Adrenalina

Hormônio que prepara o corpo para situações de estresse.

0

A adrenalina é um hormônio que prepara o organismo para momentos de grande estresse ou medo.

Esse hormônio atua sobre todos os tecidos do corpo e faz com que o indivíduo possa tomar uma decisão rápida.

Vamos saber mais sobre ele? Leia abaixo para descobrir suas funções, onde ele é produzido e seus efeitos depois de liberado no organismo.

O que é e para que serve a adrenalina?

A adrenalina, que também pode ser chamada de epinefrina, é um hormônio neurotransmissor que atua diretamente no Sistema Nervoso Central, em situações onde o indivíduo é submetido a grandes emoções, estresses, medos ou tensões.

Durante a pré-história, a adrenalina foi uma das responsáveis pela sobrevivência dos seres humanos. Aqueles que secretavam maiores quantidades desse hormônio conseguiam ficar mais alertas, ter um raciocínio acelerado e conseguir se livrar de situações perigosas com mais facilidade, sendo, assim, muito importante para a seleção natural.

Glândulas suprarrenais e a adrenalina

Esse hormônio é secretado pelas glândulas suprarrenais, que possuem esse nome porque estão localizadas acima dos rins.

Em momentos de estresse ou exaltação, as suprarrenais secretam adrenalina em grandes quantidades, fazendo com que o indivíduo esteja preparado para enfrentar grandes desafios.

Efeitos da adrenalina

Depois de secretada pelas glândulas suprarrenais, a adrenalina deixa o indivíduo mais alerta, prepara-o para grandes esforços físicos, aumenta o ritmo cardíaco e a sudorese, além de contrair e relaxar músculos.

É por isso que em algumas situações as pessoas tendem a conseguir fazer mais força do que seria comum, correr distâncias maiores que a sua resistência física normalmente permite e se manter por mais tempo acordado, por exemplo.

PUBLICIDADE

A adrenalina também é usada como tratamento de emergência em pessoas que estão sofrendo paradas cardiorrespiratórias ou choques anafiláticos, já que ela provoca uma ação vasopressora e estimulante para os músculos cardíacos.

Esse hormônio quando usado de forma sintética como medicamento, só pode ser administrados em hospitais. O transporte e uso fora do ambiente hospitalar só é permitido para pessoas que comprovadamente possuem riscos de reações alérgicas muito graves.

A administração da adrenalina fora dos casos relatados pode levar o indivíduo a morte.

Quem descobriu esse hormônio?

A presença da adrenalina foi relatada pela primeira vez ainda no século XIX, em 1886, pelo médico norte-americano William Horatio Bates na importante revista científica New York Medical Journal .

Entretanto, durante os anos seguintes a adrenalina foi relatada por outros pesquisadores como Napoleão Cybulski, em 1895, John Jacob Abel, em 1897 e Jokichi Takamine, em 1900, sem que eles soubessem das descobertas anteriores.

A primeira vez que esse hormônio foi sintetizado de maneira artificial aconteceu em 1904, por Friedrich Stolz.

Fórmula da adrenalina

A fórmula química da adrenalina é C9H13NO3  representada pela fórmula estrutural:
Adrenalina fórmula

Depois de secretada pelas glândulas suprarrenais ou administrada de forma sintética, a meia-vida biológica da adrenalina (tempo para que a substância reduza por processos químicos e físicos a metade da quantidade inicial no organismo) é de dois minutos.

Veja também:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.