Quem recebe auxílio-doença tem direito ao 13º salário?

Os trabalhadores resguardados pelo auxílio-doença são aqueles que possuem vínculos com o INSS e precisaram se afastar do trabalho por enfermidade.

São muitos os casos que levam os trabalhadores a se afastarem do trabalho por motivo de doença e nessas situações, o estado deve oferecer um suporte mínimo para que as questões financeiras não sejam um peso a mais nesse momento tão delicado.

Por isso, existe o auxílio-doença, pago em situações de afastamento de mais de 15 dias. Entretanto, muitas pessoas se perguntam se existe o pagamento de 13º salário para quem recebe o auxílio-doença. Caso essa seja sua dúvida, continue lendo essa matéria e descubra.

Leia mais: Deficiente auditivo tem direito a aposentadoria especial, entenda. 

Quem tem direito a receber o auxílio-doença?

Antes de responder a essa pergunta, vale ressaltar quais são as condições para que haja o pagamento do auxílio. Em geral, o trabalhador precisa ser um segurado do INSS, ou seja, possuir algum vínculo com a Previdência, mesmo que não seja contribuinte nesse momento, como por experiências passadas de trabalho com carteira assinada, ou por registro profissional regularizado.

Isso irá garantir a possibilidade do trabalhador recorrer ao auxílio-doença caso esteja desempregado e sem contribuir, em caso de algumas doenças específicas.

Aqueles que ficam doentes por mais de 15 dias podem receber o auxílio desde que tenham contribuído para a Previdência nos últimos 12 meses. Nesse caso, os 15 primeiros dias serão pagos pela empresa, ao passo que a partir do 16º será obrigação do INSS. Além disso, vale ressaltar que o pagamento será em valor de acordo com a classe profissional à qual o mesmo pertence, ou terá como base o valor da última profissão exercida em atividade laboral.

Existe 13º salário para quem recebe auxílio-doença?

Segundo os critérios da Lei, sim! Todos os trabalhadores que estão em período de afastamento por conta de enfermidade contam com a garantia do 13º salário no fim do ano. Isso porque a legislação leva em consideração o valor integral do salário pago durante o ano, e entende a necessidade de repassar o valor que é de direito do trabalhador.

Dessa forma, os custos podem ser revertidos para o cuidado do paciente, como uso de remédios e afins, administrado por ele mesmo, se estiver em condições, ou por um parente próprio, caso esteja incapaz.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More