Descubra quais são as doenças que podem garantir aposentadoria por invalidez do INSS

Existem algumas doenças graves que podem dar direito a essa aposentadoria do INSS. Confira quais são.

O Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) atua como responsável por amparar trabalhadores segurados que sofrem de diversas doenças. A deficiência por incapacidade permanente, anteriormente conhecida como aposentadoria por invalidez, é concedida nesses casos. No entanto, é preciso cumprir com todas as exigências para ter êxito na solicitação. Nesse sentido, confira neste artigo as doenças para aposentadoria por invalidez mais comuns.

Leia mais: Saiba qual será o primeiro estado a emitir o novo RG

Conheça as principais doenças que garantem aposentadoria no INSS

Existem algumas doenças consideradas graves que garantem ao trabalhador o direito de se aposentar prematuramente. Nesse sentido, é preciso que o segurado cumpra uma série de regras e trâmites a fim de conseguir a liberação da aposentadoria por incapacidade permanente. Veja a seguir quais são as condições de saúde graves que mais garantem esse direito.

1. Contaminação por radiação

Aqueles que são expostos à radiação podem se contaminar, e há o risco de desenvolver sérias complicações de saúde, que afetam os órgãos e dificultam o trabalho da pessoa.

2. Doenças relacionadas ao fígado

Hepatopatia grave é o nome que se dá para as doenças no fígado. Ela também se enquadra na categoria de doenças que qualificam para a aposentadoria do INSS. Esse tipo de doença é conhecido por atacar o órgão e causar uma deficiência grave que só piora.

3. Doença de Paget

O principal problema que essa doença promove ao corpo é nos ossos. Ela é mais comum nas regiões do crânio, pélvis, coluna e pernas. Com o passar do tempo, o corpo torna-se mais frágil e com possibilidades maiores para fraturas e deformidades.

4. AIDS

A síndrome da imunodeficiência adquirida também é considerada grave porque ataca o sistema imunológico da pessoa e a deixa vulnerável ao aparecimento de outras doenças. Devido à sua falta de cura, tornando-a uma condição permanente, o INSS garante o pagamento dos benefícios a todos os que forem acometidos por essa síndrome.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More