Quantos vulcões ativos existem no mundo

Conheça alguns dos vulcões que estão em atividade atualmente e saiba porque isso acontece com maior frequência em uma determinada região do planeta.

0

Alguma vez você já se perguntou se há vulcões em erupção ao redor mundo? Sim? Então saiba que existe uma intensa atividade vulcânica em diversos locais da Terra. Essas movimentações, inclusive, são monitoradas o tempo todo pelos especialistas da área.

Muito presentes no imaginário popular por conta dos filmes hollywoodianos, como “O Inferno de Dante” e “Volcano”, ambos de 1997, eles sempre são alvo de muita curiosidade. Atualmente, há mais de 1.500 vulcões ativos ao redor de todo o globo.

Quais são os vulcões mais conhecidos no mundo

Uma informação que pessoas sabem, é que aqui no Brasil, mesmo que nenhuma atividade vulcânica seja registrada, está localizado o vulcão mais antigo do mundo. Ele tem 1,89 bilhões de anos e fica nas proximidades do Rio Tapajós, na Amazônia.

Com certa proximidade do Brasil, também na América Latina, o Chile é um país que registra grande quantidade deles. Em 2015, o Vulcão Cabulco entrou em erupção, deixando todo o país em alerta em função da proximidade das áreas urbanas a que ele se encontra.

Na época, muitas áreas tiveram de ser evacuadas, pois, além da proximidade, a constituição geológica foi considerada um fator de risco extra. Mas não para por aí, o Chile tem cerca de outros 95 vulcões em atividade. O Copahue, localizado na fronteira com a Argentina, e o Láscar, no deserto do Atacama são alguns dos que mais registram movimentações.

No mesmo país, o Villarrica está situado a 800 km de Santiago, e entrou em erupção pela última vez em 1984. Nos dias em que ele está mais movimentado, é possível ver, além da fumaça, surgimento de lava em sua cratera.

Separado do Chile somente pelo Peru, no Equador está localizado o Tungurahua, que é o vulcão mais temido da América do Sul. Sua última erupção aconteceu em 2013.

Ainda nas Américas, os Estados Unidos é um dos países com maior índice de vulcões ativos. Atualmente, são mais de 130. Em 1980 o Monte Santa Helena, que fica no estado de Washington, estou em erupção e provocou 57 mortes.

Um dos norte americanos mais famosos é o Kilauea, no Havaí. Além de muito notório, desde 1983 ele é considerado um dos mais ativos do mundo.

Rússia, Japão e Indonésia são outros países que possuem um alto índice de atividade vulcânica. Mas você já se perguntou por que essa região é tão propícia a eles?

Se você tem alguma curiosidade nesse sentido, a geologia nos dá uma resposta. A conexão geológica entre estes países asiáticos e os americanos pode ser explicada pelo chamado “Cinturão de Fogo” ou círculo de fogo do Pacífico.

círculo de fogo do Pacífico

Além de atividade vulcânica, essa área é muito conhecida pelos elevados índices de terremoto. Isso acontece justamente porque lá ocorre o encontro entre placas tectônicas. São mais de 40 mil quilômetros de extensão, com alto nível de instabilidade geológica.

Apesar de ser uma área mais propícia, eles não estão restritos somente a ela. No continente europeu é possível encontrar inúmeros vulcões ativos. Os mais conhecidos estão na Itália. Entre eles, o de maior destaque é o Etna, localizado na Sicília.

Como se formam os vulcões

É muito comum que imaginemos os vulcões com um só tipo de constituição. Entretanto, eles não são todos iguais. Há aqueles que são submarinos, há os estratovulcões, que possuem atividade constante e também os vulcões-escudo, ou seja, os que são muito quentes e com muita lava, entre muitos outros.

Para entender essa formação, em primeiro lugar, precisamos lembrar que a crosta terrestre é formada por placas tectônicas. Os vulcões surgem quando elas se encontram, fazendo com que o material que está acima delas se movimente.

Essa movimentação gera aberturas para as camadas mais profundas da Terra. Justamente por meio dessas fissuras é que sai o magma encontrado entre a crosta e a manta, ou camada média do planeta.

Mas afinal de contas, o que é o magma? O magma é o líquido formado quando as rochas presentes entre a crosta e a manta se fundem. Isso acontece porque, quanto mais próximo do centro da Terra, maior a temperatura e a pressão.

Por conta da diferença de densidade, ele acaba subindo. Quando sobem, podem se tornar um vulcão expelindo lava, ou podem ficar alojados em determinados locais. No segundo caso, podem se cristalizar, formando estruturas como o granito, por exemplo.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.