Capoeira

0

O que é Capoeira? A Capoeira é uma arte marcial afro-brasileira que combina elementos de dança, acrobacias e música. Foi desenvolvido no Brasil no início do século 16. Ela é conhecida por suas manobras rápidas e complexas, usando predominantemente potência, velocidade e alavancagem através de uma ampla variedade de chutes, giros e outras técnicas.

A origem mais aceita da palavra capoeira vem das palavras tupi ka’a (“selva”) e pûer (“era”), referindo-se às áreas de vegetação baixa no interior brasileiro onde os escravos fugitivos se escondiam. Um praticante da arte é chamado de capoeirista.

Em 26 de novembro de 2014, a capoeira recebeu um status de proteção especial como “patrimônio cultural intangível” pela UNESCO.

História

A história da capoeira começa com o início da escravidão africana no Brasil. Desde o século XVI, os colonos portugueses começaram a exportar escravos para suas colônias, vindos principalmente de Angola. O Brasil, com seu vasto território, recebeu a maioria dos escravos, quase 40% de todos os escravos enviados pelo Oceano Atlântico.

Originalmente, a tradição ancestral originou-se de Angola e foi denominada N’golo, um tipo de dança ritual. O propósito era cultural e religioso, pois a dança fornecia uma conexão com a vida após a morte e permitia que uma pessoa canalizasse seus antepassados ​​em sua dança.

Por exemplo, durante a dança, uma pessoa podia ser possuída por um ancestral que era talentoso em N’golo. Isso poderia ser aplicado a um cenário marcial. Durante o comércio de escravos do Atlântico, essa tradição foi transferida para as Américas. No Brasil deu origem a Capoeira, no Caribe ao Damnye e nos Estados Unidos ao Knocking and Kicking.

Proibição

No final do século XIX , a escravidão estava prestes a deixar o Império brasileiro. As razões incluíam a crescente milícia quilombola em plantações que ainda usavam escravos, a recusa do exército brasileiro em lidar com fugitivos e o crescimento dos movimentos abolicionistas brasileiros.

O Império tentou amenizar os problemas com leis para restringir a escravidão, mas finalmente o Brasil reconheceria o fim da instituição em 13 de maio de 1888, com uma lei chamada Lei Áurea, sancionada pelo parlamento imperial e assinada pela princesa Isabel.

No entanto, ex-escravos livres agora se sentiam abandonados. A maioria deles não tinha onde morar, nenhum emprego e era desprezada pela sociedade brasileira, que geralmente os via como trabalhadores preguiçosos. Além disso, a nova imigração da Europa e da Ásia deixou a maioria dos ex-escravos sem emprego.

Logo os capoeiristas começaram a usar suas habilidades de maneiras não convencionais. Criminosos e senhores da guerra usavam capoeiristas como guardas e pistoleiros.

Em 1890, a recém proclamada República Brasileira decretou a proibição da capoeira em todo o país. As condições sociais eram caóticas na capital brasileira, e os relatórios policiais identificaram a capoeira como uma vantagem nos combates.

Após a proibição, qualquer cidadão pego praticando capoeira, em luta ou por qualquer outro motivo, seria preso, torturado e muitas vezes mutilado pela polícia. As práticas culturais, como a roda de capoeira, foram conduzidas em lugares secretos para que não houvesse represálias.

Luta Regional Baiana

Para que a capoeira pudesse ser praticada novamente com suas raízes marciais, Mestre Bimba e Cisnando Lima decidiram desenvolver o primeiro método de treinamento sistemático para a capoeira e, em 1937, fundou-se a primeira escola de capoeira.

Aconselhado por Cisnando, Bimba chamou seu estilo de Luta Regional Baiana, porque a capoeira ainda era ilegal. Seu trabalho foi muito bem recebido e ele ensinou a capoeira à elite cultural da cidade. Em 1940, a capoeira finalmente perdeu sua conotação criminosa e foi legalizada.

Evolução

Embora houvesse algum grau de tolerância, a capoeira do começo do século XX começou a se tornar uma forma de dança mais higienizada e com menos aplicação marcial. Isso ocorreu devido a longa proibição, mas também devido ao golpe militar de 1930 a 1945, bem como ao regime militar de 1964-85.

Em ambos os casos, a capoeira ainda era vista pelas autoridades como um passatempo perigoso que era passível de punição, no entanto, durante o regime militar de 64, foi tolerado como uma atividade para estudantes universitários.

Atualmente

A capoeira hoje em dia não é apenas uma arte marcial, mas um ativo exportador da cultura brasileira em todo o mundo. Na década de 1970, os mestres de capoeira começaram a emigrar e a ensinar em outros países.

Presente em muitos países e em todos os continentes, todos os anos a capoeira atrai milhares de estudantes estrangeiros e turistas para o Brasil. Capoeiristas estrangeiros trabalham duro para aprender Português para melhor entender e se tornarem parte da arte.

Os renomados mestres da capoeira costumam ensinar no exterior e estabelecer suas próprias escolas. Apresentações de capoeira, normalmente teatrais, acrobáticas e com pouca marcialidade, são visões comuns em todo o mundo.

O aspecto da arte marcial ainda está presente e ainda está disfarçado, levando muitos não-praticantes a ignorar sua presença. Truques estão sempre presentes e capoeiristas especialistas podem até disfarçar um ataque como um gesto amigável.

Músicas

Os instrumentos musicais na capoeira são dispostos em uma linha chamada bateria. É tradicionalmente formado por três berimbaus, dois pandeiros, três atabaques, um agogô e um ganzá, mas esse formato pode variar dependendo das tradições do grupo de capoeira ou do estilo de roda.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.