A biodiversidade da Região Norte – Fauna e Flora

Devido a presença da Floresta Amazônica, a biodiversidade do norte do Brasil é uma das mais ricas de todo o mundo. Conheça a fauna e a flora da região:

Coberto quase inteiramente pelo bioma Amazônia, a região Norte conta com a maior e mais única biodiversidade de todo o mundo. Isso é possível graças à sua extensão territorial (5,5 milhões de km²), que permite abrigar 53 ecossistemas e mais de 600 tipos de habitat terrestre e de água doce, como a floresta amazônica, savanas, pântanos, florestas de várzeas, entre outros.

Aproximadamente quase 10% de toda a diversidade do planeta está no bioma, que reúne cerca de 45 mil espécies de plantas, 100 mil invertebrados, 427 mamíferos, 1.294 aves, 378 répteis, 427 anfíbios e 3 mil peixes. Há espécies que existem exclusivamente na Amazônia e outros grupos de animais que são mais diversos na região do que em qualquer local do mundo, como primatas e borboletas.

Devido a sua vastidão, ainda há muito a se descobrir e estudar na região. Em 2017, o Relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) anunciou a descoberta de 381 novas espécies na Floresta Amazônica.

Fauna

A Floresta Amazônica, um dos ecossistemas da Amazônia, possui 20% de todas espécies da fauna do planeta. Confira alguns dos animais que habitam a Região Norte:

Boto-cor-de-rosa

(Foto: Wikimedia Commons)

Maior golfinho de água doce do mundo, vive nas águas dos rios amazônicos. Os machos podem chegar a medir 2,5 metros de comprimentos, e as fêmas, 2,2 metros.

Sua cor característica é devido às veias, que ficam logo abaixo da pele do animal. Apenas os adultos são rosados – os recém-nascidos e jovens são cinzentos. Os machos têm a cor mais viva que as fêmeas.

Onça-pintada

(Foto: Pixabay)

Maior felino das américas, possui pelagem amarelo-dourado com pintas pretas pelo corpo. É um animal de grande força muscular pode chegar a 135 kg.

Ariranha

(Foto: Wikimedia Commons)

Animal semiaquático, é também conhecida como onça-d’água, lontra-gigante ou lobo-do-rio. Possuem corpo alongado – o macho pode chegar até 1,80 metros e a fêmea, até 1,70 metros.

Arara-vermelha

(Foto: Pixabay)

A ave de cores exuberantes tem um comprimento de até 90 centímetros e pode pesar até 1,5 kg. Costumam andar em bando ou em pares.

Cachorro-vinagre

(Foto: Wikimedia Commons)

Nativo do Brasil e ameaçado de extinção, é o menor e mais sociável cão silvestre do País. Possui pelo avermelhado, cauda curta e orelhas pequenas.

Acará-disco

(Foto: Pixabay)

Peixe exclusivo de água doce, possui formato de disco e tem escamas coloridas. É pacífico, mas exigente em relação à qualidade da água

Galo-da-serra-do-pará

(Foto: Wikimedia Commons)

Nativo da América do Sul, o galo-da-serra é uma das mais belas aves do continente. O macho é conhecido pela sua bela plumagem laranja. Vive em áreas montanhosas da Amazônia.

Sucuri

(Foto: Wikimedia Commons)

Também conhecida por diversos outros nomes, como anaconda, a sucuri é a segunda maior cobra do mundo. Pode chegar até mais de 10 metros de comprimento e ter mais de 100 kg. Não é venenosa, já que é uma serpente constritora, que mata a presa enrolando-se com o corpo em volta dela para sufocá-la.

Flora

Na Amazônia, as Florestas de Terra Firme, a Floresta de Várzea e a Mata de Igapó são as vegetações mais comuns. Cada uma possui uma flora diferente, já que possuem habitats distintos.

As Florestas de Terra Firme, localizadas em planaltos sedimentares ou áreas com altitude mais elevadas, é onde estão as grandes árvores, com altura que chega a 60 metros.

A Floresta de Várzea, por sua vez, a vegetação é adaptada para as inundações, que ocorrem com as cheias dos rios em determinados períodos do ano. Já a Mata de Igapó, por estar na margem dos rios, como costuma ficar permanentemente alagada, tem plantas higrófilas de menor porte.

Confira algumas das plantas mais famosas da Região Norte:

Vitória-régia

(Foto: Pixabay)

Planta símbolo da Amazônia, é aquática e pode ter até 1,80 metro de diâmetro. Sua flor pode ser de várias cores, como branca, lilás, rosa e amarela.

Cupuaçuzeiro

(Foto: Embrapa)

Conhecida pelo seu fruto, o cupuaçu, a árvore pode chegar até 15 metros de altura. A espécie é nativa da Floresta Amazônica.

Seringueira

(Foto: Wikimedia Commons)

Também nativa da Amazônia, a seringueira é uma árvore que pode atingir até 30 metros de altura. De seu tronco, é retirado o látex para a produção de borracha.

Pupunha

(Foto: Wikimedia Commons)

Palmeira de até 20 metros, a pupunha é nativa da região amazônica e da mesma família do babaçu e do açaí. É aproveitada de diversas forma – seus frutos e palmito são alimento e as flores podem virar tempero.

Urucuzeiro

(Foto: Neide Makiko Furukawa)

Nativa da América, a árvore do urucum pode chegar até 5 metros de altura. Por crescer rapidamente, é plantada em áreas degradadas. A polpa de seu fruto é largamente usada pelos indígenas, que a utilizam para pintar a pele.

Castanheira-do-brasil

(Foto: Mauro Halpern)

Também conhecida como castanheira-do-Pará, é um árvore alta nativa da Amazônia, que pode atingir entre 30 a 50 metros de altura. De seu fruto, se tiram as sementes, as famosas castanhas-do-pará, tão apreciadas no país.

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More