A América Latina

0

A América Latina é formada por um conjunto de países colonizados por povos europeus de língua latina, sobretudo por espanhóis e portugueses.

Vinte países compõe a América Latina: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Mapa atual da América latina
Mapa atual da América latina

História: Primeiros Povos

A partir do século XV, as metrópoles europeias deram início à colonização do continente americano.

As grandes potências como Portugal e Espanha na tentativa de expandir os seus domínios e arrecadar riquezas para abastecer os seus mercados, invadiram os territórios que dariam origem as nações latino-americanas subjugando os povos que aqui já viviam: indígenas brasileiros, maias, astecas, incas, entre outros.

Exploração e Colonização

Foram mais de três séculos de dominação, mas no século XIX diversos movimentos de libertação transformariam a história da América Latina. As lutas pela independência colocariam fim ao domínio europeu no continente iniciando a formação dos Estados Nacionais.

Os movimentos em prol da independência foram marcados pela violência praticada pelas metrópoles contra os “rebeldes”. Com a conquista da emancipação política a maioria das nações adotaria o regime republicano como forma de governo, exceto o Brasil que foi governado por um regime monárquico até a proclamação da república no ano de 1889 (o México por um curto período foi governado por uma monarquia).

Mesmo com a independência, esses países continuaram a apresentar características culturais herdadas da metrópole colonizadora. Uma característica importante dos processos de independência tanto no Brasil como na América hispânica, é a liderança das elites locais nos movimentos de emancipação.

As lutas por independência não foram motivadas por um sentimento nacionalista, mas sim pelo desejo das elites locais em tomar posse do lugar ocupado pelo dominador europeu.

Com a conquista da emancipação política, os países latinos americanos buscariam a construção de uma identidade própria. Os mais de três séculos de dominação provocaram um atraso considerável para essas nações.

Economia

Enquanto a imensa maioria dos países europeus já usufruía dos benefícios da industrialização, na América Latina predominava o domínio das elites agrárias no comando político e econômico. A economia destinava-se a produção de gêneros agrícolas que abasteceriam principalmente o exigente mercado internacional.

Em muitos países ainda predominava a monocultura. No Brasil, por exemplo, o café foi a base da economia até o ano de 1929.

America Latina

As grandes potências mundiais viram na América Latina um consumidor em potencial dos seus produtos industrializados. Essa necessidade em adquirir mercadorias fabricadas pelas potências industriais gerou uma enorme dependência dos países latino americanos, sobretudo dependentes da Inglaterra e dos Estados Unidos.

Para agravar esse cenário, muitas nações tomaram empréstimos com as potências, estreitando ainda mais os laços de dependência econômica.

A formação dos Estados Nacionais não significou a independência integral da população. O poder nessas novas nações passou a ser exercido por elites locais que seja através de um regime republicano ou monárquico, foi marcado pelo autoritarismo.

As alianças políticas eram formadas em troca de favores como proteção, terras e cargos públicos a seus aliados. No Brasil, a primeira Constituição promulgada em 1824 apresentava forte caráter autoritário com a criação do poder moderador, que dava plenos poderes ao imperador D. Pedro I.

Na América hispânica o domínio exercido pelos criollos (filhos de espanhóis nascidos na América) fez com que a maioria da população permanecesse controlada por um governo autoritário.

Ao longo do século XIX as fronteiras dos novos Estados ainda passaram por algumas transformações. Conflitos como a Guerra do Pacífico que envolveu o Chile, Bolívia e Peru na disputa pelo Deserto do Atacama; Guerra do Paraguai disputa que definiu as fronteiras entre Brasil, Paraguai e Argentina; Guerra Cisplatina desencadeada pela anexação do território uruguaio por D. Pedro I foram alguns confrontos regionais que influenciaram na reorganização dos limites fronteiriços.

Ainda no início do século XX, os países latino-americanos, continuavam a fornecer matérias-primas e gêneros agrícolas as potências industrializadas, porém a deflagração da Primeira Guerra Mundial em 1914 alteraria essa situação.

Com a eclosão do conflito, a América Latina foi impedida de comercializar com essas nações devido à guerra, o que os obrigou a produzir internamente o que antes era comprado dos Estados Unidos ou da Europa. Essa política ficou conhecida como substituição de importações.

Problemas sócio-econômicos

A industrialização sofreu um impulso mudando a configuração econômica e social desses países, o operariado surge como uma nova classe social ao passo que a população urbana crescia a cada dia com a chegada de trabalhadores rurais em busca de melhores condições de vida.

Os séculos de dominação europeia seguidos pelo controle exercido por elites autoritárias, fez da América Latina um território historicamente complicado. As desigualdades sociais aliadas à alta dívida externa fizeram com que os países latinos americanos fossem taxados de subdesenvolvidos. Entre os principais problemas pode-se citar:

  • Alta concentração de renda nas mãos de uma pequena parcela da população, enquanto a maioria sofre com o desemprego ou as consequências do baixo rendimento;
  • Baixa escolarização, o acesso à educação adquiriu um caráter elitista, excluindo a população mais carente;
  • Moradias precárias em localidades periféricas como favelas. Esse problema social é originário em parte, da migração da população rural para a zona urbana em busca de emprego;
  • Fome, subnutrição e falta de assistência médica são alguns problemas que elevam as taxas de mortalidade infantil e diminuem a expectativa de vida da população.

Os problemas gerados pelo subdesenvolvimento ainda representam um sério entrave para muitos países da América Latina. No entanto, a partir da década de 1990 essas nações vêm conquistando certa estabilidade econômica.

Desde então, a América Latina vem estabelecendo parcerias econômicas com as grandes potências, o que permite a facilitação da entrada do capital estrangeiro e sua aplicação nos setores produtivos, o que possibilitou uma maior integração com a economia internacional.

Outro fator que merece destaque é a negociação da dívida externa desses países, o que permitiu um maior controle da inflação e da estagnação econômica.

As nações latino-americanas compartilham muitas características, como o fato de terem sido colonizadas e se tornado independentes quase que ao mesmo tempo. Porém, a América Latina é formada por um conjunto de países que possuem traços econômicos, culturais e sociais distintos.

Talvez a grande riqueza desse pedaço do continente americano esteja na diversidade cultural dos povos latinos, que ao mesmo tempo os distingue, mas também os une em torno de um ideal que é o de conquistar a sua soberania.

Lorena Castro Alves
Graduada em História e Pedagogia

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.