São Paulo aprova imposto que taxa entregas de aplicativos como Uber, Rappi e 99

O preço poderá ser cobrado com base no quilômetro percorrido, viagem realizada ou por uma combinação dos critérios previstos.

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, aprovou uma lei que permite a taxação de empresas de delivery como iFood, Rappi e 99. De acordo com o texto, todas as empresas que exploram, no território do município de São Paulo, atividades econômicas intensivas no uso do viário urbano poderão ter impostos cobrados.

A lei 17.584/2021 incluindo, mas a eles não se limita, os serviços de transporte por aplicativos eletrônicos e sua intermediação. Também inclui os serviços de encomenda e entrega de mercadorias e sua intermediação por aplicativos eletrônicos como a Amazon.

O preço público previsto na lei poderá ser cobrado com base no quilômetro percorrido, por viagem realizada no território do município de São Paulo ou por uma combinação dos critérios previstos. A prefeitura também destacou que vai considerar na hora da cobrança o impacto urbano e financeiro do uso do viário por cada atividade privada e empresa.

Categoria reivindica melhorias

De acordo com informações da Prefeitura, em 2020, houve 345 mortes de condutores de motos em sinistros de trânsito, e os motofretistas (incluídos os entregadores de aplicativos) representam 16% desse total. A participação desses profissionais no total de óbitos cresceu em relação a 2019, quando a proporção havia sido de 12%.

Os entregadores pedem que empresas como Ifood, 99 e Rappi ampliem a segurança dos trabalhadores. Entre as demandas estão a vinculação de contratos de seguros de vida, contra acidentes e contra roubo e furto das motocicletas.

Outras demandas incluem medidas preventivas contra a covid-19, como fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPI) e a disponibilização de endereços fixos para que possam esterilizar as motocicletas e os demais instrumentos de trabalho, evitando a infecção pelo novo coronavírus. Tais pontos já haviam sido recomendados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), em meados de março.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More