Revolta de Felipe dos Santos (Revolta de Vila Rica) – Resumo, causas e consequências

Deflagrada em meio ao Ciclo do Ouro, esta revolta manifestou a insatisfação dos brasileiros em relação aos abusos de Portugal.

0

O que foi a Revolta de Felipe dos Santo? A Revolta de Felipe dos Santos tem este nome justamente por conta de seu líder. Ela aconteceu no território onde hoje está a cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais. Entretanto, naquele período ele tinha o nome de Vila Rica, portanto, o movimento é frequentemente chamado de Revolta de Vila Rica.

Em 1720, ano em que a revolta aconteceu, Minas Gerais produzia uma enorme quantidade de ouro. Este período ficou conhecido na história do Brasil, que naquele momento ainda era colônia de Portugal, como Ciclo do Ouro.

Assim como em outros levantes da época, um dos principais objetivos era a instalação do regime republicano e dessa forma, provocar importantes mudanças econômicas e sociais para o país.

Descubra abaixo quais foram as causas da revolta, como ela aconteceu e, ao seu final, quais foram as consequências do movimento.

Causas da Revolta de Vila Rica

No século XVIII, o ouro era a principal atividade econômica do país. Minas Gerais possuía grandes jazidas, ocasionando em um intenso fluxo econômico em seu território.

Dois fatores foram preponderantes para o início da Revolta. O primeiro deles foi a instituição do imposto chamado de “quinto”. Com ele, 20% de todos os ganhos provenientes do ouro deveriam ser remetidos à coroa, ou seja, um cobrança de impostos abusiva.

O segundo fator foi a criação da Casa de Fundição e Moeda. Se existiam os impostos, eles deveriam ser fiscalizados, para evitar sonegação. Então, Portugal criou esta instituição com o objetivo de cobrar e fiscalizar todos os impostos.

Todo o ouro encontrado no país deveria, obrigatoriamente, passar por lá. Ou seja, nenhuma negociação podia ser feita sem que a monarquia retirasse os seus lucros.

A Revolta

Felipe dos Santos foi um fazendeiro e tropeiro português, que esteve à frente do movimento. Insatisfeito com a situação, começou a proferir discursos chamando a população para os abusos da metrópole. A camada mais populares, bem como a classe média urbana rapidamente foi conquistada pelos discursos do líder.

Os amotinados, armados, chegaram a ocupar Vila Rica, enquanto exigiam o fim das Casas de Fundição. Os conflitos duraram quase um mês, e diante desse contexto, o governador Conde de Assumar convocou os rebeldes para negociar com a promessa de atender as reivindicações.

Usando de um tom pacifista, ele pediu, inclusive, que deixassem as suas armas. Entretanto, era uma emboscada. Utilizando uma tropa de mais de 1500 soldados, o governador invade a vila e prende todos os rebeldes, sem que os objetivos tenham sido alcançados.

O líder, Felipe dos Santos, também foi preso e condenado à morte pela forca. No dia 15 de julho de 1720, ele foi enforcado e esquartejado em praça pública.

Consequências da Revolta de Felipe dos Santos

Ao contrário do que era esperado pelos rebeldes, Portugal aumentou ainda mais a fiscalização na região. Sob a alegação de evitar o contrabando do ouro e a evasão fiscal, o governo criou  a capitania de Minas Gerais.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.