Projetos estudam a possibilidade de reduzir os preços dos combustíveis; saiba mais

Na última sexta-feira, dia 11, a Petrobras reajustou o preço das bombas de gasolina em 18,8%.

Em meio à crise do petróleo, a Petrobras anunciou na última sexta-feira, 11, um novo aumento dos preços dos combustíveis. A empresa havia congelado os preços dos combustíveis por 57 dias, porém agora ele será repassado para o consumidor.

O aumento do preço dos combustíveis gera muita preocupação para a população, pois ele gera impacto em todo o mercado consumidor. Quando os combustíveis aumentam, a inflação tende a crescer em conjunto. Todavia, na tentativa de manter o controle dos reajustes, o Senado estuda maneiras de reduzir os preços.

Veja mais em: O litro da gasolina pode chegar a R$ 10; Entenda

Os aumentos graduais

Por ser uma empresa de capital misto, mesmo obtendo um lucro de bilhões no ano passado, o governo não pode congelar os preços dos combustíveis da Petrobras. Assim, no reajuste de preços da última sexta, a gasolina aumentou cerca de 18,8% e o diesel, 24,9%.

Nesse contexto, a principal causa para esses aumentos constantes é a grave crise de petróleo que vem acontecendo no mundo. Apesar do Brasil ser um país autossuficiente na produção de petróleo, a cotação do barril é feita em dólar. Dessa maneira, para seguir o mercado mundial, é necessário aumentar os preços.

A guerra entre Ucrânia e Rússia também reverbera no Brasil com os aumentos dos preços. Na medida em que a Rússia, principal produtora de petróleo do mundo, sofre com as sanções, ela restringe o seu petróleo para o mundo. Desse modo, os demais países alteram seu valor para caber na lei de oferta e demanda.

Senado estuda modos de reduzir os preços

Visando reduzir o preço dos combustíveis e controlar a inflação, o Senado aprovou no dia 10 o Projeto de Lei (PL) 1.472/2021. O texto pretende alterar a fórmula de cálculo dos combustíveis e criar uma estabilização de preços.

A principal ideia do projeto é promover um amortecimento dos preços em meio aos aumentos constantes dos barris de petróleo. Com isso, a lógica está em retardar a queda dos preços para que os aumentos repassados sejam mais leves para o bolso do consumidor.

Assim, o motivo para executar tal ação foi a crítica do deputado Rogério Carvalho à maneira como são calculados os preços dos combustíveis no Brasil. Pois, desde o ano de 2016, os preços dos barris de petróleo são calculados de acordo com o mercado internacional, em dólar. Na visão dos senadores, caso haja uma mudança de cálculo, os preços podem melhorar.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More