“É possível evitar a demência com hábitos simples”, afirma neurocirurgião

Especialista é um dos defensores da velhice com lucidez e saúde, longe dos estereótipos vindos da demência.

As pessoas costumam associar sintomas como esquecimento, dificuldade de raciocínio e “lentidão” ao processo de envelhecimento. Mas não é isso que afirma o Dr. Sanjay Gupta, que é chefe do departamento de neurocirurgia do Grady Memorial Hospital, em Atlanta.

Segundo o neurocirurgião, que também é especialista em envelhecimento, a terceira idade pode ser cheia de saúde, lucidez e prazer. Porém, para viver esse momento em paz, será preciso investir em alguns hábitos simples e seguir dicas de como evitar a demência.

Leia mais: Confira hábitos que exercitam o cérebro e previnem doenças como o Alzheimer.

“Mente Afiada”

Além de neurocirurgião, Gupta também é escritor. Recentemente, seu livro “Mente Afiada: Desenvolva um cérebro ativo e saudável em qualquer idade” chegou ao Brasil pela editora Sextante. Na obra, o médico se debruça sobre alguns pequenos hábitos que podem influenciar na melhora do desenvolvimento do intelecto. Segundo seus estudos, existem cinco pilares para manter a saúde mental em dia:

  • Mexer-se;
  • Descobrir;
  • Relaxar;
  • Nutrir-se;
  • Conectar-se.

Ou seja, o segredo estaria numa vida com a presença de exercícios físicos, estímulo cerebral, boa alimentação, descanso e bons relacionamentos. Além disso, o doutor explica que não é preciso ir a fundo nessas questões, pois pequenas mudanças já podem gerar impactos importantes.

Alguns dos hábitos recomendados são manter uma rotina de conversas com pessoas que gostamos, respeitar o momento de descanso, comer bem e fazer uma caminhada leve. Ao aplicar essas transformações em seu dia a dia, uma pessoa poderá ter uma velhice prazerosa e sem grandes impactos.

A velhice não precisa ser difícil

Dr. Gupta busca romper com alguns dos estereótipos em torno da terceira idade e da prevenção para evitar a demência. Por exemplo, ele coloca o exercício físico como o principal fator que estimula o cérebro, e não as palavras-cruzadas. Embora o estímulo intelectual seja importante, apenas no exercício físico o seu corpo irá liberar o BDNF, que é um neurotrófico muito relevante.

Segundo o médico, não existe qualquer outra forma de estimular a produção dessa substância além da maneira natural, pelo exercício. Para isso, não existe a necessidade de ser um entusiasta da vida esportiva, mas apenas manter regular o movimento do corpo. Ou seja, uma caminhada diária, aulas de dança ou uma volta de bicicleta no bairro já ajuda muito.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More