudar a atender às necessidades energéticas do corpo em momentos de estresse. A reação glicocortical é tipicamente mais lenta. Sua duração é mais longa que os efeitos semelhantes da epinefrina.

Resistência

Quando a ameaça inicial diminui, o corpo tenta retornar ao seu estado homeostático e se auto-reparar. Esta é uma parte da fase de resistência da síndrome de adaptação geral. É caracterizada por uma falta de concentração e irritabilidade.

A pressão sanguínea é reduzida e os hormônios secretados pelo organismo tentam voltar aos seus níveis anteriores. No entanto, devido ao estresse inicial experimentado, o corpo permanece em um estado elevado de prontidão por algum tempo. Assumindo que o estresse seja superado, o corpo retornará ao seu estado anterior.

No entanto, se houver estresse crônico, o corpo tentará compensar e continuar no estágio de resistência. Se o corpo sofre estresse por muito tempo e permanece em estágio de resistência, pode levar ao estágio de exaustão.

Exaustão

O estágio de exaustão resulta da exposição crônica ao estresse. Nesse estágio, o estresse é tal que o corpo não é capaz de retornar ao seu estado original de homeostase. Em outras palavras, o corpo esgotou seus recursos internos e não é capaz de combater adequadamente o estresse.

Sinais do estágio de exaustão podem incluir ansiedade e depressão. O estágio de exaustão também é caracterizado por um sistema imunológico comprometido, o que torna mais difícil para o corpo combater infecções. O estresse crônico pode levar a várias doenças e problemas relacionados, como diabetes tipo 2.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.