Como funcionam as vacinas e como são produzidas?

Durante todas as fases da vida precisamos tomar uma série de vacinas. Isso porque elas são fundamentais para a manutenção da saúde individual e coletiva. Confira algumas informações e curiosidades.

0

As vacinas são tão comuns em nossas vidas desde a primeira infância, que muitas vezes nem nos atentamos a importância que ela possui. Capazes de evitar grandes epidemias e mortes em massa, como acontecia na idade média, elas são peça fundamental nas questões de saúde pública.

Mas você já parou para se perguntar como as vacinas são feitas? E mais, como elas agem no nosso organismo evitando doenças? Se você deseja sanar alguma dessas dúvidas, pode conferir o artigo abaixo, em que explicamos detalhadamente as respostas dessas, e de outras perguntas.

Como as vacinas foram criadas?

As primeiras vacinas foram desenvolvidas na Inglaterra, por volta de 1796. O responsável por por uma descobertas que mudaram o mundo foi o médico Edward Jenner.

No século XVI o vírus da varíola dizimou grande parte da população mundial, fazendo vítimas na América Espanhola, Europa e até mesmo no Brasil. Assim, alguns anos depois, já no final do século XVIII, Jenner começou a observar e estudar o processo e as possíveis relações entre a varíola bovina e a humana.

Naquela época, vivendo na zona rural, o médico observou que os trabalhadores de laticínios que tinham contato com vacas contaminadas pelo vírus, desenvolviam a doença de forma menos agressiva ou nem mesmo ficavam doentes, quando entravam em contato com forma humana da enfermidade.

O fato já havia despertado curiosidade entre os próprios trabalhadores, que não tinham meios para estabelecer uma explicação científica para a situação. A partir dessas constatações, Edward Jenner começou a fazer experimentos, com o objetivo de comprovar ou refutar a hipótese colocada.

Depois de constatar que o contato entre as feridas dos animais e humanos era capaz de amenizar os efeitos da varíola, ele quis saber se entre as pessoas era da mesma forma. Para testar, ele injetou em uma criança o líquido extraído da ferida de uma pessoa adulta, e que havia recebido a secreção nos machucados de sua mão através da ordenha de uma vaca contaminada.

A criança teve poucos sintomas e acabou por não desenvolver a forma bovina da doença. Entretanto, era preciso testar se isso também se consolidava com a forma humana do vírus.

Assim, ele retirou secreção de um ser humano infectado com a varíola mas que não havia tido nenhum contato com as vacas contaminadas. O conteúdo foi injetado na mesma criança, que para surpresa de todos, não ficou doente.

Munido deste e muitos outros testes que se seguiram e comprovaram sua hipótese, em 1798, Edward Jenner publicou o trabalho que seria um marco na saúde pública. A princípio, o processo foi chamado de inoculação e somente muitos anos depois foi de vacinação, do latim vaccinae, palavra que significa vaca.

Mas afinal de contas, como as vacinas funcionam no nosso corpo?

Desde a importante descoberta de Jenner, já se passaram mais de 200 anos. Portanto, o processo foi estudado e aperfeiçoado centenas de vezes, garantindo que as vacinas sejam cada dia mais modernas, seguras e eficazes.

De forma bastante simplificada, funciona assim: uma vez que o vírus presente em pequenas quantidades na vacina entra em contato com o corpo humano o sistema imunológico é ativado para nos proteger, com isso, ele cria um memória a respeito do vírus.

Assim, quando o corpo é infectado com uma doença contra a qual a pessoa já está protegida, como a tuberculose, por exemplo, por já ter uma memória anterior, os agentes responsáveis pelo sistema imunológico conseguem trabalhar rapidamente, evitando que o indivíduo fique doente.

Como as vacinas são produzidas?

Sabendo como elas foram criadas e como funcionam no organismo, o próximo passo é conhecer como elas são feitas atualmente. Seus processos de fabricação são bem parecidos, o que muda é o agente causador da enfermidade.

Geralmente o vírus da doença passa por processos capazes de diminuir ou atenuar o seu poder de infecção, mas de forma que eles ainda sejam capazes de despertar o sistema imunológico, que será responsável pela proteção do indivíduo.

Respeitando este princípio básico, elas podem ter diversas fórmulas. Há vacinas, por exemplo, que são produzidas com a injeção do vírus em ovos com embriões vivos. Lá, eles vão se multiplicar e depois vão passar por tratamento para poderem ser utilizados.

Algumas vacinas, como a da gripe, que são refeitas todos os anos. Isso porque o vírus passa por mutações anuais. Ou seja, como o agente causador da doença será diferente, para que a imunização aconteça, a vacina precisará ser feita de acordo com o novo material genético, caso contrário, não terá efeito algum.

Os processos são rigorosamente acompanhados e fiscalizados tanto pela Organização Mundial de Saúde, quanto pelas agências reguladoras de cada país. Normalmente os primeiros testes são feitos em animais e caso eles não apresentem reações, os testes poderão ser feitos nas pessoas.

O importante é estar sempre protegido e em dias com todas as vacinas. Muitas doenças graves, capazes inclusive de deixar sequelas permanente, podem ser evitadas assim.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.